21 maio, 2010

É DIFÍCIL MUDAR

Olá!

Gente, leiam essa fábula e depois me digam se não tenho razão. Penso que, um pouco, é por isso que as coisas estão do jeito que estão. Também não sei..., já nem sei mais nada, hehe. Então proponho pensarmos juntos. Eis aí pra você "A FÁBULA DOS PORCOS ASSADOS", que recebi por email em 2008. Gostei e guardei, veio sem autoria, se alguém souber, por gentileza, me avise. A mensagem é muiiito legal.
"Certa vez, aconteceu um incêndio num bosque e alguns porcos morreram assados. Os homens da região, experimentaram carne assada e acharam deliciosa. Desde então, quando queriam comer porco assado, incendiavam um bosque.
O novo SISTEMA de comer porco se propagou, mas muita coisa precisava ser aperfeiçoada. Ora os porcos fugiam das chamas, ora ficavam apenas tostados. Havia necessidade de se aprimorar a assadura de porcos, bem como a formação de bosques para serem incendiados.

O Governo passou a formar especialistas: Cursos de Porcologia. Congressos anuais com apresentação de trabalhos sobre o assunto. Surgiram mestres em Piroporcotecnia. Seminários sobre como colocar os porcos em pontos estratégicos dentro dos bosques, antes de se atear fogo. As escolas criaram a especialidade para incendiadores de bosques de assar porcos. Foi incentivada a anemometecnia, com a formação de anemometécnicos, especialistas na aferição da velocidade e direção dos ventos. Pois dependendo de onde eles vinham os porcos poderiam sair dos bosques crus ou mal passados. Eram milhares de pessoas empregadas na preparação dos bosques que logo seriam incendiados.

Formou-se um Ministério para estudo de formação de bosques com árvores próprias para a queima necessária. Deveriam crescer rapidamente, não ter folhas, nem frutos e de fácil reposição. Era problemática a colocação dos porcos antes de serem queimados nos bosques. Precisaram-se de professores especializados nessas construções.

Surgiram Movimentos Sociais para que se desse à população pobre um pedaço de terra para formação de bosques para assar porcos. Mas pouco adiantaria o atendimento. Eles não teriam porcos para assar. As universidades criaram cadeiras sobre a matéria. Nos Encontros anuais os Porcólogos sugeriam, por exemplo, aplicar triangularmente o fogo, depois de determinada velocidade do vento, posicionando enormes ventiladores em direção oposta para guiar o fogo sobre os porcos.

Um dia, um Conselheiro, que fora Phd em incêndio, chamado João Bom Senso, pediu uma audiência pessoal com o Rei. Disse ao Monarca que os problemas poderiam ser facilmente resolvidos. Bastava simplesmente: Matar, limpar e colocar o porco numa armação metálica sobre brasas, até que o efeito do calor (e não as chamas) assasse a carne.

O Rei ficou indignado com a sugestão.
Você está doido? Eu quero solução. Não problema. O que vou fazer com os anemometécnicos? Onde vou empregar o conhecimento dos especialistas acendedores? E os tecnocratas em sementes? E com as árvores importadas? E os desenhistas de instalações para porcos, com suas máquinas purificadoras de ar? Milhões de bosques plantados? E o Programa de Reforma e Melhoramentos do Sistema que vai ser implantado pelo Ministério dos Bosques? Onde vou colocar os engenheiros formados em Piroporcotecnia? Temos que melhorar o sistema. Não transformá-lo radicalmente. Você é um maluco, para não dizer aloprado.
João não disse mais nada. Saiu de fininho. E daí em diante Bom Senso nunca mais participou de qualquer reunião da Monarquia. E quando alguém perguntava ao Rei sobre o João Bom Senso. Ele dizia:
─ Aquele pirado? Não sei. Nem quero saber.
─ Assar porco na brasa? Olha o cara... meu!!! 
Por isso é que até hoje se diz, quando há reuniões de Reforma e Melhoramentos do SISTEMA: Que falta faz o bom senso!
Beijos, até a próxima.
Postar um comentário