30 dezembro, 2012

COMEÇOU A CONTAGEM REGRESSIVA

Feliz Ano Novo!

Tenham fé pessoal, vai chover na nossa horta!!!
----------------------------------------------------------

2012 para mim, foi bom e não foi. Lidei com alguns dissabores. Mas passou. E 2013 está aqui, novinho em folha! Acho que vale a pena assumir novos propósitos, ano novo, vida nova. Óbvio, todo mundo sabe que não tem mágica nenhuma na passagem de 31 de dezembro para 1º de janeiro. Mas se a gente não acredita em nada, a vida perde a graça. De minha parte, quero me renovar. Tenho esperança.

E fé.

Meu pedido às estrelas é bem básico e parte do princípio de que menos é mais. Eu quero menos.

Menos bagagem, menos peso nas minhas costas. Cansei de dar conta de tantos deveres. Chega de preocupações, prefiro ocupações. Agora eu quero viajar mais leve, deixar meu coração em paz, aproveitar melhor a vida que me resta. Decidi carregar comigo apenas o suficiente para que eu possa ser útil a mim e aos meus. Só isso, nada de excessos. Meu sonho agora é voar! Quero estar leve para voar nos braços da alegria... Complicado? Eu sei, mas farei minha parte no tocante ao merecimento. Quer ver? Vou levar 2013 na mira, valorizando as coisas legais. Não falo de raridades, de grandes coisas, nada disso. Apenas das pequenas. Essas coisas comuns que acontecem no dia a dia da gente, mas que na real, são as que impulsionam a vida. Vou entrar o ano com um sorriso no rosto e farei o que for preciso para manter-me assim, alegre, jovial, pra cima. Vou encarar os acontecimentos com espírito aberto e serenidade. E vou cuidar melhor da minha saúde. E vou abrir muito bem os olhos, quem sabe eu descolo um projeto legal pra me engajar? Bom, aí eu me atiro. Rsrs. E vou estar alerta, consciente de que, noventa e nove por cento dos acontecimentos que permeiam nossa existência, não são assim tão urgentes e nem tão sérios. E que venha 2013!

contagem regressiva

Desejo a você um ano novo muito feliz, com bastante saúde e disposição. E muita sorte. E que não lhe falte trabalho, nem descanso e nem lazer e que você tenha lindas ideias, projetos bacanas e muita esperança, mas anote aí: qualquer que seja o seu propósito para 2013, só vai funcionar se você fizer direitinho o tema de casa, ou seja, faça a sua parte: levante a cabeça, bote um sorriso no rosto e encare a vida. De frente.

Marli Soares Borges

24 dezembro, 2012

NOITE FELIZ


Hello people!

Hoje à noite estaremos reunidos para festejar o Natal. Desejo que a noite seja de paz, de comunhão e de amor! E que sobretudo, a gente possa aproveitar muito bem as pequenas coisas que hoje estão ao nosso alcance, nossos familiares, nossos beijos, abraços, conversas, risadas... nossos momentos. Pois amanhã certamente iremos nos dar conta do quanto essas pequenas coisas eram grandes! E do quanto significaram em nossas vidas. E sentiremos saudades. Feliz Natal. Feliz hoje, aqui e agora!

Um beijo grande.
Marli Soares Borges (c) 2012.



21 dezembro, 2012

DESIDERATA - Max-Ehrmann

Hello people!

Pois é. Hoje são 21.12.2012. Fim do calendário estruturado pela civilização Maia. É apenas "o fim de um ciclo e o começo de um novo. É como 31 de dezembro, nosso calendário acaba, mas um novo calendário para o ano seguinte começa em 1º de janeiro", disse Don Yeomans, chefe do programa de Objetos Próximos da Terra do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa, em Pasadena, na Califórnia (no You Tube).

Mas, amanhã, 22 de dezembro, entre 11h16m e 11h26m, a terra, a lua e o sol estarão alinhados com Alcyone, a estrela maior, no centro da Via Láctea. Segundo especialistas, "as energias planetárias se organizam especialmente, levando-nos a viver um momento cósmico onde uma extraordinária oportunidade estará disponível, para que muitos possam passar por uma iluminação."  

Pensando nas energias que circulam no universo nesses momentos especiais, achei que a DESIDERATA seria uma ótima leitura. Um texto que é também especial. Espero que você goste.
Siga tranqüilamente entre a inquietude e a pressa, lembrando-se de que há sempre paz no silêncio.
Tanto quanto possível sem se humilhar, mantenha boas relações com todas as pessoas.
Fale a sua verdade mansa e claramente e ouça a dos outros, mesmo a dos insensatos e ignorantes, pois eles têm também sua própria história.
Evite as pessoas agitadas e agressivas; elas afligem o nosso espírito.
Se você se comparar com os outros, você se tornará presunçoso e magoado, pois sempre haverá alguém superior e alguém inferior a você.
Você é filho do Universo, irmão das estrelas e árvores, você merece estar aqui! E mesmo sem você perceber, a Terra e o Universo vão cumprindo o seu destino.
Desfrute de suas realizações, bem como de seus planos.
Mantenha-se interessado em sua carreira, ainda que humilde, pois ela é um ganho real na fortuna cambiante do tempo.
Tenha cautela nos negócios, pois o mundo está cheio de astúcias; mas não se torne um cético, porque a virtude sempre existirá.
Muita gente luta por altos ideais, e em toda a parte a vida está cheia de heroísmos.
Seja você mesmo.
Principalmente não simule afeição, nem seja descrente do amor, porque mesmo diante de tanta aridez e desencanto, ele é tão perene quanto a relva.
Aceite com carinho o conselho dos mais velhos e seja compreensivo com os arroubos inovadores da juventude.
Alimente a força do espírito que o protegerá no infortúnio inesperado, e não se desespere com perigos imaginários.
Muitos temores nascem do cansaço e da solidão; e, a despeito de uma disciplina mais rigorosa, seja gentil para consigo mesmo.
Portanto, esteja em paz com Deus, como quer que você O conceba.
E quaisquer que sejam os seus problemas, trabalhos e aspirações, na fatigante confusão da vida, mantenha-se em paz com sua alma.
Apesar de todas as falsidades, fadigas e desencantos, o mundo ainda é bonito.
Seja prudente! Faça tudo para ser feliz!
E jamais desesperes, porquanto sejas quem seja e estejas onde estiveres, ninguém te pode furtar o privilégio da imortalidade nem te arredar do Esquema de Deus. 
Clique aqui e saiba mais: Desiderata é um poema em prosa escrito em 1927 pelo escritor norte americano Max Ehrmann, 1872 - 1945. Em 1956 o pároco da igreja de São Paulo de Baltimore, reproduziu o texto e distribuiu entre seus fiéis. Na sequência saíram outras reproduções sem os créditos originais, constando por engano, que o texto havia sido "achado na Igreja de São Paulo de Baltimore em 1692", ano de fundação da Igreja. Um equívoco que circulou como verdade durante muito tempo.


Beijos a todos.

07 novembro, 2012

ELA NÃO DEIXOU BENS

Olá!!

Vou repassar pra você um poema que recebi hoje. Acho que vale a pena. Foi encontrado nos pertences de uma velhinha, num hospital de doenças da velhice. Foi o único bem que ela deixou. Pra variar está sem autoria, o que acho uma sacanagem. Porque não colocaram logo o nome da velhinha, se sabiam que foi ela quem escreveu? Pois é, mas pelo que li no email, o dito poema foi publicado na edição de Natal da "União para a Saúde Mental", (sei lá o que é isso), na Irlanda do Norte. Não me pergunte nada, não saberei responder. Estou vendendo o peixe pelo preço que comprei. Mas bem que eu gostaria de ver a tal publicação, só pra conferir os créditos! Tsc, tsc.

Mas quero registrar aqui, as minhas impressões. 

Achei o poema delicado, simples e extremamente sensível. De uma riqueza emocional que quase não se vê, hoje em dia, nas poesias. Os sentimentos estão muito bem desenhados, e em certas passagens até me senti abduzida pra dentro do texto, -- o que obviamente denuncia que sou uma dinossaura --. Muito detalhe, muita sutileza, muita vida vivida. Um lindo poema. 

A VELHA RABUGENTA

Que vêem amigas?
Que vêem?
Que pensam quando me olham?

Uma velha rabugenta não muito inteligente de hábitos incertos,
Com seus olhos sonhadores fixos ao longe?

A velha que cospe comida
Que não responde ao tentar ser convencida...
"De, fazer um pequeno esforço?"

A velha, que vocês acreditam que não se dá conta
Das coisas que vocês fazem
E que continuamente perde a sua escova ou sapato?

A velha, que contra sua vontade,
Mas humildemente lhes permite fazer o que queiram,
Que me banhem e me alimentem,
Só para o dia passar mais depressa...

É isso que vocês acham?
É isso que vocês vêem?
Se assim for, abram os olhos, amigas,
Porque isso que vocês vêem não sou eu!

Vou lhes dizer quem sou,
Quando estou sentada aqui,
Tão tranquila, como me ordenaram...

Sou uma menina de dez anos,
Que tem pai e mãe,
Irmãos e irmãs que se amam.

Sou uma jovenzinha de dezesseis anos.
Com asas nos pés, e que sonha encontrar seu amado.

Sou uma noiva aos vinte
Que o coração salta nas lembranças,
Quando fiz a promessa que me uniu até o fim de meus dias
Com o AMOR de minha vida.

Sou ainda uma moça com vinte e cinco anos,
Que tem filhos,
Que precisam que eu os guie...
Tenho um lugar seguro e feliz!

Sou a mulher com trinta anos
Onde os filhos crescem rápido
E estamos unidos com laços que deveriam durar para sempre...

Quando tenho quarenta anos
Meus filhos já cresceram e não estão em casa...
Mas ao meu lado está meu marido
Que me acalenta quando estou triste.

Aos cinquenta, mais uma vez comigo deixaram os bebês, meus netos,
E de novo tenho a alegria das crianças,
Meus entes queridos junto a mim.

Aos sessenta anos, sobre mim nuvens escuras aparecem,
Meu marido está morto;
Quando olho meu futuro me arrepio toda de terror.

Os meus filhos se foram,
E agora tem os seus próprios filhos...
Então penso em tudo o que aconteceu e no amor que conheci.

Agora sou uma velha.
Que cruel é a natureza...
A velhice é uma piada
Que transforma um ser humano em um alienado.

O corpo murcha.
Os atrativos e a força desaparecem.
Ali, onde uma vez teve um coração
Agora há uma pedra.

No entanto nestas ruínas, a menina de dezesseis anos ainda está viva.
E o meu coração cansado,
Ainda está repleto de sentimentos vivos e conhecidos.

Recordo os dias felizes e tristes
Em meus pensamentos volto a amar e a viver o meu passado.
Penso em todos esses anos que se foram,
Ao mesmo tempo poucos,
Mas que passaram muito rápido,
E aceito o inevitável...
Que nada pode durar para sempre...

Por isso, abram seus olhos e vejam
Diante de vocês não está uma velha mal-humorada,
Diante de vocês estou apenas “EU”...

Uma menina, mulher e senhora.
Viva...! E com todos os sentimentos de uma vida...

Beijos a todos.


29 outubro, 2012

FLORES, FLORES, FLORES

Olá turma
Hoje o assunto é Georgia O’Keef  e suas flores maravilhosas.

Georgia O’Keef foi uma pintora norte americana que viveu de 1887-1986. Eu amo os quadros da Georgia e até já andei falando sobre o assunto nesse link  aqui. Confira, você vai gostar. E ainda pretendo postar mais detalhes a respeito, lá no Face.

Li na biografia, que Georgia certa vez observou uma coisa, que pode ser o ponto de partida para entendermos o que a motivou a pintar essas flores tão especiais. Ela disse que ninguém vê uma flor, que a flor é tão pequena; que não temos tempo de parar e ver, mas que ela queria que a gente parasse e olhasse as flores, que tivéssemos curiosidade. E o que foi que ela fez então? Pintou-as assim, gigantes, com detalhes surpreendentes, que só os seus olhos de artista poderiam captar!

Vamos ver como ficaram? (Já sei o que você vai pensar. Por isso vou continuar o assunto lá no Facebook, que possibilita uma boa troca de ideias).






E aí, gostou? Quer saber mais? Diga alguma coisa por aqui, e depois encontre-me lá no Face.  Logo, logo estarei postando por lá.

Beijos a todos.

18 outubro, 2012

DIA INTERNACIONAL DA ERRADICAÇÃO DA POBREZA

Olá turma

Hoje,17 de outubro é o Dia internacional da Erradicação da Extrema Pobreza, criado pela ONU em 1992. A escolha de 17 de outubro aconteceu devido a uma manifestação em Paris (1987), quando as pessoas lutavam para que os direitos fundamentais se tornassem realidade universal. Naquele dia, o padre Josephe Wresinski fez uma afirmação lapidar, absolutamente certa. Disse ele: 
"Onde os homens estão condenados a viver na miséria, os direitos humanos são violados”.   
A respeito da pobreza, deixo aqui um lembrete para você. Encontrei na carta aberta que a professora aposentada Martha Pannunzio, de Uberlândia-MG, endereçou à presidente Dilma. No meu pensar, essa carta é seguramente a voz de milhões de brasileiros, nos quais eu me incluo. Ao longo da missiva, ela manifesta sua indignação pelas tais "bolsa isso e bolsa aquilo, salário isso e aquilo", iniciativas assistencialistas que, sabemos, ao contrário de incluir os mais humildes na sociedade produtiva, os exclui para sempre, viciados que ficam em receber a esmola governamental.  

Agora o lembrete, veja o que ela diz:
"Último lembrete: a pobreza é uma consequência da esmola. Corta a esmola que a pobreza acaba, como dois mais dois são quatro."
E prossegue dizendo:
"Não me leve a mal por este protesto público.
Tenho obrigação de protestar, sabe por quê?
Porque, a cada delírio seu, quem paga a conta sou eu..."
(A íntegra você encontra no Google. É só digitar (sem aspas) -- carta aberta martha --. A carta é longa, mas vale a pena ler)

Volto em breve.
Beijos a todos.

15 outubro, 2012

UM RETRATO DOS TEMPOS ATUAIS

Olá turma,

Que tal dar uma lida nesta frase aqui? Pode ser que você já conheça, mas mesmo assim, vale a leitura!


"Quando você perceber que para produzir precisa obter a autorização de quem não produz nada; quando comprovar que o dinheiro flui para quem negocia não com bens, mas com favores; quando perceber que muitos ficam ricos pelo suborno e por influência, mais que pelo trabalho, e que as leis não nos protegem deles, mas, pelo contrário, são eles que estão protegidos de você; quando perceber que a corrupção é recompensada e a honestidade se converte em auto sacrifício; então poderá afirmar, sem temor de errar, que sua sociedade está condenada." 

A frase foi dita em 1920, por Ayn Rand, uma filósofa -- e profeta, acho! -- russo-americana (judia, fugitiva da revolução russa, que veio para os Estados Unidos). 

Desde muito cedo ela percebeu que o direito do indivíduo à sua própria vida e aos frutos do seu trabalho (propriedade) é um direito inalienável, que nenhum outro indivíduo, grupo, coletividade, classe ou estado pode violar. Isto não é incrível? 

Quando menina ela descobriu que o que é admirável no ser humano é a sua capacidade de ação e liderança, o seu potencial de grandeza e heroísmo -- e que uma vez que a gente descobre isso em nós, não se consegue mais aceitar migalhas! 

Bingo. Taí porque ela disse aquela frase lapidar. Bota visão nisso! 

Volto em breve.
Beijos a todos.

(fonte: foto e biografia na internet)

24 setembro, 2012

DOIS COELHOS

Olá turma,

Ontem assisti um filme, por insistência de meu filho e minha nora. Confesso que resolvi assistir, completamente sem elan... (eu nada sabia do filme e achei que não iria gostar). Pois não é que gostei? O nome do filme é "Dois Coelhos" e você, com certeza já deve ter assistido. Mesmo assim, pra quem ainda não viu, aí estão minhas impressões.

Dois Coelhos é um filme brasileiro e conta a história de um homem, que, assim como todos os brasileiros, vive sufocado entre a criminalidade --sempre impune-- e o poder público, que só funciona à custa do dinheiro da corrupção. Cansado dessa situação, ele resolve fazer justiça com as próprias mãos. Seu nome: Edgar. Então: o filme é centrado na história de Edgar. 

Para acabar com essa situação e não ser mais vítima da impunidade, Edgar elabora um plano (meio fodido, como ele diz,) mas que fará os criminosos baterem de frente com os políticos gananciosos. No decorrer do filme, durante a execução do plano, a gente descobre que além da revolta com o sistema, Edgar tem outras intenções, bem mais profundas, e que têm tudo a ver com sua própria história de vida, que foi marcada por um terrível acidente e por um amor que ele nunca esqueceu. 

O roteiro é inteligente e bem elaborado, mas é bastante complexo, (pelo menos eu achei). A narrativa não é linear, e às vezes fica até um pouco confusa. É preciso prestar muita atenção, senão a gente pode acabar perdendo o fio da meada. Mas se você não se perder nas idas e vindas da trama e suas milhares de informações visuais, com certeza vai assistir um ótimo filme, cheio de ação e efeitos muito bacanas e ao mesmo tempo, usufruir de uma produção empolgante, com um desfecho inesperado. Aí sim, como Edgar, você vai matar dois coelhos com uma cajadada só!

No elenco tem: Fernando Pinto Alves, Alessandra Negrini, Caco Ciocler, Thogum, Norival Rizzo, Marat Descartes, Aldine Muller, Neco Villa Lobos, Robson Nunes, Thaide. Direção e roteiro de Afonso Poyart. Longa metragem.

O quê? Não conhecia a maioria deles? Toque aqui, eu também não. Mas o filme é excelente. Show de bola.

Beijos a todos.

09 janeiro, 2012

TOC, TOC

Olá turma!

Sigo em férias, não viajei ainda. Quero ficar um pouco em casa, sossegada, num dolce far niente.

Assisti ontem "Marley e eu". Sim, AMEI. Até me deu vontade de ter outro cachorro, dessa vez um labrador. Mas, snif..., já tenho muitos.

Ando me dedicando bastante aos origamis. Estou até pensando em criar uma página só para postar meus trabalhos, ou, quem sabe... um outro blog, ..., não sei ainda.

Dei uma geral no meu lap e achei um texto que recebi por email há tempos. Vou reproduzi-lo aqui e sei que muita gente vai achar de uma pieguice atroz, - paciência. É que esse texto dá uma cutucada em quem vive jogando a responsabilidade da própria vida nas costas dos outros. Vale a pena dar uma lida. E pensar. É um bom toque pra gente encarar o 2012. Acho.

Volto em breve.
Beijos a todos.

"QUEM TE FAZ FELIZ? (autoria desconhecida)
Durante um seminário para casais, perguntaram a uma das esposas: - Seu marido lhe faz feliz? Ele lhe faz feliz de verdade? Neste momento, o marido levantou seu pescoço, demonstrando total segurança. Ele sabia que a sua esposa diria que sim, pois ela jamais havia reclamado de algo durante o casamento. Todavia, sua esposa respondeu a pergunta com um sonoro NÃO, daqueles bem redondos! - Não, o meu marido não me faz feliz! (Neste momento o marido já procurava a porta de saída mais próxima). Meu marido nunca me fez feliz e não me faz feliz! Eu sou feliz. E continuou: O fato de eu ser feliz ou não, não depende dele; e sim de mim. Eu sou a única pessoa da qual depende a minha felicidade. Eu determino ser feliz em cada situação e em cada momento da minha vida, pois se a minha felicidade dependesse de alguma pessoa, coisa ou circunstância sobre a face da Terra, eu estaria com sérios problemas. Tudo o que existe nesta vida muda constantemente: o ser humano, as riquezas, o meu corpo, o clima, o meu chefe, os prazeres, os amigos, minha saúde física e mental. E assim eu poderia citar uma lista interminável. Eu decido ser feliz! Se tenho hoje minha casa vazia ou cheia: sou feliz! Se vou sair acompanhada ou sozinha: sou feliz! Se meu emprego é bem remunerado ou não: eu sou feliz! Sou casada, mas era feliz quando estava solteira. Eu sou feliz por mim mesma. As demais coisas, pessoas, momentos ou situações eu chamo de experiências que podem ou não me proporcionar momentos de alegria e tristeza. Quando alguém que eu amo morre eu sou uma pessoa feliz num momento inevitável de tristeza. Aprendo com as experiências passageiras e vivo as que são eternas como amar, perdoar, ajudar, compreender, aceitar, consolar. Há pessoas que dizem: hoje não posso ser feliz porque estou doente, porque não tenho dinheiro, porque faz muito calor, porque alguém me insultou, porque alguém deixou de me amar, porque eu não soube me dar valor, porque meu marido não é como eu esperava, porque meus filhos não me fazem felizes, porque meus amigos não me fazem felizes, porque meu emprego é medíocre e por aí vai. Eu amo meu marido e me sinto amada por ele desde que nos casamos. Amo a vida que tenho, mas não porque minha vida é mais fácil do que a dos outros. É porque eu decidi ser feliz como indivíduo e me responsabilizo por minha felicidade. Quando eu tiro essa obrigação do meu marido e de qualquer outra pessoa, deixo-os livres do peso de me carregar nos ombros. A vida de todos fica muito mais leve. E é dessa forma que consegui um casamento bem sucedido ao longo de tantos anos. Nunca deixe nas mãos de ninguém uma responsabilidade tão grande quanto a de assumir e promover sua felicidade."