21 novembro, 2016

ANTÍDOTO PARA O ATORDOAMENTO







Nesses tempos em que o consumo e as aparências pretendem dar sentido à vida, poetizar as pequenas emoções é mais do que nunca, o antídoto para o atordoamento. Só a poesia nos salvará. 

Em meu altar de poesia reservo espaço iluminado para a genialidade poética de Manoel de Barros: "eu não sei nada sobre as grandes coisas do mundo, mas sobre as pequenas eu sei menos"; Emilio Moura, absolutamente cirúrgico, direto na jugular: "viver não dói. O que dói é a vida que não se vive"; Mario Quintana, profético e profundo: "eles passarão... eu passarinho". E para costurar toda essa poesia, só mesmo a sabedoria delicada de Cora Coralina: "se a gente cresce com os golpes duros da vida, também podemos crescer com os toques suaves na alma.” 

Repito, só a poesia nos salvará.

Marli Soares Borges

12 setembro, 2016

SEM PERDÃO





"SEM PERDÃO". Autor: Frederick Forsyth. 1982. Tradução de Pinheiro de Lemos.

Dez contos, cada um melhor que o outro. Livro antigo, o que tenho é de 1982, você encontra no sebo e talvez até em pdf, na internet. É bem baratinho. Literatura boa! Imperdível! Começo a ler e não consigo largar, a respiração fica sempre em suspenso. Forsyth tem uma capacidade única de escrever: muitas reviravoltas, milhões de surpresas... e nós dentro da história, vivendo naquele mundo espantosamente real. Nem precisamos ter imagens claras sobre os lugares descritos, ele não perde tempo com pontos desnecessários, só se ocupa com os principais momentos da trama. (Estou relendo mais uma vez. Já reli outras tantas, por puro prazer).

Tem dois contos que adoro! "Sem Perdão" e "Não Há Cobras na Irlanda". Fico pensando no caráter das pessoas, na bondade e na maldade. E na estupidez.

Resuminho básico de "Não há cobras na Irlanda", só uma palhinha: a fim de estudar Medicina para servir o seu povo, Harkishan Ram Lal saiu do Panjab, na Índia. Mas cadê dinheiro para concluir o último ano da faculdade? Acabou aceitando um emprego clandestino num trabalho de demolição - um subemprego, com um chefe ignorante, truculento e grosso. A partir daí, as cobras... bom, você vai ter que ler.

Já li, há bastante tempo, outros livros dele: O Dia do Chacal, O Dossiê Odessa, O Punho de Deus, O Quarto Protocolo e Cães de Guerra. Todos ótimos, mas "Sem Perdão" é medalha de ouro.

Marli Soares Borges

02 setembro, 2016

NADA CONTRA





Saco cheio de falar de impeachment.

Vou mudar de assunto.

Todo mundo já deve ter ouvido essas pérolas: "odeio TV". "Boa noite, prefiro meu livro". "Amo ler, há anos não assisto tv." "Assim que terminar de ler esse, vou começar esse outro, tenho muitos na minha lista". E por aí vai. Leitores e mais leitores. O pessoal passa 24 horas lendo livros e mais livros! Verdadeiras bibliotecas ambulantes. Só falam em livros e autores e, de certa forma até "humilham" as pobres almas que não têm tempo nem paciência para navegarem nesse mar de leituras. Em contrapartida, esses mesmos leitores sabem tudo sobre a vida dos artistas, revistas, modas e tvs. Nada contra, gosto é gosto e cada um faz o que quiser do seu tempo. Mas como sou avessa a ostentações, não consigo entender o que se passa na cabeça dessas pessoas, pois quem realmente lê, não precisa exibir-se. A própria escrita demonstrará o conhecimento adquirido, o raciocínio, a apropriação vocabular. (A meu ver, é até irrelevante se a escrita apresentar pequenos erros ortográficos, - pois isso sim, depende diretamente do estudo, da memória, etc. e nem sempre as pessoas tem acesso a esse tipo de estudo em sentido estrito -). Uma coisa não tem nada a ver com outra. Cultura não tem nada a ver com estudo. Ambos estão imbricados, reconheço, mas são independentes na origem. Fui criada pelos meus avós que muito pobres, não tiveram acesso ao estudo, mas isso não os impediu de serem leitores contumazes e de, através dos livros, adquirirem muita cultura. Sólida cultura. E isso transparecia nas conversas, nos bate papos, no dia a dia. Eles conheciam o significado e o valor das palavras, liam e sabiam o que estavam lendo. A interpretação de texto acontecia ali, no momento da leitura. Bem ao contrário de muitos que se dizem devoradores de livros mas que, pelas abobrinhas que falam, deixam a nítida impressão de serem aquele tipo de leitores, que feito zumbis, zapeiam nas orelhas dos livros e colecionam dados, que depois são incapazes de transformar em conhecimento. Falta-lhes fluência vocabular que lhes dê suporte para interpretarem os textos e expressarem seu pensamento. E isso sim, depende de muita leitura, muito estudo, muita paciência, muita concentração e muita determinação.

Marli Soares Borges

24 agosto, 2016

DE SEGURANÇAS E CERTEZAS




Era uma vez... ops, apaga!
É dessa vez!

Ainda que muitos se apavorem e tentem demover-lhe daquilo que sua alma deseja e quer, não se incomode. As pessoas costumam falar porque estão viciadas em seguranças e certezas. Mas a própria vida está aí, com sua finitude, nos lembrando que algumas loucuras serão sempre bem-vindas! E você que vive esperando tudo tomar a forma exata para decidir melhor, lembre-se, isso nem sempre é possível. Muitas vezes temos que tomar decisões na incerteza, ou perdemos o bonde. No final das contas, o lance é mesmo movimentar a vida. De um jeito ou de outro, enquanto estamos vivos, sempre é tempo de começar alguma coisa, recomeçar outra e porque não, retomar e continuar outras tantas.
 
Marli Soares Borges

16 agosto, 2016

O TOM DAS OLIMPÍADAS






A geração mimimi, em forma de repórter, segue dando o tom nas Olimpíadas. O esporte é o que menos interessa. As preocupações têm sido patéticas.

A nossa imprensa é "especializada" em esportes, mas numa olimpíada, prefere tratar de "outros" assuntos. Na pauta, as questões "sócio-esquerdosas". Estas sim, uma especialidade que se tivesse modalidade olímpica, o Brasil seria campeão! Os feitos esportistas dos atletas ninguém se interessa, o lance é descobrir-lhes o passado e trazer a público suas vidinhas podres. E se o cara comeu o pão que o diabo amassou, aí sim ele vira um herói! E a reportagem vai à loucura!

Quais os movimentos obrigatórios na trave? Qual a postura desejável para esse ou aquele salto? O que é preciso para ser um atleta profissional? Tem tantos detalhes curiosos que o espectador gostaria de saber... mas do esporte mesmo, pouco ou nada se fala. Os atletas não são atletas, são entidades a serviço de uma ideologia. E nós suportando, diante do mundo, a vergonha alheia dessa mídia nojenta e desses esquerdistas patéticos.

Pelo menos tenho um alento, o meu facebook está muito bom, exclui todos os que faziam discurso esquerdoso de ódio e coitadismo.

Marli Soares Borges

31 julho, 2016

CONQUISTAS



Tão bom abandonar antigas certezas e velhos dogmas! Melhor ainda é ter coragem de admitir esse abandono diante dos viciados no zelo fanático pelas próprias crenças. Considero isso uma conquista pessoal e importante que fiz na vida: perdi a necessidade de convencer os outros a acreditarem no que acredito. E isso é uma experiência de liberdade indescritível. Na sequência, perdi a necessidade de estar, eu mesma, plenamente convencida de qualquer coisa. Mais liberdade ainda.




Marli Soares Borges

03 julho, 2016

FELICIDADE



droga da felicidade


Estou exercitando minha capacidade de discernir entre uma imbecilidade e uma coisa digna de maior atenção. Às vezes alguém me diz algo e me emociono e me dá vontade de argumentar, insistir, bater o pé. Noutras, a vontade vem, mas fico quieta, não reajo, fico só ouvindo, nem me importo. E me surpreendo comigo mesma por ter chegado a esse estágio 'superior' de controle da razão! será mesmo, ou é um problema de pino? Pode ser também porque me dei conta de que não preciso mais agradar esse ou aquele. Sei lá. E também não estou ligando mais em estar por dentro de todas as novidades, das mentiras e verdades de cada um. 

Tem coisas que nem quero saber. E isso está me fazendo um bem...

Casualmente ontem ouvi minha nora rindo e dizendo para meu filho: você sabia que os ignorantes são mais felizes? Ouvi a frase e pensei: taí! encontrei a droga da felicidade!

Marli Soares Borges

01 julho, 2016

ARTE DAS RELAÇÕES




"A inteligência é a arte das relações."

Entendo assim: quando aprendemos profundamente alguma coisa e conseguimos estabelecer as relações desse conhecimento com outros conhecimentos e vivências, - e isso é uma arte - está aí a mais pura inteligência. A verdadeira arte das relações. Mas isso não é muito comum. O que tenho observado é que as pessoas tendem a compartimentalizar o conhecimento e não se importam em, pelo menos, tentarem estabelecer conexões. Haveria então poucas inteligências no mundo? Não sei.

Marli Soares Borges

29 junho, 2016

ISAAC ASIMOV



científica


Relendo Isaac Asimov. Fazia tempo que não lia nada dele e (re)apaixonei-me.

Quando fui apresentada a Isaac Asimov eu era adolescente (anos 60). Lembro que me apaixonei na mesma hora. PhD em Bioquímica e divulgador da ciência, seus romances não eram considerados alta literatura, ele mesmo se intitulava um "escritor de idéias", mas para mim, o conhecimento aliado à paixão pela escrita fez com que seus textos - cientificamente embasados - continuem ainda hoje, a brilhar com tanta intensidade aos olhos de quem os lê. Nas entrevistas ele sempre dizia que o que mais gostava na vida era escrever! Conta-se que certa vez, ao ser questionado sobre o que faria se um médico o diagnosticasse com pouco tempo de vida, ele respondeu "Datilografaria mais rápido!" (E escreveu mesmo, mais de 500 títulos, em vida, é mole? rs) Lembrei agora da trilogia da "Fundação". Era minha série favorita. Adorei também o "Eu, Robô" e as três leis da robótica.

Hoje em dia, a par dos avanços nas áreas da biônica, cibernética e inteligência artificial, seus livros viraram realidade e no andar dos acontecimentos, acho que as "Leis da Robótica" em breve terão status de lei. Como no passado, Asimov, continua a renovar em mim a esperança no poder da ciência e do desenvolvimento humano.

"A ciência em si, em sentido abstrato, é um instrumento autocorretivo e direcionado para a verdade. Pode haver enganos e concepções equivocadas, em razão de dados incompletos ou errôneos; no entanto, o movimento vai sempre do menos verdadeiro para o mais verdadeiro. (...) Os cientistas, todavia, não são a ciência. Por mais gloriosa, nobre e sobrenaturalmente incorruptível que ela seja, infelizmente os cientistas são humanos."

Marli Soares Borges

09 junho, 2016

COM OUTRA TINTA


Gosto quando a Justiça age em face de pessoas que cometem crimes, e não acho que isso seja comemorar a dor do outro - qualquer que seja o outro. A justiça tem que ser feita e os criminosos devem ser punidos, pois temos urgência em acreditar que a Lei e a Justiça não foram feitas só para nós. Todos esses que estão sendo alvo de prisões, vazamentos e delações, há muito vêm apropriando-se indevidamente do que não lhes pertence e desviando os bens públicos da forma mais abjeta. Sempre intocáveis, acobertados por prerrogativas de toda ordem. Mas eis que alguns (poucos ainda...) são finalmente expostos e chamados à responsabilidade. E não podemos achar que é bom? Menos, petralhas, bem menos.

Eu fico feliz sim! embora saiba que o correto seria que esses ladrões de colarinho branco, devolvessem o dinheiro roubado! Dinheiro que roubaram dos pobres. Sim, dos pobres, dos mais pobres. Que ninguém se engane, foram eles os vilipendiados. E são eles os que mais passam necessidades por causa dessa ladroagem e dessas impunidades perversas. A infinita miséria dos pobres é resultado direto das atitudes dessa oligarquia repulsiva e praticamente inquebrantável que rouba e esbanja o roubo, sem o menor pudor. 

Enfim. 

Seria ótimo se estivesse surgindo verdadeiramente um novo país, onde ninguém pairasse acima da lei, mas, por enquanto, ainda não acredito. Todavia, parece-me que um passo muito tímido, mas não menos importante, já foi dado. Que bom que nossa história pudesse de imediato, começar a ser reescrita. De agora em diante. Com outra tinta.

Marli Soares Borges

07 junho, 2016

EU ABALEI O MUNDO




Faço parte de uma geração que durante muitos anos questionou os silenciamentos que permeavam as nossas vidas em quase todos os espaços sociais. Hoje em dia presencio, com tristeza, muitos colegas do passado utilizando-se da mesma prática escusa que tanto lutamos para banir. 

Incomoda-me esse papo esclerosado de que precisamos nos desconstruir para nos transformar. Que bobice isso. Incomoda-me essa necessidade mórbida de pedir perdão aos oprimidos e licença aos especialistas para emitir uma opinião sobre determinado assunto. Pedir permissão à esquerdalha, para emitir uma opinião sobre seus líderes intocáveis e símbolos vazios? Comigo não. 

(Estou tocando nesse assunto, porque, a propósito da morte de Muhammad Ali, acabei lembrando da célebre frase dita por ele: "engulam as vossas palavras. Eu abalei o mundo. Eu sou o maior. Eu sou o rei do mundo. (Ele teve coragem de abrir a boca. Ele disse o que achou que deveria dizer. E o momento era efervescente de conflitos.)

Marli Soares Borges

27 maio, 2016

VIOLÊNCIA A GRANEL



A solução? 
A Justiça.

Um estupro coletivo, perpetrado por 30 homens. Uma barbárie. Violência real, explicita, sanguinolenta, uma selvageria que não encontro palavras para qualificar. E o que mais me assombra é que tudo está publicado na Internet e "devidamente" compartilhado. Não vi o vídeo e não verei, não multiplicarei atrocidades, não contribuirei para a banalização de um crime tão horrendo. Esses 30 criminosos precisam ser identificados, julgados e condenados à penas exemplares, penas que demonstrem e atestem à sociedade que existe um limite. Mas, lamentavelmente, o histórico brasileiro sinaliza outro caminho: o da impunidade, da tolerância com a barbárie, mormente a que é praticada contra as mulheres. (A turma do direitos humanos já deve estar de prontidão para defender os criminosos e jogar a bruxa na fogueira).

Marli Soares Borges



15 maio, 2016

A PEDRA DE SÍSIFO

absurdo liberdade


Aprecio a mitologia grega, embora não tenha grandes conhecimentos a respeito. Estou falando nisso, porque ontem indignei-me com um trabalho e acabei pensando em Sísifo, e em como nos perdemos entre tarefas inúteis; como esquecemos nossa liberdade de escolha e perdemos tantas chances de viver a vida com criatividade, bom senso e poder de questionamento. Assumimos a pedra de Sísifo e subimos a montanha todos os dias, numa rotina de trabalhos repetitivos e sonhos insaciáveis. Um absurdo. A vida é um absurdo. Pronto: aceito esse absurdo. Revoltei-me, indignei-me e agora sinto que posso novamente despertar para a liberdade e a renovada paixão pela vida.

Marli Soares Borges



07 maio, 2016

Minha mãe...





Minha mãe, nos idos de 1946.
Esta foto é uma das únicas que tenho de sua juventude. Naquele tempo foto era artigo de luxo, tudo muito caro, muito difícil mesmo.

Agora ela está com 84. Saudável, lúcida, bela, alegre e forte. Em plena autonomia, graças a Deus! Que Ele continue abençoando seus dias assim. Que permita aos espíritos amigos continuarem ali, junto com ela, confortando e alegrando sua vida e sobretudo ajudando-a a enfrentar a velhice, que, por melhor que seja, tem suas dificuldades. Sei disso, também caminho nessa trilha. Sempre brinco com ela, digo que ela fez tudo muito cedo e que agora nossa diferença de idade é mínima, rsrsrs. Quase irmãs, somos duas idosas, mãe e filha. Juntas, é difícil saber quem é quem. (E eu rapidamente lhe passo um corretivo, aff! onde já se viu uma mãe parecer mais moça que a filha, affe! hahaha). 

Obrigada, Deus, por essa graça de ter minha mãe viva e estar aqui escrevendo e prestando minha homenagem no dia das mães de 2016.

Amanhã, depois do abraço, pretendo tirar uma selfie com ela e postar aqui. E vocês vão ver como eu tenho razão no que disse.

Feliz Dia das Mães, dona Odete!
Um beijo, mãezinha.

Marli Soares Borges

30 abril, 2016

Fácil, fácil...


janaína gestos voz


É fácil chamá-la de maluca, descabelada, possuída. É fácil reclamarem de sua roupa, dos seus gestos, de sua voz. Difícil é refutarem seus argumentos. Isso a esquerdalha não faz. São incapazes de refutar uma vírgula do que ela diz. E ela deixou bem claro, que se forem capazes de apontar erros no parecer dela, que provem e derrubem. Ora, como não podem fazer isso, eles fazem o que sabem fazer: merda. E agora que aprenderam a defecar por outro lugar que não seja a boca... aguardemos. Estou com ela pela desratização do Brasil, sua voz tem mais poder do que imagina, e sua coragem não deixa dúvidas. Aposto que se fosse de esquerda, já estaria sendo chamada de empoderada - eca, que termo horrível! Mas ela escolheu a Verdade e a Honestidade. E o preço que paga é alto: sofre o ataque covarde da esquerdalha, por besteiras que nada têm a ver com trabalho jurídico que desenvolve e demonstra a todos nós. Tacale pau Janaína!

Marli Soares Borges

18 abril, 2016

O DIA SEGUINTE





"Uma mudança sempre deixa o caminho aberto para outras."
Maquiavel


Contra fatos não há argumentos. Impressionante! Surpreendente a fleuma do seu Cunha! Clap! Clap! Os britânicos devem estar se perguntando, como faz? e aposto que os quadrilheiros jamais imaginaram encontrar um adversário assim, à altura. Mas não havia outro jeito. Para expulsar do poder uma bandidagem do quilate de Dilma e Lula, era preciso um grau de bandidagem muito maior, alguém que soubesse falar a linguagem secreta dos bandidos. Ele botou pra correr os petistas histéricos. Hora de fazer as malas senhora presidente! Óbvio que Cunha merece ser preso. Assino junto com os que dizem: prendam-no, mas... por último! (Essa brincadeira de "Meu Malvado Favorito" já está muito batida e sem graça, mas é o que me ocorre no momento).

Marli Soares Borges

13 abril, 2016

OS COMPARSAS DO APOCALIPSE




"os comparsas do apocalipse"


É um filme baseado em fatos reais da vida do povo brasileiro, que vive enganado e sufocado por um governo medíocre e corrupto. O gênero é pós-apocalíptico e foi inteiramente realizado no Brasil. Os protagonistas são Dilma Roussef e Luiz Inácio Lula da Silva. O filme tem momentos de intenso suspense e, além de empolgar, tem o mérito de não cair em julgamentos unilaterais, mostrando que, quando o assunto é a vida real, cada lado tem seus motivos para acreditar que está com a razão.


SINOPSE DO FILME

Em 2016, os efeitos destrutivos de mais de uma década de governo petista causaram uma devastação inimaginável no Brasil. A era lulo-petista institucionalizou a corrupção e afundou o país. À medida em que se vê mergulhado em violenta recessão, o povo entra em pânico e luta para derrubar a tirana Dilmaluca, presidente da república. Paralelamente, surgem as forças da Lava Jato que lutam com rigor na captura de um criminoso safado e rasteiro que age na sombras, tentando manter a corrupção. Dilmaluca e Luiffináfio são os comparsas desse apocalipse, e precisam sair do poder para que o povo brasileiro enfim, possa respirar. Você vai ver em detalhes a vergonhosa derrocada de Dilmaluca e o momento crucial em que o impeachment a obriga a deixar o governo e sair pelos fundos. Mostra também a condução de Luiffináfio para o lugar onde há muito deveria estar: na cadeia.

É um filme incrível e você não pode perder! hahaha!

08 abril, 2016

AGORA SABEMOS QUEM SÃO...


sabemos quem são

Nada é só ruim, sempre tem o lado bom. Veja esse caos político que invade as nossas vidas, você acha que não serviu para nada? Engana-se. Agora sabemos quem são os hipócritas, comedores de mortadela, que mamam nas nossas tetas. Para manterem seus favores, eles foram obrigados a saírem de suas tocas: nas artes, nos cargos públicos, nas escolas e universidades, na imprensa, etc. Tiveram que dar sua cara a tapa. Até entendo que lambam as botas de quem os mantém, afinal, as bolsas-Rouanet não são de se jogar fora. E e grana farta para escreverem bonito sobre o molusco e sua comparsa? Me dá náusea, mas sei que se não babarem o ovo para seus donos, eles perdem essas benesses, e só lhes restará trabalhar, como fazem todos os mortais. O que não entendo é a tal massa de manobra, (aqui na rede tem cada uma...), gente estúpida, que não ganha absolutamente nada -- e, portanto, não deve nada -- e se prestam a papagaiar os discursos doentes dessa grei imunda, que nunca se comprometeu com a realidade do povo que jurou governar! Será que esse povinho imbecil está contando com respingos da corrupção para 'ajeitar' a vida? Nojo.

Marli Soares Borges

29 março, 2016

VIDA INCRÍVEL?


deprimir


Como ser uma pessoa menos amargurada e mais feliz apesar das fotos de amigos que você vê aqui na rede, vivendo uma vida incrível, colorida e indolor? Como neutralizar as frustrações e decepções que esse contexto provoca em você, que vive uma vida assim, tão "real"? Não. Não é besteira, tem muita gente amargando esse paradoxo e trollando meio mundo. Li hoje e me apavorei. Acho que um bom começo pra largar essa neura é esquecer essas bobagens de vida incrível, etc. Isso não existe. É propaganda enganosa. Anote aí: a vida é dura, nada é de graça e ninguém está aqui a passeio. E por favor, não pense em acabar com a felicidade dos outros metendo a colher no que eles postam, só para incomodar. Esqueça. Isso é inveja e não vale a pena... quem perde a saúde é você. Abandone a inveja. Não há frustração que resista a quem tem sua própria maneira de ser feliz. Afaste os paradigmas e busque o melhor para você, dentro das possibilidades que a vida - no aqui e agora - lhe oferece. É possível levar uma vida mais amena valorizando o que é seu, pois no final das contas é isso que interessa. Esqueça a vida dos outros. Relaxe, descomplique, desencane, alivie. E não esqueça de abraçar quem está ao seu lado aturando esse teu jeito macambúzio de ser (tenho pena de seu amor! esse sim merece a medalha, rsrsrs!). E não se queixe, tudo pode piorar (toc, toc, toc). Em tempo: nas redes sociais a plenitude faz parte do projeto. De amarga, basta a vida.

Marli Soares Borges

27 março, 2016

A PÁSCOA DOS CZARES - OVO DE FABERGÉ



Maria Feodorovna


O ovo fabergé, por sua perfeição e preciosidade é considerado hoje uma das peças mais sofisticadas e apreciadas da arte joalheira. Confeccionados com diamantes, rubis, platina, ouro e cristal de rocha, os ovos de Fabergé são únicos e, por serem exclusivos e caprichosamente elaborados, tornaram-se peças super valiosas, disputadas por colecionadores. 


A HISTÓRIA

Ovo de páscoa é tradição há muitos séculos. Na Rússia Czarista de mil oitocentos e pouco a Páscoa era uma data muito especial. Entre beijos e abraços havia troca de presentes, que invariavelmente eram ovos, - pintados - pois representavam a nova vida e o renascer da esperança. 

Na família real os ovos eram de ouro, prata e platina, e decorados com esmalte e pedras preciosas. Em 1884, o Czar Alexandre III querendo presentear sua esposa, Maria Feodorovna, encomendou ao joalheiro Peter Carl Fabergé, que confeccionasse uma jóia: um ovo... mas que contivesse uma surpresa no seu interior. Dito e feito. E o primeiro ovo fabricado ficou assim: abria-se como uma matrioska e revelava uma grande gema de ouro no interior; dentro da gema havia uma galinha de ouro; dentro da galinha, uma coroa de diamantes; dentro da coroa, um pingente de rubi. Beleza pura, foi um sucesso na Corte. A Czarina ficou tão encantada que fez de Fabergé o joalheiro oficial da Corte. Desde então, na Páscoa, a cada ano, o Czar encomendava um ovo para dar à Czarina. Após a morte do Imperador, seu filho - o Czar Nicolau II -, passou a encomendar a Fabergé dois ovos por ano, um para sua mãe e outro para sua esposa.

E foi assim que surgiu a tradição dos Ovos de Fabergé. 


OS DETALHES

Cada ovo é único, mede cerca de 13 cm, e levava o ano inteiro para ser confeccionado e era executado no mais absoluto sigilo. O trabalho envolvia muita gente da empresa Fabergé: os que se ocupavam do desenho original, do corte, da lapidação das pedras, da incrustação, enfim, de todas as particularidades necessárias para tornar o trabalho perfeito. Cada ovo é dotado de um pequeno e delicado mecanismo que mostra o segredo - a surpresa - no seu interior. E a surpresa vai dos temas íntimos da família até eventos notáveis do Estado Russo. 

Segundo os historiadores, de 1885 a 1917 foram confeccionadas 56 obras-primas. Até o ano de 1994, 44 exemplares de ovos fabergé foram encontrados pelo mundo. Hoje em dia, essas peças chegam a valer mais de 9 milhões de dólares.

E você, já encomendou o seu ovo fabergé?

Marli Soares Borges

24 março, 2016

POSSIBILIDADE E DIVERSIDADE




Amanheci lembrando de uma obra sublime: Guernica. 

Talvez por estarmos vivendo essa crise horrorosa; talvez por sentir a energia nefasta que a intolerância e a corrupção diária causa entre uns e outros, sei lá. O fato é que tenho visto aqui na rede, tanta violência verbal, tanto embate sem noção, que chego a ficar com o estômago embrulhado. Sei que a guerra está a um passo da violência verbal e isso me apavora. É é aqui que entra essa maravilha de pintura, que nos mostra com nitidez o absurdo significado da intolerância, e a falta de sentido da realidade gerada pela violência. Quando Pablo Picasso teve a ideia de retratar o intenso bombardeio nos civis indefesos da vila de Guernica, ele não imaginava que o painel se tornaria o símbolo eterno da destruição que a humanidade pode perpetrar. 

Mas eu trouxe a imagem para cá numa outra visão. Uma visão de possibilidades: de entendimento, honestidade, gentileza e convivência pacífica e democrática com a diversidade.

Marli Soares Borges

09 março, 2016

NOVELA DA VIDA





De fato, se formos os idiotas que Macbeth falou, a vida não vai significar muita coisa e nem valerá a pena ser contada. Mas há que se ter inspiração para escrever a novela da vida, a cada dia que amanhece. E às vezes, temos que literalmente garimpar a inspiração. O bom disso tudo é que o significado que damos à vida só depende de nós. 
-------------------------

Macbeth baixou por aqui, rsrsrsrs! (Acho que foi a chuva e o dia cinza...)


"Tomorrow and tomorrow and tomorrow,
Creeps in this petty pace from day to day
To the last syllable of recorded time,
And all our yesterdays have lighted fools
The way to dusty death. Out, out, brief candle!
Life's but a walking shadow, a poor player
That struts and frets his hour upon the stage
And then is heard no more: it is a tale
Told by an idiot, full of sound and fury,
Signifying nothing."

----------------------------
Tradução:

“Amanhã, e amanhã, e ainda outro amanhã
Arrastam-se nessa passada trivial do dia para a noite, da noite para o dia,
Até a última sílaba do registro dos tempos.
E todos os nossos ontens não fizeram mais que iluminar para os tolos
o caminho que leva ao pó da morte. Apaga-te, apaga-te, chama breve!
A vida não passa de uma sombra que caminha, um pobre ator
Que se pavoneia e se aflige sobre o palco –
Faz isso por uma hora e, depois, não se escuta mais sua voz.
É uma história contada por um idiota, cheia de som e fúria
E vazia de significado”.

03 março, 2016

O DIABO QUE SE DANE




Que mania irritante as pessoas pegaram de achar que a gente tem sempre que andar de cara alegre; que tem de mandar às favas o sofrimento, expulsar, se livrar logo da tristeza e da raiva, que são sentimentos errados. Se você está triste, ops, algo está errado com você, procure ajuda profissional. Ora, acho isso uma piada. Acontece uma desgraça e tenho que estar sorrindo? Pois sim! -- A propósito, entre ser otimista e viver sempre alegre há uma diferença abissal e eu não estou mais aguentando essa turma da alegria eterna. Ou seria da fuga eterna? Sei lá -- Imagine só, alguém me faz uma sacanagem e não posso sentir raiva? Ora bolas, me deixe em paz, estou triste, estou com raiva e daí? Daí que assino embaixo com você. O lance é mesmo amargar a tristeza, fazer o luto. Não tem saída. Na sequência, a gente vai, dentro do possível, tentando melhorar o astral. E nem pense em fugir pois quanto maior o medo de sofrer, maior é o sofrimento. Caiu no inferno, abrace o diabo. Mas, alto lá, não o alimente. Pegue carona na Consciência e dê o fora. Encare logo o problema, sacou? É simples. Tá bom, retiro o simples, mas então tome nota: no momento crucial, quando os sentimentos de tristeza e raiva aflorarem, procure recuperar a consciência rapidamente. Busque o fortalecimento que só a consciência é capaz de dar e, -- acredite --, você já encontrou forças para ir abrindo os caminhos da alegria. Não se trata de "expulsar" a raiva ou a tristeza, mas de se conscientizar, de saber e aceitar, que esses sentimentos são ruins apenas porque nos incomodam, mas não são errados, eles atuam porque são parte da nossa condição humana e componentes do nosso crescimento espiritual. Não quero dizer com isso que você deva permitir que se expandam e se instalem em tempo integral no seu coração. Negativo. Nada de alimentar o diabo, ele que se dane.

É impressionante o poder que emana da consciência. É um poder capaz de neutralizar os sentimentos indesejáveis e de os consumir sem deixar vestígios. E de quebra, dá uma repaginada no astral da gente. Ao menos comigo é assim.

Marli Soares Borges © 2013

27 fevereiro, 2016

SHORTINHO


missa de biquíni, velório



Por acaso você vai à missa de biquíni? Você vai a um velório vestida de festa? E por que então, o interesse em ir à escola de shortinho? Pelo discurso vazio e as frases decoradas da cartilha emburrecedora, já manjei a politicagem daquelas patricinhas e já vi até, quem está cutucando. Sugiro que tirem logo a roupa e vão para a escola assim mesmo, em pelo, afinal, essas regras de vestimentas da escola, além de opressivas e burguesas, já estão pra lá de obsoletas, não é? (Depois me contem o resultado, tsc, tsc.) Dou a maior força! Tudo pela babaquice, que vocês merecem! Que tal se todo mundo resolvesse inventar suas próprias regras e andar nessa vibe, 'tudo' peladão, de shortinho, de biquini, de sunguinha? Já imaginaram seus pais, mães e avós? os políticos, os ministros, a presidente? todo mundo de sunguinha e shortinho? Ora vão se catar! Que ideia é essa de querer ditar regras na casa dos outros? aff!

Marli Soares Borges

08 fevereiro, 2016

TUDO É CARNAVAL IV



tudo é carnaval IV


Não sou saudosista. Detesto saudosismo, detesto saudosistas, aquela coisa de "ah, no meu tempo... naquele tempo é que existia carnaval de verdade..." de-tes-to! Não me fixo na razão paralisante do passado, apenas tenho saudade. Embora saudosa, aprendi a experimentar o passado como fonte de vida: não vivo do passado, apenas viajo no passado. Vou e volto. E se agora não caio mais na folia, nada me impede de continuar gostando e observando a festa. E é com alegria que percebo a intensidade com que as pessoas constroem -- assim como eu construí -- as memórias que irão guardar para o resto de suas vidas. A festa mudou o formato, mas continua sendo popular e, na essência, o Carnaval segue como um espaço de irreverência e imersão nos sons, nas danças e nos novos valores que a sociedade aplaude. As fantasias de hoje são contextualizadas; a criatividade, o improviso e a tecnologia avançam a passos largos. O rebolado e os beijos também. Seguimos maravilhosos, cantando, dançando, abrindo os braços e marcando encontros, apesar dos temas mundiais, nem sempre auspiciosos, incorporados ao cenário carnavalesco pela Globalização. A meu ver, muita coisa 'moderna' piorou o Carnaval, mas isso fica por conta do meu olhar 'antigo', pois tenho certeza de que o Carnaval de hoje, para os jovens foliões de hoje, é o melhor Carnaval de todos os tempos! é a vez deles, eles são os donos do Carnaval! É deles a originalidade e o olhar de primeira vez! Mas é minha essa saudade. Saudade boa, que me permite, ainda agora, tocar com emoção as fantasias que habitaram meus carnavais juvenis. 

Marli Soares Borges

04 fevereiro, 2016

NA LONA





Todo homem que se vende recebe muito mais do que vale”, disse um dia o Barão de Itararé. E o molusco, para se livrar da cadeia, já se vendeu tanto que agora não vale mais nada: credibilidade zero. Entregou até a companheirada de "lutas" e de nada adiantou. Sua situação continua em franca derrocada. E eis que agora, num surto de imbecilidade galopante, ele vem com essa de que "não há alma viva que seja mais honesta do que eu". Idiota. Mas Augusto Comte, esperto, acerta-lhe um chute no estômago: "os vivos são, cada vez mais, governados pelos mortos", hahahaha, e para fechar com chave de ouro, o Barão de Itararé, na moral, meteu-lhe um pombo sem asa no ouvido e o mandou direto para a lona: "os vivos são e serão sempre, cada vez mais, governados pelos mais vivos". Toma molusco! tem gente mais viva do que tu! O inferno é aqui mesmo e tua hora está chegando.

Marli Soares Borges

31 janeiro, 2016

IMBECILIZAÇÃO COLETIVA


universidade circulo vicioso


Aproxima-se o inicio das aulas e começam, de novo, meus grilos. 
(Pode pular, não me incomodo, sei que o texto é longo. Quando os grilos me pegam... nem eu me aguento, rsrsrsrs)

"Ano que vem, vai pro colégio", diz a mãe sorridente. E quase morro de pena... pobrezinha da criança, querendo saber de onde vem as borboletas, porque o sol nasce todos os dias e onde mora a lua... e aí então ela "vai pro colégio". E começa o massacre! Pobrezinha da criança, ano que vem ela vai ter sua inteligência moída na máquina de emburrecer da pátria (des)educadora. Ela vai aprender a ser burra, mentirosa, inculta, relapsa, dependente e pobre. Vai aprender tudo isso na Cartilha-Petista-de-Imbecilização-Coletiva, e ao final, restará sequelada e incapacitada de produzir qualquer coisa que o valha, para si e para seus familiares. Porque no Brasil do PT é assim: trabalhar é escravidão, obter sucesso profissional é desprestígio e ser produtivo não é visto com bons olhos. A cereja do bolo é ser pobre, miserável, absurdamente dependente do Estado.

À medida que escrevo, meus pensamentos voam... lembro de Pink Floid, adoro "Another Brick In The Wall". Na parte II dessa música, há uma crítica -- perfeita! -- ao sistema de ensino, alienante, que tenta controlar o pensamento dos alunos e os robotiza, para que sejam apenas mais um tijolo no muro. Lembro da cena: uma fila enorme de estudantes marchando, seguindo um caminho, e caindo, um a um, num gigantesco triturador de carnes. Ao final, emergem como clones desprovidos de distinção individual. E o vocal de vozes infantis vai cantando e acompanhando a marcha daqueles alunos desvalidos, cujo prazer de exercitarem suas inteligências, estava sendo criminosamente roubado pela educação massificante. Nunca esqueci aquela cena bizarra e cruel.

A meu ver, a sensação do muro que escraviza e aprisiona é uma realidade no contexto educacional do Brasil. A máquina de emburrecer existe sim. O PT a trouxe para cá. E tratou de fincar suas bases nas universidades públicas -- de cima para baixo --. E ano apoś ano, as universidades vomitam milhares de robozinhos, todos muito bem amestrados pela educação paulofreiriana. Sempre em prontidão, jazem 'decididos' a tudo fazer para que a tal máquina funcione infinitamente. É uma roda viva: formados na universidade, devidamente certificados e habilitados na arte da arrogância e do discurso falacioso, eles começam adestrando os aluninhos, ou seja, começam pela mais tenra infância, e vão até a universidade. (Um circulo vicioso perfeito, capaz de manter intactos os interesses escusos desse governo mal intencionado).

Chega. Não quero mais pensar na indigência educacional do Brasil. Não quero mais pensar em Mãe Sorridente Com Criança Que Vai Pro Colégio Ano Que Vem. Quem quer saber de sol, lua e borboletas?

Marli Soares Borges

Imagem: Google

24 janeiro, 2016

O CHECK UP DO MOLUSCO



padroeiro dos preguiçosos


Quando eu soube que o molusco iria internar-se para fazer check up, surgiram milhares de posts torcendo para que os médicos encontrassem alguma doença grave, de preferência, terminal. 

Pois eu não penso assim. Até porque, vivo ou morto, para mim, ele não faz a menor diferença. 

O problema é outro: o povo brasileiro adora um coitado e, certamente iria derramar lágrimas e transformá-lo num herói, apesar de todas as porquices que ele fez com o nosso país. E, sinceramente eu não toleraria esse molusco canonizado como padroeiro dos preguiçosos, mentirosos e incultos. 

Por isso, desejo que ele esteja num estado de saúde que não o impeça de responder pela grande merda em que transformou o Brasil. Aliás, se um dia ele for condenado por algum crime, para mim, não será surpresa, no mínimo será compatível com a história de vida, da qual ele tanto diz se orgulhar. (Na verdade eu nunca esperei nada de bom pelas mãos desse sujeito). 

Nossa! até me perdi. 

Agora vou adiante, desejo que ele tenha ainda uma certa força e lucidez para candidatar-se novamente a presidente. Quero vê-lo no segundo turno, tendo que apoiar outro candidato; quero ver seu nível de popularidade baixar aos tempos em que ele era baderneiro em São Bernardo. 

E se você é adepto do mimimi e não concorda comigo, por gentileza, recolha-se à sua TL para grasnar.

Marli Soares Borges

11 janeiro, 2016

SONHOS NÃO SÃO BOBAGENS


anseios, ilusões


"Sonhos não são bobagens" já dizia Shakespeare e eu concordo, são os sonhos que nos aproximam das nossas utopias. Nossos sonhos atravessam a barreira do inimaginável e ecoam na eternidade. Acredito nessa energia do cosmos, do além, da natureza pura! Mas para que nossos anseios não se percam na teia das ilusões, penso que os sonhos, assim como as idealizações, devem ser construídos levando-se em consideração o terreno instável de nossa própria humanidade. Erraremos muito. Seremos rejeitados. A decepção nos acompanhará em algumas empreitadas. 

Mas outras vezes acertaremos.  

Concretização de sonhos é assim. É um processo: uma sequência constante de acontecimentos, cujas ações apresentam uma certa unidade e se desenvolvem de modo -- nem sempre -- regular. Algo está sendo feito e ninguém sabe qual será a dose de sacrifício pessoal exigida. Por isso, acho importante seguir a Palavra: "vigiai e orai para que não entreis em tentação". Muitas vezes sucumbimos à tentação e nossa vida vira de pernas para o ar. Sonho é coisa séria!

Marli Soares Borges

09 janeiro, 2016

OS MANDANTES



dante, virgilio
Dante e Virgilio diante da entrada do inferno.
Ilustração: Helder da Rocha


Não é possível que ninguém desconfie quem são os mandantes. Pense comigo: a quem interessa, neste momento, que o caos social se estabeleça? Quem é que tem sido ameaçado de ser destituído do poder mas não quer largar o osso de jeito nenhum? Pois é, mas tem retardado no facebook que não consegue enxergar o óbvio: toda vez que há uma manifestação legítima, pacífica, sem bagunça, apenas para repudiar as situações injustas que vivemos, tudo começa bem e segue numa boa, até que, ao final, aparecem os "cobras mandadas" para instaurar o caos. Coloquem isso na cabeça: nenhum cidadão normal, de bem, vai sair por aí destruindo o patrimônio da cidade, muito menos nós, os "particulares", porque somos nós que trabalhamos e sustentamos esse patrimônio. Nós é que precisamos utilizar esse patrimônio. Logo, uma destruição patrimonial seria pura burrice. A baderna só interessa aos "patrones", que não querem reconhecer nem atender o legítimo clamor do povo e muito menos preocuparem-se com explicações. Esses corruptos e corruptores não suportam a ideia de que a vida tome o rumo certo e a união do povo lhes tire a chance de continuarem a roubalheira. Cada vez que acontecem essas badernas mantidas a pão com mortadela, os mantenedores do pórtico do inferno comemoram o trabalho de seus cães.

Marli Soares Borges