08 fevereiro, 2016

TUDO É CARNAVAL IV



tudo é carnaval IV


Não sou saudosista. Detesto saudosismo, detesto saudosistas, aquela coisa de "ah, no meu tempo... naquele tempo é que existia carnaval de verdade..." de-tes-to! Não me fixo na razão paralisante do passado, apenas tenho saudade. Embora saudosa, aprendi a experimentar o passado como fonte de vida: não vivo do passado, apenas viajo no passado. Vou e volto. E se agora não caio mais na folia, nada me impede de continuar gostando e observando a festa. E é com alegria que percebo a intensidade com que as pessoas constroem -- assim como eu construí -- as memórias que irão guardar para o resto de suas vidas. A festa mudou o formato, mas continua sendo popular e, na essência, o Carnaval segue como um espaço de irreverência e imersão nos sons, nas danças e nos novos valores que a sociedade aplaude. As fantasias de hoje são contextualizadas; a criatividade, o improviso e a tecnologia avançam a passos largos. O rebolado e os beijos também. Seguimos maravilhosos, cantando, dançando, abrindo os braços e marcando encontros, apesar dos temas mundiais, nem sempre auspiciosos, incorporados ao cenário carnavalesco pela Globalização. A meu ver, muita coisa 'moderna' piorou o Carnaval, mas isso fica por conta do meu olhar 'antigo', pois tenho certeza de que o Carnaval de hoje, para os jovens foliões de hoje, é o melhor Carnaval de todos os tempos! é a vez deles, eles são os donos do Carnaval! É deles a originalidade e o olhar de primeira vez! Mas é minha essa saudade. Saudade boa, que me permite, ainda agora, tocar com emoção as fantasias que habitaram meus carnavais juvenis. 

Marli Soares Borges
Postar um comentário