15 dezembro, 2015

NÃO À ESTUPIDEZ





A paz, a compreensão e o progresso fundamentam-se no diálogo. Pena que tanta gente se orgulhe de sua própria irracionalidade e aos berros, com o dedo em riste, tente impor suas ideias. Sim, impor. Todavia o efeito é outro. Na verdade essas pessoas protagonizam uma intolerância, cujo resultado é sempre o retrocesso. É preciso entender que gritos não convencem e nem conquistam o respeito de ninguém. Gritos são desesperos escancarados daqueles que não têm argumentos e que não sabem mais o que dizer ou fazer para atingirem seus objetivos. Pessoas com opiniões diferentes nem sempre estão em lados opostos, mas se estiverem, elas podem - e devem - discutir civilizadamente. Mas antes, precisam renunciar à estupidez.

Marli Soares Borges

03 dezembro, 2015

INCONSISTENTE




Um discurso limitado a ataques ingênuos ao Cunha. A velha tática que todo mundo já conhece. -- Mas ad hominem não é defesa, Senhora! -- Nem no pronunciamento em que responde ao início do processo de impeachment, ela abandonou as abobrinhas. O que ela disse do Cunha já é de conhecimento público e num governo sério, tais fatos já o teriam afastado do Legislativo, o que faz com que essa 'defesa' só deponha contra ela. E alegar que nunca deu motivos para o impeachment é mais outra de suas mentiras deslavadas sobre o gigantesco esquema de desvio de verbas e chantagem eleitoral, que culminou nas pedaladas fiscais, que são precisamente os fundamentos do pedido de impeachment. Enfim, esse foi um discurso histórico e deve ter contado com o auxílio do Advogado Geral da União, afinal, ela é incompetente, mas não é louca de tratar um assunto pessoal dessa envergadura, com o desdém e inconsequência com que costuma tratar de assuntos menores como os assuntos do povo ou a tragédia de Mariana, por exemplo. Nesses, qualquer improviso serve. Mas foi mal, Senhora! O discurso não valeu, nem mesmo escrito. (notaram que ela leu? há muito eu não via ela lendo um discurso). O que vi mesmo foi uma mulher enfurecida, cheia de ódio, tentando desesperadamente aparentar uma calma e segurança que não tem. Croc, croc, croc, mais pipoca, que o filme é longo.

Marli Soares Borges

29 novembro, 2015

REDESCOBERTA DO TEMPO


em busca do tempo perdido



A verdadeira alavanca da redescoberta do tempo é a memória involuntária. Aquela memória que "brota" em nós, muitas vezes acionada apenas por um perfume, uma cor, um sabor, uma voz, uma música. O escritor francês Marcel Proust, com apenas um gole de chá e uma mordidinha na "madeleine", (um bolinho em forma de concha) reteve na memória, inesperadamente, material suficiente para escrever sua obra prima, "Em Busca do Tempo Perdido", um dos romances mais lidos da literatura moderna e um dos principais clássicos da história da literatura.

O sabor fez com que ele revivesse detalhes de sua infância que jaziam escondidos na memória. Tudo foi reencontrado e vivenciado na fase adulta. Aquele singelo lanche foi a passagem para uma nova perspectiva sobre sua vida e seu trabalho.

Bom, agora vou tomar um café. Pode ser que minha memória involuntária resolva se manifestar, rsrsrs.

Marli Soares Borges

22 novembro, 2015

RÁPIDA NO GATILHO



rapidez, gatilho



Cardiologista fumante, nutricionista obeso, músico que ouve funk... o ser humano é um mar de ambiguidades. Sempre fico com uma pulga atrás da orelha quando vejo um escritor(a) que nunca publicou um livro de destaque, ditando regras sobre o que se deve ou não deve escrever, dando dicas de como ser um escritor de verdade. Nem conquistou o mercado e quer dar a receita do sucesso? É a mesma coisa que macumbeiro(a) que vive na maior miséria e promete prosperidade ao cliente. E o vidente que não "vê" quem está do outro lado da linha no telefone? Ué, e ele não é vidente, rsrsrs? E os padres aconselhando casais. Faz-me rir. Claro que dependendo dos campos de "expertise" nem sempre o especialista necessita vivenciar o tema do seu estudo, veja-se o câncer, a aids, o suicídio, etc. Mas tem gente que força a barra mesmo. Nunca fizeram nada de relevante em determinada área e já querem ditar regras. Mas tudo bem, se você for competente como essa telefonista aqui: a pessoa assiste na TV a propaganda de um remédio para emagrecer. Liga e pede informações sobre o produto. Lá pelas tantas surge a dúvida: se esse remédio é tão milagroso assim, porque o apresentador não toma para ficar magro e elegante? E a telefonista responde: ele não precisa: ele é gordo de nascença e, ao contrário dos clientes, não é neurótico com o peso dele... kkk

Marli Soares Borges

17 novembro, 2015

MINI CONTO



Era uma vez uma rede social que ligava pessoas. Com o tempo essa rede foi crescendo e virou um palco, um lugar onde todos eram, de alguma forma, incomuns: mais bonitos, mais inteligentes, mais cultos, mais generosos... enfim, mais interessantes. E as pessoas que antes estavam acostumadas a expressarem livremente seus pensamentos, começaram a sentir-se embaraçadas e constrangidas. Ninguém conseguia mais falar com naturalidade sobre sua vida. Então passaram a compartilhar com os outros apenas os seus sucessos, os seus melhores eus. E aquela rede social que antes era tão bacana, passou a ser um local de gerenciamento de imagens, onde as pessoas só se animavam a aparecer fantasiadas, com máscaras e filtros de todas as cores. E assim a conexão humana foi enfraquecendo, enfraquecendo e dissipou-se no ar. E todos viveram felizes para sempre. Mentira. A história ainda não acabou e ninguém anda muito feliz com isso. 

Marli Soares Borges

12 novembro, 2015

NUNCA VI TANTA LAMA



Não há mais rio --
Nas águas turvas de lama
ouço o som da morte.


Marli Soares Borges




Imagem Google - Tragédia em MG: Barragem se rompe e enxurrada de lama destrói distrito de Mariana

06 novembro, 2015

NOVOS TEMPOS



novilíngua, duplipensar



O telefone celular grava suas falas e armazena essas informações. O e-mail, bate-papo e mensagens de texto que você cria, mapeiam suas relações sociais e registram seus pensamentos. As compras no cartão mostram hábitos e gostos. Os termos de pesquisa que você digita no Google ficam gravados e podem ser usados para identificar seu computador. As bases de dados registram outros passos que você dá. Seus desejos mais secretos, as coisas que você jamais contaria a um amigo ou amante são preservadas no computador. Sem falar nas fotos que também dizem muito. E andamos assim,♫ digitando e postando e seguindo a lição, (em novilíngua e duplipensar orwelliano). 

Marli Soares Borges

01 novembro, 2015

CADA UM FICA COM A SUA


cada um fica com a sua



Está cada dia mais rara a reflexão e o debate aqui na rede. O pessoal passa batido, nada de trocar ideias, cada um fica com a sua e pronto! (Mamma mia, preciso parar com esse pensamento de que as pessoas estão indignadas e envolvidas como eu). Acabo sempre esquecendo que os níveis de comprometimento e disposição de cada um para mudar a realidade a sua volta variam bastante. E tem a preguiça mental, esse tipo de preguiça que parece ser muito mais forte do que a inércia pura e simples. Acho que as pessoas ainda não se deram conta do seu poder como indivíduo pensante e escrevente; do poder da palavra que repercute nas redes sociais. É triste notar-lhes o descrédito em suas próprias razões. Jazem esperando uma ação de um deus no qual sequer acreditam. Querem uma sombra onde não plantaram nenhuma árvore. E isso me assusta, juro. É preciso mesmo aceitar, sem contrapor, o que os outros dizem? Nem sempre. Tem ocasiões em que só as luzes da reflexão e do debate são capazes de iluminar o caminho.  - Marli Soares Borges -

14 outubro, 2015

O BOMBOM, A FAXINEIRA E O CHEFE




Para evitar injustiças existe em Direito um princípio denominado "princípio da insignificância" que deriva diretamente da proporcionalidade entre o crime cometido e o dano sofrido. E o caso da faxineira que furtou o bombom do chefe, ilustra bem essa questão. Onde já se viu colocar no mesmo nível de gravidade o ato de furtar (para comer) um bombom do chefe e o ato de roubar um banco, por exemplo? Ah, mas o que se condena é a conduta ilícita, dirão alguns! Ok, ok. Como se vê, o assunto requer lucidez e razoabilidade para que a situação se resolva de maneira adequada. E por falar em razoabilidade, que tal lembrar as palavras do Mestre diante de uma circunstância extremamente complexa: "quem nunca pecou, atire a primeira pedra". (Perceba que estou me referindo a um tipo de condenação imediata que as pessoas fazem em desfavor de outras assim que tomam conhecimento dos fatos, mais ou menos, tipo "condenação prévia", na falta de outro termo que esclareça melhor). E condenar por antecipação é sempre um absurdo. Mas isso não equivale a dizer que somente os que nunca pecaram estarão qualificados para denunciarem graves delitos praticados pelos outros: denunciar é uma coisa; condenar é outra e grave delito é mais outra. (Sei, isso é outro assunto). A liberdade exige muito do ser humano, principalmente responsabilidade. 

Marli Soares Borges

11 outubro, 2015

DEBATE E REFLEXÃO





A reflexão e o debate só são possíveis a partir das convicções -- verdades -- de cada um. Tanto na reflexão como no debate, as suspeitas e as dúvidas podem ser postas em cheque, aprimorando-se o ponto de vista, para, quem sabe, surgirem novas convicções. Quando Nietzsche afirmou que "o oposto da verdade não é a mentira, mas as convicções", acho que ele não quis dizer que o fato das pessoas apostarem no que suspeitam -- em razão de suas próprias convicções -- e duvidarem dos fatos, isso, por si só, negaria "a" verdade e impossibilitaria a reflexão e o debate. Até porque, para ele, não há uma verdade universal, mas as verdades de cada um, na medida em que sobre um mesmo objeto é possível um universo infinito de interpretações, conforme o olhar / perspectiva do intérprete. E vamos combinar que sem as verdades de cada um, o mundo perderia a graça. A meu ver, o que impede o debate e a reflexão é a atitude que algumas pessoas têm de não fazerem o menor esforço para entenderem o pensamento do outro.

Marli Soares Borges

01 outubro, 2015

DIA DO IDOSO, MINHA ORAÇÃO



MINHA ORAÇÃO
 
Senhor, envelheci. Dá-me Tua mão e me ajuda nessa trajetória. Me salva de ser um peso na vida de meus filhos e netos. A simples ideia de vê-los preocuparem-se com minhas doenças, me aterroriza. Por piedade, não me tira a autonomia, não me transforma num vegetal. A vida é tão linda, tem tantas belezas para apreciar e quero que meus filhos e netos não percam oportunidades preciosas de se alegrarem, livres desse tipo de preocupação. Me salva Senhor, me carrega em teus braços, só Tu. Amém. 


Em tempo: em vez de "idoso" prefiro "velhos", uma palavra que acho mais sincera.


Marli Soares Borges, (c) 2013

27 setembro, 2015

COSME E DAMIÃO

Hoje é dia de Cosme e Damião, santos católicos, padroeiros dos médicos, dos farmacêuticos e das faculdades de medicina.


FELIZ DIA DE COSME E DAMIÃO! 
SAÚDE E PROTEÇÃO PARA NOSSAS CRIANÇAS, 
É O QUE PEDIMOS COM DEVOÇÃO!

santos católicos
Imagem: Ronaldo Mendes, artista Naif.

Irmãos gêmeos, eles tornaram-se conhecidos porque praticavam a medicina gratuitamente e curavam pessoas e animais. Morreram martirizados em nome do cristianismo. Também são considerados protetores das crianças e por isso é comum a distribuição de balas, doces e pirulitos em agradecimento à graças alcançadas. Mesmo não sendo uma manifestação própria da Igreja Católica, os que praticam essa demonstração de fé oriunda do sincretismo religioso, têm sido acolhidos pelos católicos, com todo o respeito. Após a reforma do Concílio Vaticano II, a data da celebração dos santos gêmeos, passou do dia 27 para o dia 26, mas na Umbanda e no Candomblé, a data continua em 27 de setembro. 

Para o Candomblé e a Umbanda, eles são filhos gêmeos de Xangô e Iansã. E são orixás: os Orixás Ibejis. São considerados protetores das crianças, daí o costume de oferecer "mesas de doces aos inocentes" para homenageá-los ou cumprir promessas. Também é costume dos devotos, oferecerem para as crianças o Caruru, uma comida típica da tradição afro-brasileira. Esse prato também é conhecido como “Caruru dos Santos” e “Caruru dos sete meninos” representando os sete irmãos: Cosme, Damião, Dou, Alabá, Crispim, Crispiniano e Talabi. 

Marli Soares Borges

20 setembro, 2015

TE PUXA, TCHÊ!





Vinte de setembro, dia do gaúcho. Peço licença aos amigos de outros pagos. Hoje quero abrir as portas do rancho e abraçar a minha gente. 

Gauchada dos Pampas! Meus respeitos. 

Te aprochega, criatura, vem matear conosco! O pessoal tá loco de faceiro, tem festa aqui na querência! A chuva tá danada e o frio tá de renguear cusco, mas, bueno, faz parte! 

Tchê, há tempos eu queria dar uma proseada contigo, e antes que eu envelheça demais, acho que chegou a hora. Mas sossega, não vou chorar as pitangas, só vou falar despacito, ver se alcanço uma pontinha do teu coração.

Já vivi muito e cada vez mais me abobo com a falta de educação de uns viventes aí, que insistem em te ridicularizar por causa do teu jeito gaúcho de ser. Tchê não leva a sério essas atitudes. Esses viventes não têm história e para disfarçarem a inveja, tentam te atingir e te deixar embretado. Mas não há de ser nada, não te mixa e nem aceita provocações. E nada de sentar o braço neles! Tem piedade, são uns taipas. E além do mais, de vareio nem vale a pena! 

Continua firme, valoriza a vida campeira, o pampa, o pingo e o chimarrão. Lembra que em tuas veias corre o sangue gaudério e reverencia nosso passado e nossas façanhas, mas não te esqueças de acompanhar o progresso e aproveitar as melhorias da modernidade. Estuda e te educa, cultiva a sensibilidade e a empatia. Te puxa, tchê, e reconhece teu próprio valor! Sempre. E conserva tuas virtudes. Elas são garantias concretas -- as únicas -- que jamais te deixarão ser escravo de ninguém.

Agora, umas palavrinhas sobre nossa cultura gaúcha.

Quando em nome do progresso e do desenvolvimento, fores rever nossa cultura gaúcha, -- porque os tempos mudam e a gente precisa evoluir --, cuida para que não deturpem as coisas daqui do pago, o chimarrão, o churrasco, o arroz de carreteiro, os bate-coxas, as pilchas, os "causos" e o nosso linguajar, tão nosso. Lembra-te: um povo sem tradição carrega uma sina infeliz. 

Mas cuidado, tradição não é a mesma coisa que tradicionalismo! 

Tradição é cultura e não se opõe ao progresso; está pronta a reconhecer os erros passados e adaptar-se a realidade atual para melhorar a vida. A tradição é sensível para a obrigação que temos de encarar e questionar -- cada tradição --, com a consciência de que não somos obrigados aceitá-las como fatos irrevogáveis. Qualquer tradição que seja feita de sadismo, de sofrimento, de atavismo e divertimento boçal com os seres vivos, -- no caso, os animais --, não se justifica. Nunca se justificará. Não é humanamente aceitável, tal como não é humanamente aceitável apedrejar mulheres ou mutilar os órgãos genitais dos homens. Há tradições boas que devem ser mantidas. Outras não. Tradição é apenas um folclore e não pode sobrepor-se as leis e ao progresso. 

Tradicionalismo é outra coisa. É apenas um "ismo" e comporta-se como todos os "ismos" da História: em permanente obstinação, avessa a mudanças e resistente ao cumprimento das novas leis que sinalizam o avanço social. Infelizmente aqui no Rio Grande do Sul ainda têm alguns viventes, muito toscos, que vivem aprisionados a um tradicionalismo que nem eles sabem o que significa. Alguns até se intitulam adeptos do "tradicionalismo gaúcho". (?!) E com seus "ismos", tentam obstinadamente perpetuar o passado, repetindo os erros já cometidos. Um miasma que só serve para perpetuar a barbárie e deixar um rastro de sangue e dor na vida dos animais. Esse tipo de gente acaba denigrindo os objetivos dos verdadeiros tradicionalistas. Sei que aconteceram atrocidades no passado, mas aconteceram devido ao desconhecimento e ignorância daqueles povos de antigamente. E sei que isso não foi só nas bandas aqui do sul, aconteceu também em outros lugares desse Brasil. Mas hoje em dia, com a evolução, ninguém mais admite violências que tais. E as leis estão aí, para comprovar o novo pensamento jurídico que orienta essas relações. Mas os "ismos" da história parece que não sabem ler, pois ainda insistem em continuar..., insistem em andar abraçados com a judiaria, crueldade e maus tratos aos animais! Que o Patrão Velho, com sua infinita bondade e baita coração, tire essa gente das trevas e os leve em direção à luz! 

Escuta bem, tchê, a brutalidade no trato com os animais não é e nem nunca foi tradição gaúcha! Isso é intriga desses merdas, que vivem arrotando um "tradicionalismo" grosseiro e ordinário; gente perversa e interesseira que cospe no prato onde come; gente que acha certo tratar animais como escravos. Acho isso uma barbaridade e me tapo de nojo, só de pensar! Tchê, me ouve só mais um pouquinho: não larga de mão o amor, o respeito e a compaixão pelos animais. Respeita-lhes a dignidade e ameniza-lhes o sofrimento. Os animais são teus companheiros e te ajudam a ganhar o pão. E dependem de ti para viver... e muitas vezes para morrer. Lembra-te: somos gaúchos!

Bueno tchê, me desculpe a embromação, é que esse assunto me deixa muito atucanada. Mas vou parando por aqui, que meu fraseado ficou mais comprido que suspiro em velório e, Deus sabe, não quero te chatear. Parabéns a todos nós, gaúchos e gaúchas de todas as querências. Que a Virgem Maria, primeira prenda do céu, olhe por nós, e que o Patrão Celestial nunca nos abandone.

Marli Soares Borges, 2015.

11 setembro, 2015

IMBECIS E MORTADELÓIDES

Da série: imbecis e mortadelóides - I just had an epiphany, rsrs.



A mortadela é farta
e a massa abre a bocarra;
e cada vez mais se aliena.
Aí, você que pensa, pergunta:
gente, isso vale a pena?
- Claro que vale, respondem
a verba não é pequena.
(Mal sabem o quanto envenena).


Marli Soares Borges

07 setembro, 2015

DIA DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL




Happy Independence Day! Em inglês, porque atualmente na pátria mãe gentil, falar em independência é paradoxal, posto que somos dependentes até para votar e eleger nossos governantes. E a cada dia que passa a situação piora. A mentira e o assalto diário aos nossos bolsos são os deuses venerados por esse governo maldito que se acha acima da lei e não se cansa de torcer a lógica e adulterar nossos valores perenes.

O povo? reclama e grita. Pensando bem, parece que foi só isso que nos restou: sem saúde, sem educação, sem dinheiro e sem Justiça, fazer o quê? A Justiça que sempre foi nossa força de combate, já não está mais a serviço do povo. E o nosso dinheiro foi parar nos bolsos do governo. Claro que estamos indignados. E cansados. Estamos inseguros, não sabemos onde pisar e isso é uma praga. Mas é exatamente nisso que eles apostam para perpetuarem o ciclo de poder irresponsável e perverso. Apostam no cansaço e na inércia do povo.

Putz, chega de choramingar! deve haver uma saída. Não podemos continuar aceitando a estratégia tendenciosa desse governo petista. Precisamos de esperança e de entusiasmo em meio a tanta lama. De onde virá o alento? Sei lá, para mim, "só a independência na causa". Mas tem que ser no presente, no hoje, no agora. O lance é conquistar nossa independência (social, material e emocional). Independentes teremos liberdade e poderemos nos unir em torno de objetivos comuns, pois juntos valemos mais do que sozinhos, em qualquer circunstância. (todo mundo viu o ridículo muro da vergonha que a presidenta mandou erguer na Esplanada, por puro medo da união do povo). A união sempre foi uma grande força de conquista, mas infelizmente, no pain no gain.

Marli Soares Borges

27 agosto, 2015

ESCOLHENDO ATITUDES

espírito, peruca


É complicado ser uma pessoa positiva sem ser enjoativa, sem chatear os outros com tantas positividades, rsrs. É minha oração de cada dia: ser razoavelmente positiva, sem excessos, pois viver é antes de tudo, conviver, viver com. E isso inclui respeitar o sentimento de cada um. Resumindo: não quero cansar a paciência dos outros com minhas leituras de mundo. Cada um na sua, com seus enganos e desenganos.

Mas isso não retira de mim a visão de um mundo melhor.

Embora eu acredite que desembarcamos nesta terra trazendo -- cada um de nós -- uma identidade única e que necessitamos ferramentas diferenciadas para levar a cabo nossa missão planetária, também acredito no resultado das escolhas que o livre arbítrio nos permite fazer. E sinto que para nosso próprio bem -- tanto do corpo como do espírito --, é preciso fazer valer nossa viagem por aqui. O balanço deve ser positivo, principalmente no resgate das faltas, pois disso depende nossa evolução espiritual.

Nesse contexto, tem duas atitudes que considero fundamentais no fortalecimento da espiritualidade: a interiorização e o bom humor. Seria ótimo se as pessoas tentassem ver além da superfície e encarassem a vida com uma certa dose de bom humor! Não. Não estou sugerindo negar a tristeza e assumir o riso constante das hienas. Minha proposta é outra: incluir alegria na tristeza. Como assim? Acredito nessa possibilidade, acho que é possível, até nas situações de amargura, acalmar o ânimo e ver alguma luz no caminho; é possível ver as coisas com outros olhos; encarar os acontecimentos noutra vibe, rir e chorar, e aceitar de bom grado as contradições da vida. E ainda escolher o lado bom! Enfim, na prática, as tais atitudes que falei: alegria e bom humor. Difícil? claro, muiiito difícil, é trabalho pesadíssimo, loucura total! Mas vale a pena tentar. Força na peruca.

Marli Soares Borges

09 julho, 2015

MANDIOCA SAPIENS





A mandioca virou star no dicionário Dilmês. Coitada da mandioca, ela nunca imaginou que passaria por isso. Enfim, mandioca or not mandioca não é mais a questão. Agora surgiu no mercado a "Mandioca Sapiens". Mas você é quem sapiens. Contudo, quem mais sapiens de mandioca sapiens é a "Incompetenta Sapiens". Na verdade, você não sapiens de nada! E isso é muito bom, pois assim você, eu, nós, -- todos os comuns mortais --, poderemos continuar exercendo nosso sagrado direito de apreciar a "Mandioca-Não-Sapiens".

Em tempo: ouvi dizer rsrsrs que há um mandiocal sapiens nos arredores de Brasília, cujo plantio foi coordenado pessoalmente pela rainha louca, ops(!), incompetenta sapiens.

Marli Soares Borges

23 junho, 2015

A GUARDA COMPARTILHADA




Andei lendo algumas opiniões sobre filhos, famílias, separações, etc. e comecei a refletir um pouco sobre a GUARDA COMPARTILHADA, a tal lei que não 'pegou'. 


Penso que a guarda compartilhada para funcionar exige que os pais tenham uma boa relação e, óbvio, se tiverem uma boa relação, não haverá necessidade de o juiz determinar o que é melhor para os filhos.

Obrigar casais com alto grau de litígio a compartilharem a guarda é um contrassenso, pois a criança sempre será a mais prejudicada. Ela acabará como bolinha de ping-pong, sempre ao sabor dos ânimos de cada um dos genitores. Sem falar no estado de insegurança permanente a que estará sendo submetida. Acho que os juízes que lidam no dia a dia com esse tipo de litígio, já perceberam que 'ex casais' que vivem em pé de guerra, jamais conseguirão dar conta dos encargos inerentes ao compartilhamento da guarda dos filhos. Por isso, eles (os juízes) não têm concedido esse tipo de guarda quando requerida.

Se não houvesse discórdia, tudo seria diferente e, como eu disse antes, nem haveria necessidade de legislar nesse sentido. Mas essa lei, como tantas que são criadas aqui no Brasil, é uma lei de gabinete, uma lei criada para mostrar serviço, por quem apenas observa o cenário... apressadamente. E os envolvidos na discórdia -- as crianças e os pais -- é que sentem em suas vidas, o peso que isso representa.

Ocorre que na guarda compartilhada não são apenas os direitos que devem ser compartilhados mas também os deveres e obrigações. Em tempos de paz tudo parece tão óbvio... mas no meio do conflito, a conversa é bem outra. Inclusive existem casos - e não são poucos - em que o pedido de guarda compartilhada tem sido usado, pasmem(!) até para embasar a diminuição e/ou o não pagamento de alimentos.

Aí, os entendidos perguntam: porque será que essa lei não 'pegou'?

Marli Soares Borges

18 maio, 2015

METAMORFOSES




O MUNDO MUDA e a gente muda com o mundo. Ah, esse assunto é recorrente. Vivo jurando que não falo mais sobre isso, mas quando vejo... Aliás, isso acontece bastante comigo, milhares de vezes cruzei os dedos e afirmei que estava certa e jurei que nunca iria aceitar ou fazer isso e aquilo. E algum tempo depois, lá estava eu, aceitando e fazendo o "impossível". E daí? Isso não me incomoda. Nunca me comprometi com o erro, e além do mais, aprendi que mudar é se renovar, é abrir novos caminhos, é ter novas possibilidades. É se reinventar a cada dia, para -- quem sabe -- voltar a se surpreender com a vida. 

Muitas vezes são as mudanças repentinas que nos dão as melhores experiências de nossas vidas! Por isso, quanto mais o tempo passa, mais eu concordo com Raul Seixas... "Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo". Essa, para mim, é uma das frases mais significativas que já foram ditas através dos tempos.

Marli Soares Borges

28 abril, 2015

SE ACASO VOCÊ CHEGASSE...

Acredito no acaso muito mais do que no mérito e considero que o esforço e o talento, por si sós, não determinam o sucesso das pessoas. Li um artigo de um escritor franco-canadense - Malcolm Gladwell - sobre esse assunto e concordo com ele. Para mim, a meritocracia não passa de uma ideia falsa, quase uma fé "virada para baixo" com dizia Murphy. Se o esforço árduo fosse necessariamente recompensado o sucesso estaria praticamente garantido para todas as pessoas. Era só se esforçar e pronto. Mas, infelizmente, não é assim que funciona, tem gente que leva a vida inteira se esforçando e nunca chega lá. Acontece que a meritocracia é apenas uma crença e o acaso não. O acaso é real e está em todos os lugares. Observe: o acaso inaugural, que praticamente dá o 'tom' da nossa existência, começa precisamente no dia em que, direto da barriga de nossa mãe, desembarcamos nesse mundo. Desde a nossa mãe, a nossa família, o lugar do nosso nascimento, nossa escola, etc, até os atos e fatos casuais, anteriores e decisivos que nos dizem respeito, todos eles são acasos determinantes na nossa vida. Enfim, penso que o papel do acaso não é pequeno, ele é bem maior do que gostaríamos de admitir. Mas isso não significa que eu despreze o valor do esforço e da dedicação. Pelo contrário, o esforço, a dedicação, o comprometimento e as horas-bunda de estudo, contam muitíssimo na vida e, verdadeiramente, alavancam o sucesso. Apenas não concordo com a ideia de que o esforço árduo terá necessariamente sua recompensa, pois o acaso é moeda forte e não pode ser desconsiderado. Lembro de Santo Agostinho, "somos todos iguais, até o momento em que nascemos". Certamente, também ele, por acaso, andou encucando no acaso de todos nós.

Marli Soares Borges

07 abril, 2015

O MINISTÉRIO DA VERDADE

planeta de papel

Li por aí uns papos sobre jornais digitais, sobre a bobagem que estamos fazendo em manter jornais em papel, coisa mais antiga. Para que atolar o planeta de papel? Para que manter jornais impressos, se encontramos tudo online, a um clique de nós? Ok, ok. Mas confesso que nesse quesito, tenho muitas reservas. Desde que li, ha muito, "1984" (de Orwell), nunca mais esqueci o "Ministério da Verdade". Fiquei impressionada com o tal ministério cujo objetivo era exatamente o oposto da Verdade: ele era diretamente responsável pela falsificação da história. (Em Novilíngua, porém, o nome era bem apropriado, já que “verdade” é aquilo que o Estado quer que seja verdade). De fato, o tal "Ministério da Verdade" cuidava nas notícias, entretenimento, artes e educação e seu propósito era reescrever a história e alterar os fatos, de forma que eles se encaixassem na doutrina do Partido. Por exemplo, se o Grande Irmão (chefão do Partido) fizesse uma previsão que se revelasse errada, os funcionários do Ministério deveriam reescrever a história de forma que a previsão do Grande Irmão (chefão do Partido) estivesse correta. Deveriam criar a ilusão de que o Partido é absoluto, eternamente correto e forte. Como se vê, era um ministério muito especial. Ele apagava as lembranças e alterava a história. Vai daí que volta e meia me vem à cabeça uma coisa terrível: hoje em dia temos um arsenal tecnológico fantástico ao nosso dispor. Pois bem, você já imaginou, como seria fácil hoje em dia, modificar rapidamente quaisquer registros, se não houvesse jornais impressos, se houvesse apenas a mídia digital? Seria facílimo, como também facílimo seria ao governo exercer uma fiscalização difusa e controlar a vida dos cidadãos, invadindo 'legalmente' os direitos individuais. O quê? Paranóia minha? Negativo. Já tem gente louca -- moluscamente, dilmamente, petralhamente louca -- querendo reescrever a história. Temos que ficar antenados. Por isso, acho muito importante que os jornais e todos os registros em papel, a despeito de sua alegada falta de praticidade atual, permaneçam existindo e convivendo com a mídia digital através dos tempos. Precisamos ter um mínimo de certeza de que nossa história permanecerá intacta. Já conseguiram nos engambelar com as urnas eletrônicas, que não conservam nenhum registro concreto de nossos votos. Agora querem também terminar com os jornais impressos? Uma história sem registros? Sou contra.

Marli Soares Borges

* Imagem: retirei do Google. Se for de alguém, por gentileza, avise.

30 março, 2015

ESSAS FAMÍLIAS MARAVILHOSAS...


essas famílias maravilhosas


O conservadorismo insiste no conceito tradicional de família como um núcleo formado por pai, mãe e filhos. Os debates que vejo aqui e ali, parecem ser apenas "combates" conservadores, contra as famílias no plural. O bom é que os direitos desses novos modelos familiares, felizmente, já estão reconhecidos e sem chances de retrocesso. Mas o que me assombra é que -- pelo que andei lendo -- quase a metade da sociedade, mesmo convivendo com a nova realidade que se apresenta, ainda assim, concorda com este estreito conceito de família que se quer impor na marra, na voz da lei. Cada vez me convenço mais que o preconceito é mesmo uma praga insidiosa. E o pior é que ainda está presente no dia a dia de grande parte da nossa sociedade, refletido no comportamento das pessoas. Embora tentem camuflar, o preconceito sempre aparece. E vem à tona nas ocasiões mais inusitadas, geralmente nas escorregadelas da linguagem. As pessoas se descuidam e se traem. Chega a ser até engraçado: tudo vai muito bem, até que haja uma situação limite. Bom, aí não tem jeito, a máscara cai e o preconceito aparece. Quer ver um exemplo clássico? Os pais que dizem aceitar numa boa as alternativas de gênero que existem, mas que acabam se desesperando quando isto ocorre com um filho seu. -- E os exemplos não param por aí, tem mais, muito mais --. Se você está pensando que são somente as pessoas "burrinhas" que agem assim, engana-se. São as bem "esclarecidinhas", aquelas que vivem posando e anunciando aos quatro ventos que não têm preconceitos contra ninguém. São essas que agora, com a possibilidade de meterem suas colheres no conceito legal de família, elegeram o Sr. Preconceito como o dono da verdade.

Marli Soares Borges

* Encontrei essa imagem no Google, se alguém tiver os créditos, por favor me avise.

29 março, 2015

TANTA GENTE QUERENDO VIVER...

Entristecer a gente se entristece, mas dor mesmo, estão sentindo os que perderam seus entes queridos no tal avião. Só de pensar na possibilidade de um filho meu estar dentro de um avião pilotado por um "coitado" que decidiu se matar, me dá uma froxura nas pernas. Não sei o que é pior, se o desespero coletivo daquelas pessoas, que num repente estavam com suas vidas nas mãos de um louco; ou se é a angústia do piloto tentando desesperadamente impedir a tragédia; ou ainda, se é a dor dos familiares -- e do mundo inteiro --, por tantos jovens que perderam suas vidas tão precocemente. E quer saber? ainda não refleti sobre as angústias do suicida. Fica para depois. É tudo muito triste e acho impossível comparar dores. Mas por que suicidar-se assim, levando consigo tanta gente que desejava viver? Nossa, se é complicado de entender, muito mais de aceitar! E eis que no meio de tantos senões, vem um pai (americano, parece...) dizendo assim: "perdi meu filho, a dor é enorme mas, não tenho raiva desse piloto. Fico imaginando o que estarão sentindo nesse momento, os pais dele que, além da perda terão que suportar as acusações do mundo". É. Tem gente muito iluminada(!?) mesmo. Uma declaração comovente. Estou muito longe desse equilíbrio.

Marli Soares Borges

26 março, 2015

O MELHOR DOS DOIS MUNDOS

o melhor dos dois mundos

Não há como (con)viver em harmonia com os outros, sem renúncias. Todos queremos conquistar nosso espaço é verdade. Até porque a própria vida em sociedade exige isso de cada um de nós. É preciso que cada um encontre seu espaço no mundo, que cada um faça sua escolha para que todos possam viver suas vidas de modo pleno. Mas escolher implica em optar por uma coisa ou por outra. E nesse processo, inevitavelmente uma coisa será deixada de lado. Acontece que na atualidade as pessoas modernas não estão conseguindo resolver essa equação: elas querem tudo ao mesmo tempo. Fazem suas escolhas, mas não querem perder nada no processo: como assim, escolher uma coisa e deixar outra? Perder? Elas não suportam. Falta-lhes um ingrediente básico na vida: tolerância. Tolerância às frustrações. E porque que não conseguem tolerar frustrações, sofrem, choram, gastam suas energias e se estressam. E muitas vezes apelam para a violência. E deixam de aproveitar o que a vida tem para lhes oferecer de bom. Será que é tão difícil entender que escolher é "pegar" uma coisa e "deixar" outra? Que ninguém pode ter tudo? Acho sinceramente que precisamos tomar tento e ensinar nossas crianças, enquanto são pequenas, a tolerarem suas frustrações e conviverem com suas perdas, pois o baixíssimo nível de tolerância que vejo hoje nos adultos me assombra.

Marli Soares Borges

* Imagem retirada do Google, sem créditos. Se alguém souber, por gentileza me avise.

13 março, 2015

O PETISMO ESTÁ CUSPINDO SEUS MIASMAS



Já andam chamando os manifestantes de golpistas, de inimigos da democracia e tal. Que bobagem, coisa de gente burra, (menos burra que mal intencionada, penso eu). Quem pede impedimento de um(a) presidente está se manifestando nos limites do estado de direito, pois tal medida -- extrema -- está prevista na Constituição Federal e devidamente regulamentada por lei. Portanto: menos, petistas, bem menos. 


Me alegra saber que o movimento de domingo será de fato, composto por indivíduos livres, sem amarras, sem canga e sem dono. Gente comum, nada de sangue azul. Guaipecas, numa expressão bem gaudéria. Gente livre e responsável. Cada um pensando com sua própria cabeça. Felizmente a imprensa não poderá chamar a manifestação de “movimento social”, expressão desgastada e aviltada que ninguém aguenta mais e que hoje em dia, soa até como ofensa, em função das tantas mentiras que esse governo podre nos aplicou. 


Desejo muito que a praça volte a ser do povo, tudo na santa paz, com civilidade e sensatez. E que nenhum indivíduo que estiver se manifestando, aceite as provocações mal cheirosas que sairão da boca patológica dos petistas ensandecidos. Que Deus proteja os manifestantes e permita que eles bem conduzam as manifestações em cada canto do Brasil. Estarei rezando.

Marli Soares Borges

07 março, 2015

VIOLÊNCIA EXTREMA CONTRA AS MULHERES

violência extrema contra as mulheres
Imagem: Google


Na terça-feira, (03.03.2015), o Congresso Nacional aprovou o projeto de Lei 8305/14, do Senado, que classifica o femicídio como crime hediondo e o inclui no Código Penal como homicídio qualificado. Isso significa que assim que a lei for sancionada, todo assassinato de mulheres motivado por razão de gênero (pelo simples fato de ser mulher), será enquadrado nessa classificação.


Lamento que nas celebrações do dia da mulher - 08 de março - a pauta da violência ainda esteja em alta. Por isso, sou plenamente a favor da promulgação do femicídio. 


Conceituar como femicídio o assassinato de mulheres, pelo fato de serem mulheres, a meu ver representa um avanço na compreensão política do caráter sexista presente nos crimes de homicídio contra as mulheres, que recentemente passaram a serem estudados, fazendo ressaltar a necessidade de criminalização. Considero importante essa tipificação porque, à toda evidência, o que não tem nome, não existe... "é preciso dar nome aos bois". E a adoção do termo femicídio, além de tipificar o crime, serve também ao propósito de desmistificar a aparente neutralidade que subjaz ao termo assassinato, mostrando tratar-se de fenômeno inerente ao histórico processo de subordinação das mulheres.


Tão triste que durante tanto tempo, tantas mulheres tenham sido assassinadas e os crimes banalizados, tratados como um crime a mais na seara delituosa. Acontece que não são. O assassinato de mulheres, pelo fato de serem mulheres, é uma das consequências mais cruéis da subordinação da mulher e da negação da sua autonomia. E o retrato vivo dessa negação aparece no próprio desenho dos meios de comunicação, que divulgam esses crimes, dizendo tratar-se de “crime passional”. Todavia, um homicídio de mulher não pode ser tratado como um crime passional, porque não é. Assim tratado, você desqualifica o crime, banaliza o crime, -- afinal foi praticado num momento de raiva, você pensa --. Mas não foi. O femicídio é um processo de violência. Por isso, está mais do que na hora de erradicar o tal “crime passional”, que traz em si um conceito misógino, que ignora todo o sistema de dominação patriarcal e tenta manter as mulheres numa eterna subordinação. 


Está na hora de tipificar, de criminalizar, de tirar esse crime do esconderijo. Quando se tipifica um crime, esse crime passa a existir juridicamente, e sai da impunidade. Surgem inúmeras possibilidades de aprimorar registros, criar mecanismos de controle, definir prioridades, etc, claro está, que a tipificação por si só, não basta, até porque, na nossa lei penal subsiste ainda o controle patriarcal contra a mulher. Então precisamos também que, ao lado da tipificação, aconteçam mudanças estruturais na sociedade, reformas gerais, tanto na legislação como nas políticas públicas que, expressa ou tacitamente, contenham preceitos discriminatórios violadores da dignidade humana. É crucial que se analise os delitos contra mulheres à luz de toda a discriminação histórica que as vitimou, da violência estrutural e sistemática, bem como da ausência de políticas públicas de prevenção, punição e erradicação desses delitos. 


Desejo muito que um dia, num estágio de evolução superior, possamos olhar para essa lei e achá-la obsoleta. Que num futuro próximo, o crime tipificado nesse diploma legal, não passe de mera curiosidade histórica e antropológica. Mas enquanto esse estágio evolutivo não chega, reconheço que é preciso zelar pelas mulheres, esses seres vulneráveis que vivem nessa sociedade 'moderna' e bárbara, regida pela lei do mais forte. É urgente criminalizar o assassinato de mulheres. É urgente repudiar os crimes de gênero.

Marli Soares Borges

08 fevereiro, 2015

GENTE CHATA E BURRA


Contextualizar as coisas... para quê? Acho que as pessoas têm preguiça de ler textos com mais de 140 caracteres e por isso, acabam deixando de consultar as fontes do assunto que pretendem postar e quando resolvem tomar pé do referido assunto, não sabem interpretar os textos. Identificar ironias? Nem pensar, elas não conseguem. Não me surpreende que achem tão fácil pinçar frases soltas e afirmar verdades absolutas. E seguem assim, falando mal, desconstruindo pessoas respeitadas e desprezando sólidos referenciais. E isso, lamentavelmente, tem sido uma prática constante na rede. Veja o que fizeram com o papa Francisco, que em uma fala sobre educação e limites, foi transformado em defensor da violência contra crianças! Óbvio que o contexto que gerou essa fala colocaria tudo em pratos limpos, mas está tão distante do entendimento do "escritor", quanto sua capacidade de interpretar textos. Assim é que essas incoerências vão se se repetindo aqui e ali, nos mais variados assuntos. E o que mais impressiona é que todos eles, acreditam-se detentores do monopólio da verdade e cada um torce o pepino para onde bem entende, ou mesmo, para onde não entende bulhufas. Gente chata e burra.

Marli Soares Borges

01 fevereiro, 2015

OS MONSTROS


... e no final das contas, eles nem precisariam ter se assustado dos monstros. Não havia monstros, como puderam comprovar ao acenderem a luz. Foi então que eles se deram conta de que os monstros que haviam visto nas noites em que ali estiveram, eram as próprias pessoas que, durante o dia, eles conheciam muito bem. Conheciam mesmo?... e a ficha caiu: eles pensavam que conheciam! Acontece que ninguém conhece verdadeiramente alguém, porque ninguém é absolutamente transparente. Ninguém se dá a conhecer totalmente. Nem para si próprio. Somos todos uns ilustres desconhecidos de nós mesmos. Essa transparência tão alardeada e desejada, é uma coisa midiática, apenas um ideal. Outra utopia posta na nossa mesa para nos confundir. 


Marli Soares Borges

20 janeiro, 2015

DANOU-SE, SENHORA


Já falei que, por enquanto, sou contra a pena de morte. Entendo que e o Estado quando decide matar, toma para si um direito que não lhe pertence e que a vida é uma só: morreu, morreu... acabou-se. Após o cumprimento da pena capital estará descartada qualquer possibilidade de revisão por erro judicial. É isso que me tira do sério. Não gosto de bandidagem, não gosto de traficantes, mas não suporto a ideia do Estado decidindo, quando e como, alguém deve morrer. Claro que esse infeliz fuzilado nunca foi santo na vida e sempre teve a pior das intenções. Ele sabia das penalidades e mesmo assim decidiu traficar, então ele que se exploda, oras! Mas em se tratando da pena de morte aplicada, não consigo aplaudir. Nem no juízo momentâneo do 'por aqui o crime compensa e por lá não'. E não estou com peninha do bandido, Deus me livre, por mim ele que torre no inferno! O que me incomoda é a concepção jurídica da pena de morte em si, que me passa uma ideia de relativização do Direito. Mas isso é outro assunto. No mais, sou plenamente a favor de que cada país obedeça suas leis, e se tiver pena de morte, cumpra-se! doa em quem doer. 


E o pedido de clemência da Dilma?


Bom, eu acho uma inversão total de percepção esse tipo de investida presidencial, porque o remédio jurídico para livrar o brasileiro da morte, era outro, que não foi dado no momento certo, e agora esse pedido de clemência já era. Mas é óbvio que a Dilma, acostumada a mandar e demandar a torto e a direito, -- a lei?, ora a lei! -- não conseguiria, por bem, entender que o exercício do poder não é absoluto, que há limites, e que é preciso respeitar às leis de um país. Mas depois dessa, creio que ela deve ter aprendido alguma coisa. O Presidente da Indonésia acaba de ensinar-lhe uma liçãozinha básica: existe em cada país, uma coisa que se chama soberania e tem tudo a ver com a máxima de que as leis devem ser respeitadas! 


Voltando um pouquinho o filme. 


Não consigo imaginar a sensação de desespero e raiva que ela deve ter sentido, quando se deu conta de sua incompetência: ela teve 4 anos para providenciar a extradição do cara e não providenciou. E ele foi julgado por lá. E foi então que ela viu o paradoxo em que estava metida: não seria ideal para sua imagem 'de poder', abandonar um brasileiro assim, com morte anunciada, num país estranho ao seu; e não seria ideal para sua imagem 'ilibada', demandar por um bandido, um traficante que fora condenado em processo regular num país estrangeiro. Ela teria que assumir uma posição: ou respeitava a soberania do país ou manejava seu velho conhecido: o carteiraço!

E na qualidade de Presidente do Brasil ela optou. Pelo bandido. E como não poderia deixar de ser, o carteiraço em forma de pedido, reavivou o justo ressentimento dos brasileiros -- os honestos e trabalhadores, é claro -- e chegou como um vendaval: -- O MUNDO É TESTEMUNHA, A PRESIDENTE DO BRASIL PEDIU CLEMÊNCIA PARA UM TRAFICANTE! 

Danou-se, Senhora. Seu colega da Indonésia respeita as leis de seu país. 

Marli Soares Borges

07 janeiro, 2015

NINGUÉM ENXERGA LONGE SEM AUXILIO


ninguém enxerga longe sem auxilio

Ninguém enxerga longe sem auxílio, e o conhecimento não acontece plenamente para aqueles que apenas escalam os muros tentando ver se conseguem, lá das alturas, observar mais longe. Claro que o 'escalar muros' também é importante, mas penso que para ampliar nossa consciência e aprimorar nossas percepções e interconexões com a realidade, precisamos da cultura, do estudo, do auxílio dos gênios e dos poetas, das músicas e dos filmes, dos livros e dos textos, dos telescópios e dos microscópios. Mas precisamos também dos longos papos e dos porres memoráveis. E da atenção e do equilíbrio. Prestar atenção às sinfonias dos grandes músicos, e aos pássaros que cantam lá fora; aos grandes filmes e aos peixes que nadam nos rios; aos sonetos de Shakespeare e às palavras de bem-querer que brotam dos lábios das pessoas comuns. Tudo na sua medida. O difícil caminho da sabedoria, como apontou Zaratustra (e seu criador, Nietzsche), é uma estrada de muita solidão e incompreensão, onde aquele que busca ser sábio, seguidamente tromba ao seu redor com a tolice, a estupidez e a trivialidade, sem falar na traição e na crueldade. Pois é. E haja sabedoria para lidar com tudo isso! Mas gosto dessa ideia de sabedoria e de aprendizados. 

Marli Soares Borges

04 janeiro, 2015

PRIMEIRO POST DE 2015

primeiro post

Cuide de sua pele, cuide de você. Para começar, que tal firmar um propósito de não assumir dívidas que depois não possa pagar? Com isso você não andará de cara feia o ano inteiro, e uma cara alegre é bom demais para a pele. E além do mais, você fará um grande favor ao universo, pois se você não sabe, nossos sentimentos e atitudes são contagiantes, tanto para o bem como para o mal.  


Veja o que encontrei: a Cartilha do Superendividado.
Ela prega dez mandamentos:

1.   Não gaste mais do que você ganha.
2.   Tenha cuidado com o crédito fácil.
3.   Não assuma dívida sem antes refletir e conversar com sua família.
4.   Leia o contrato e os prospectos.
5.   Exija informação sobre as taxas de juros mensal e anual.
6.   Exija o prévio cálculo do valor do total da dívida e avalie se é compatível com sua renda.
7.   Compare as taxas de juros dos concorrentes.
8.   Não assuma dívidas em benefício de terceiro.
9.   Não assuma dívidas e não forneça seus dados por telefone ou pela Internet.
10. Reserve parte de sua renda para as despesas de sobrevivência.


E agora conheça o teste "Estou superendividado"

( )  Minhas dívidas equivalem a mais de 50% do que ganho;
( )  Preciso trabalhar mais para pagar minhas dívidas no final do mês;
( )  Meu salário termina antes do final do mês;
( )  Minhas dívidas estão sendo causa de desavença familiar;
( )  Não consigo pagar em dia as contas de luz, água, alimentação, aluguel e/ou condomínio;
( )  Tenho sofrido de depressão em razão das dívidas;
( )  Meu nome está registrado em cadastros, tais como SPC, SERASA, CCF;
( )  Tenho atrasado o pagamento das minhas dívidas;
( )  Já pedi dinheiro emprestado a familiar ou a um amigo para pagar minhas obrigações;
( )  Minha família não tem conhecimento de minhas dificuldades.

Pense nisso, quem avisa amigo é.
Beijos
Marli