30 março, 2015

ESSAS FAMÍLIAS MARAVILHOSAS...


essas famílias maravilhosas


O conservadorismo insiste no conceito tradicional de família como um núcleo formado por pai, mãe e filhos. Os debates que vejo aqui e ali, parecem ser apenas "combates" conservadores, contra as famílias no plural. O bom é que os direitos desses novos modelos familiares, felizmente, já estão reconhecidos e sem chances de retrocesso. Mas o que me assombra é que -- pelo que andei lendo -- quase a metade da sociedade, mesmo convivendo com a nova realidade que se apresenta, ainda assim, concorda com este estreito conceito de família que se quer impor na marra, na voz da lei. Cada vez me convenço mais que o preconceito é mesmo uma praga insidiosa. E o pior é que ainda está presente no dia a dia de grande parte da nossa sociedade, refletido no comportamento das pessoas. Embora tentem camuflar, o preconceito sempre aparece. E vem à tona nas ocasiões mais inusitadas, geralmente nas escorregadelas da linguagem. As pessoas se descuidam e se traem. Chega a ser até engraçado: tudo vai muito bem, até que haja uma situação limite. Bom, aí não tem jeito, a máscara cai e o preconceito aparece. Quer ver um exemplo clássico? Os pais que dizem aceitar numa boa as alternativas de gênero que existem, mas que acabam se desesperando quando isto ocorre com um filho seu. -- E os exemplos não param por aí, tem mais, muito mais --. Se você está pensando que são somente as pessoas "burrinhas" que agem assim, engana-se. São as bem "esclarecidinhas", aquelas que vivem posando e anunciando aos quatro ventos que não têm preconceitos contra ninguém. São essas que agora, com a possibilidade de meterem suas colheres no conceito legal de família, elegeram o Sr. Preconceito como o dono da verdade.

Marli Soares Borges

* Encontrei essa imagem no Google, se alguém tiver os créditos, por favor me avise.
Postar um comentário