20 janeiro, 2015

DANOU-SE, SENHORA


Já falei que, por enquanto, sou contra a pena de morte. Entendo que e o Estado quando decide matar, toma para si um direito que não lhe pertence e que a vida é uma só: morreu, morreu... acabou-se. Após o cumprimento da pena capital estará descartada qualquer possibilidade de revisão por erro judicial. É isso que me tira do sério. Não gosto de bandidagem, não gosto de traficantes, mas não suporto a ideia do Estado decidindo, quando e como, alguém deve morrer. Claro que esse infeliz fuzilado nunca foi santo na vida e sempre teve a pior das intenções. Ele sabia das penalidades e mesmo assim decidiu traficar, então ele que se exploda, oras! Mas em se tratando da pena de morte aplicada, não consigo aplaudir. Nem no juízo momentâneo do 'por aqui o crime compensa e por lá não'. E não estou com peninha do bandido, Deus me livre, por mim ele que torre no inferno! O que me incomoda é a concepção jurídica da pena de morte em si, que me passa uma ideia de relativização do Direito. Mas isso é outro assunto. No mais, sou plenamente a favor de que cada país obedeça suas leis, e se tiver pena de morte, cumpra-se! doa em quem doer. 


E o pedido de clemência da Dilma?


Bom, eu acho uma inversão total de percepção esse tipo de investida presidencial, porque o remédio jurídico para livrar o brasileiro da morte, era outro, que não foi dado no momento certo, e agora esse pedido de clemência já era. Mas é óbvio que a Dilma, acostumada a mandar e demandar a torto e a direito, -- a lei?, ora a lei! -- não conseguiria, por bem, entender que o exercício do poder não é absoluto, que há limites, e que é preciso respeitar às leis de um país. Mas depois dessa, creio que ela deve ter aprendido alguma coisa. O Presidente da Indonésia acaba de ensinar-lhe uma liçãozinha básica: existe em cada país, uma coisa que se chama soberania e tem tudo a ver com a máxima de que as leis devem ser respeitadas! 


Voltando um pouquinho o filme. 


Não consigo imaginar a sensação de desespero e raiva que ela deve ter sentido, quando se deu conta de sua incompetência: ela teve 4 anos para providenciar a extradição do cara e não providenciou. E ele foi julgado por lá. E foi então que ela viu o paradoxo em que estava metida: não seria ideal para sua imagem 'de poder', abandonar um brasileiro assim, com morte anunciada, num país estranho ao seu; e não seria ideal para sua imagem 'ilibada', demandar por um bandido, um traficante que fora condenado em processo regular num país estrangeiro. Ela teria que assumir uma posição: ou respeitava a soberania do país ou manejava seu velho conhecido: o carteiraço!

E na qualidade de Presidente do Brasil ela optou. Pelo bandido. E como não poderia deixar de ser, o carteiraço em forma de pedido, reavivou o justo ressentimento dos brasileiros -- os honestos e trabalhadores, é claro -- e chegou como um vendaval: -- O MUNDO É TESTEMUNHA, A PRESIDENTE DO BRASIL PEDIU CLEMÊNCIA PARA UM TRAFICANTE! 

Danou-se, Senhora. Seu colega da Indonésia respeita as leis de seu país. 

Marli Soares Borges
Postar um comentário