21 novembro, 2016

ANTÍDOTO PARA O ATORDOAMENTO







Nesses tempos em que o consumo e as aparências pretendem dar sentido à vida, poetizar as pequenas emoções é mais do que nunca, o antídoto para o atordoamento. Só a poesia nos salvará. 

Em meu altar de poesia reservo espaço iluminado para a genialidade poética de Manoel de Barros: "eu não sei nada sobre as grandes coisas do mundo, mas sobre as pequenas eu sei menos"; Emilio Moura, absolutamente cirúrgico, direto na jugular: "viver não dói. O que dói é a vida que não se vive"; Mario Quintana, profético e profundo: "eles passarão... eu passarinho". E para costurar toda essa poesia, só mesmo a sabedoria delicada de Cora Coralina: "se a gente cresce com os golpes duros da vida, também podemos crescer com os toques suaves na alma.” 

Repito, só a poesia nos salvará.

Marli Soares Borges
Postar um comentário