17 setembro, 2010

BLOGAGEM COLETIVA - PERDÃO

Olá!
* O tema é perdão.

I n c o n g r u ê n c i a s    d o    P e r d ã o.   

"Daqui a vinte anos haveremos de perdoar-nos uns aos outros, as brigas que tivemos, os revides e as traições. E haveremos de perdoar-nos a nós mesmos, por não nos havermos perdoado mais cedo." (Kierkegaard). Anotei essas palavras quando eu tinha dezenove anos. Anotei a data, óbvio. Lembro que naquela época considerei tudo isso uma verdadeira utopia. Imagine só, eu perdoar meus desafetos? Sem essa. E lá se foram os vinte anos que ele falou. Já sei, você quer saber no que deu. Calma, já vou contar.

Com o passar do tempo a vida vai nos ensinando algumas coisas. Vamos adquirindo experiências, vivendo e aprendendo, mudando nossos rumos. Serenando e apaziguando nosso coração. Comigo foi assim. Certo dia aconteceu a mágica e comecei a perdoar. Nem me dei conta. E sei que é assim pra muita gente. Passei a notar então, que no limiar da maturidade, entre outras benesses, a gente incorpora a virtude de perdoar. E isso é muito legal, faz bem ao coração. Ok, mas... e as tais palavras? Ih, gente, muito esperto o tal filósofo! Acertou na mosca. \o/

Antes de sair, quero dizer uma coisa. Por favor, não se coloque na obrigação de perdoar. O perdão só é gratificante quando natural e verdadeiro. Jamais inclua o perdão no rol dos deveres, pois as chances de sair ileso dessa jogada são nulas. Lembre-se que o ato de perdoar contém em si um ato de desistir, que por sua vez, tem que ser na medida certa. Do contrário você vai acabar se entristecendo e afogando-se num mar de desistências. E corre o risco de desistir de viver e de sonhar. E isso não é uma boa. Esse pecado não tem perdão!!

Desista de tudo, mas não desista de você. Se você desistir, ninguém te perdoará. Você, assim como eu, somos parte do universo. Essência. É preferível descobrir a medida certa para o perdão, sem esquecer que ao perdoarmos alguém, podemos estar também perdoando a nós mesmos. Beleza?

A propósito, extraí um fragmento de um texto da Clarice Lispector, onde aparece com nitidez essa incongruência que envolve o perdão. Disse ela:

(...) é imperdoável desistir da própria vida, dos sonhos que alimentam a trajetória do homem. Desista de tudo, de lutar pelo filho que não quer mudar, da filha que decidiu abandonar a casa em tom de rebeldia, do "amor da sua vida" que quer "mais liberdade", do emprego que te suga até a alma, (...) ... só não desista de você, é imperdoável perdermos alguém tão especial, tão essencial, como você. (...)
(Perdão e impunidade são coisas diferentes. Um dia postarei algo a respeito. É um assunto prá lá de interessante. Prometo com os dedos cruzados, rsrs).

Beijos.

* Blogagem coletiva organizada pela Glorinha do Blog Café com Bolo.
Postar um comentário