06 junho, 2010

VOCÊ CONHECE O TSURU?

Olá pessoal.

Tem alguém aí? Todo mundo dormindo, queria o quê. Estou escrevendo, agora, porque prometi essa postagem ao meu querido amigo Hamilton do Blog "Profundo Pensar". Prometi, há algum tempo e, morro de vergonha, esqueci!! Também é tanta coisa...

Vocês sabem, gosto muito, muito mesmo de origami, já disse isso. Esse que vou mostrar tem tudo a ver com uma postagem que o Hamilton fez e que eu, no decorrer da leitura, lembrei direto. Explico. Ele contou uma história muito comovente e eu lembrei de outra que igualmente me comoveu. Ambas ligadas ao tsuru.

Leiam meu post e visitem em seguida o "Profundo Pensar" para conferir aquela  postagem do Hamilton. Mas leiam também as outras, tem cada coisa mais linda, que só vendo e, garanto, aquele é um blog bem mais animado que o meu. Estou sempre por lá. Certeza, vale a visita!!!

VOCÊ CONHECE O TSURU?

saúde


Tsuru (grou) é o origami mais perfeito que existe. Suas dobraduras iniciais são básicas e permitem que qualquer outra forma seja feita. É uma das criações mais importantes do origami. As crianças japonesas aprendem a dobrá-lo desde pequenas.

Tsuru - a garça - é a mais antiga ave na Terra. Tem longas pernas, longo bico, longas asas, longo pescoço e longa vida. Por isso, transformou-se no símbolo da imortalidade, longevidade e renascimento cíclico, portanto: felicidade. É costume dobrar tsurus e enviar a pessoas doentes. A pessoa doente e seus familiares saberão que você realmente rezou. Segundo uma lenda japonesa, se você dobrar mil tsurus, com fé e concentração, seu pedido se realizará... no milésimo origami! Yes! Tem que dobrar mil tsurus!

Então, se as pessoas se combinarem e cada uma dobrar alguns e mandar para o doente, é possivel chegar-se ao número necessário. União, esforço e fé. A propósito, acho tão interessante esse pensamento oriental que condiciona o pedido primeiro ao trabalho. Bem diferente de nós por aqui.

Hoje em dia o tsuru de papel transformou-se em símbolo de paz e reconciliação e tanto no Japão como no ocidente, milhares de crianças e adultos fazem uma "dobragem coletiva" de mil tsurus para enviar ao Parque da Paz em Hiroshima como prova de solidariedade e defesa da Paz no Mundo. No monumento está inscrito o desejo das crianças:

saúde, prosperidade

Este é o nosso Grito
Esta é a nossa Prece
Paz no Mundo.

Pois é gente. E agora a história que o post do Hamilton me fez lembrar. Vou fazer um resumo bem apertado.

S a d a k o     S a s a k i

Quando lançaram a bomba atômica em Hiroshima, Sadako Sasaki estava para completar dois anos. Aparentemente ilesa, escapou com a mãe e o irmão mais velho. Até os doze anos, aparentava ser uma menina saudável. Certa manhã, sentiu-se mal. E, no hospital veio o diagnóstico: leucemia, câncer no sangue, a "doença da bomba atômica".

Outras crianças de Hiroshima começaram a ter os mesmos sintomas e quase todas morriam.

Sadako não queria morrer. Sua melhor amiga contou-lhe a lenda dos mil tsurus. Sadako resolveu encarar. Ia lentamente dobrando e dizendo: "Eu escreverei paz em suas asas e você voará o mundo inteiro”. Enfraquecida, ela não teve forças para dobrar os mil pássaros, e em 25 de outubro de 1955, rodeada por sua família, dobrou seu último tsuru. Seus colegas de classe dobraram os que faltavam para que fossem enterrados com ela.

Sua determinação e paciência é um referencial mundialmente reconhecido. E, em sua memória e de todas as crianças feridas ou mortas pelo efeito da bomba, foi construido em Hiroshima o monumento da Paz. Nesse monunemto há vários conjuntos de mil tsurus vindos de todas as partes do Japão. São feitos por alunos de escolas, associações, enfim por grupos de pessoas que se uniram para pedir uma coisa: paz.


É verdade, para dobrar mil tsurus é preciso união, esforço e fé de muitas pessoas, formando-se assim uma corrente de pensamento positivo.  Nessa foto aí, a menina Sadako estava com 12 anos de idade.

Pronto, foi esse acontecimento que lembrei quando li a postagem do Hamilton.
Agora, vamos dobrar tsurus?


Espero que gostem.
Beijos e bom domingo.
Postar um comentário