05 agosto, 2010

CHORAMINGAR

Bom Dia, pessoal,
Chuva que não pára e muuiiito friooo em Porto Alegre, br-br-br, mas insisto, Bom dia!

Tenho acompanhado alguns textos em blogs, sites, jornais impressos, etc, onde o pessoal põe a boca-no-mundo, traz a público as mazelas, os desmandos, enfim a corrupção que grassa pelo país.

É muito bom e concordo com tudo. O povo tem que saber o que está acontecendo nos bastidores. Tem que saber que nossos governantes só pensam no seu próprio umbigo, que o país está jogado às traças e que as pessoas que, com seu trabalho, realmente sustentam a nação, estão abandonadas, sofrendo..., assoberbadas de impostos. E que é urgente fazer alguma coisa para conter esse estado de coisas.

Mas fazer o quê?

Pense comigo. Fazer uma reclamação geral? Outra? E mais outra? Ora, isso todo mundo faz. Aliás é só o que fazem. E adianta alguma coisa? E já adiantou? Onde? Estou falando de resultados, de concretude. 

E trago aqui essas questões porque percebo que nós (o povo), estamos de mãos atadas, reclamamos ao vento. Não podemos contar com ninguém, pois os poderes que, teoricamente, deveriam "olhar" para o nosso Direito, ficam só no teoricamente.

E mais, se algum contribuinte litiga contra os poderes públicos e depois de muito lutar, obtém uma vitória no judiciário, pode saber, no outro dia, sai uma lei em cima daquela decisão, e derruba qualquer possibilidade de outros contribuintes, porventura na mesma situação, terem seus direitos reconhecidos em juízo. Isso não é segredo. Está estampado na jurisprudência de nossos tribunais. É só ler. É o nosso direito que está em jogo. Nossa cidadania.

Misericórdia.

Inobstante, continua escrito no artigo primeiro da Lei Maior que "A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito..."  E os poderosos torcem o nariz: a lei, ora a lei!

Forçoso concluir que o povo já era. Nossas palavras não têm qualquer valor. Temos sido muito ingênuos. Fiscalizar o quê? Exigir o quê? Como? Com que ferramentas? O povo invisível vai fazer o quê? Só choramingar. É isso que temos feito. 

Aí você pula e diz, ah, temos o voto. E eu pergunto, onde está a força do voto, se em nosso pais, a maioria dos votantes, em algum momento de sua vida já passou até fome? Sequer entende o que lê? E se contenta com uma torneira e uma única lâmpada pra iluminar sua moradia miserável? E vive ganhando presentinhos?

Você viu. Eu não tenho respostas, só perguntas. Mas, apesar de tudo sou a favor dos choramingos. Mas tem que ser muiiito alto. Mesmo. Temos que continuar, não podemos desistir. Talvez um dia, temendo ficar surdo, alguém nos ouça.

Registro aqui minha posição, pois não quero ir para o inferno. Rsrs.
"O inferno reserva lugar para aqueles que, mesmo nos momentos de profunda amargura, permanecem na neutralidade, sem denúncia e sem louvor"  Dante Alighieri "A Divina Comédia" Ato III.

Ô gente, isso foi só um desabafo, hehe.
Até amanhã, na blogagem coletiva.

Beijos.
Postar um comentário