22 outubro, 2013

UMBIGO DO MUNDO


Tem gente que não consegue ficar um minuto sem pensar no seu próprio umbigo. Simplesmente empacou nessa temática: elas são o centro do universo, o umbigo do mundo, e azar dos outros. Por mim, elas podem empacar por aí à vontade. Não compartilho desse egoísmo e vaidade. Quando percebo que uma pessoa está sempre se projetando diante de qualquer coisa que aconteça, simplesmente a ignoro, com essa carta não tem jogo. Imagino que se tentasse bater de frente com pessoas assim, de certo que eu não teria a menor chance. O umbigo delas é imenso, cansativo, e fica à toa num mundo fantasioso que serve apenas como cenário para o personagem inigualável do “eu” delas. E, do lado de cá, me deparo com o meu próprio "self" que não tem mais paciência para incentivar, nesse tipo de gente, o interesse transcendental pelo todo, pelo plural! Deixa assim, nem quero saber.

Nada contra as pessoas pensarem em si mesmas, afinal nosso maior interesse enquanto seres humanos é mesmo o nosso “self”. E acho muito natural que pensemos em nós, inclusive com uma certa dose de egoísmo. Mas tudo dentro dos conformes. Egoísmo demais é mania, é morbidez. E disso, quero distância. Enfim. Todo esse papo pra contar que... -- é, acontece, às vezes-- dia desses abandonei uma conversinha de fim de tarde. Retirei-me. Inventei uma mentira deslavada e caí fora. Preferi olhar a vida, observar as pessoas, os animais, as plantas, as coisas... E fui respirar. E foi a melhor coisa que fiz. Voltei para casa e caí satisfeita nos braços do Morfeu! Rsrsrs.

Marli Soares Borges, 2013.
Postar um comentário