25 novembro, 2010

BLOGAGEM COLETIVA - MINHA IDEIA É MEU PINCEL

Olá todo mundo!

* O tema é a tela "Auto retrato" de Frida Kahlo.


Frida me lembra Hilda e Hilda me lembra Frida. Não sei... é uma coisa que acontece naturalmente na minha cabeça, sem explicação. Talvez por serem ambas donas de uma personalidade indômita: Frida Kahlo (na pintura) e Hilda Hilst (na literatura). Talvez por elas terem criado uma obra polêmica, vigorosa e impactante, ou porque seus universos estejam revelados em seus trabalhos com uma beleza e sensibilidade fora do comum. Sei lá, mas o fato é que no meu sentir, essas duas grandes artistas retrataram-se em sua obra como poucos tiveram a coragem de fazer. E não tem como não se empolgar vendo as telas de Frida e lendo os textos de Hilda, embora eu ache impossível tentar entender suas manifestações artísticas, sem antes conhecer um pouco de suas vidas. E conhecendo um pouco, você há de concordar comigo, o talento das duas é imune à passagem do tempo.

Colo aqui para você ver uma das telas que mais aprecio do acervo de Frida e também um dos textos ímpares que Hilda escreveu.

Enjoy.


"A CAMA VOADORA" - 1932
Aborto, frustração, experiência traumática.
Frida perdeu a criança que tanto desejava.

HILDA HILST
T ô    B r i n c a n d o    d e    I l h a
Vamo brincá de ficá bestando e fazê um cafuné no outro e sonhá que a gente enricô e fomos todos morar nos Alpes Suíços e tamo lá só enchendo a cara e só zoiando? Vamo brincá que o Brasil deu certo e que todo mundo tá mijando a céu aberto, num festival de povão e dotô? Vamo brincá que a peste passô, que o HIV foi bombardeado com beagacês, e que tá todo mundo de novo namorando? Vamo brincá de morrê, porque a gente não morre mais e tamo sentindo saudade até de adoecê? E há escola e comida pra todos e há dentes na boca das gentes e dentes a mais, até nos pentes? E que os humanos não comem mais os animais, e há leões lambendo os pés dos bebês e leoas babás? E que a alma é de uma terceira matéria, uma quântica quimera, e alguém lá no céu descobriu que a gente não vai mais pro beleléu? E que não há mais carros, só asas e barcos, e que a poesia viceja e grassa como grama (como diz o abade), e é porreta ser poeta no Planeta? Vamo brincá
de teta
de azul
de berimbau
de doutora em letras?
E de luar? Que é aquilo de vestir um véu todo irisado e rodar, rodar…
Vamo brincá de pinel? Que é isso de ficá loco e cortá a garganta dos otro?
Vamo brincá de ninho? E de poesia de amor?
nave
ave
moinho
e tudo mais serei
para que seja leve
meu passo
em vosso caminho.

Vamo brincá de autista? Que é isso de se fechá no mundão de gente e nunca mais ser cronista? Bom-dia, leitor. Tô brincando de ilha.
Beijos
(Crônica de Hilda Hilst publicada no “Correio Popular” de Campinas-SP)

* Blogagem coletiva proposta pela Glorinha do Blog Café com bolo
Postar um comentário