05 outubro, 2010

SABIÁ-LARANJEIRA

Olá, pessoal.

Todos esses que aí estão atravancando meu caminho, eles passarão... eu passarinho! Aposto que você já conhece esses dizeres, não é? São dele, Quintana, nosso simpático (e injustiçado) velhinho. A propósito, hoje é 5 de outubro, "Dia da Ave". É o dia também do sabiá-laranjeira, pássaro brasileiro, a ave-símbolo do Brasil.


Muito tempo antes do presidente Fernando Henrique Cardoso assinar o decreto que elevaria o sabiá à categoria de ave-símbolo do Brasil, a voz do poeta Gonçalves Dias já se fazia ouvir na "Canção do Exílio" (1843), quando, com saudades da pátria, lembrou a figura do sabiá. "Minha terra tem palmeiras, onde canta o Sabiá"

O sabiá é uma ave muito querida de todos nós. Ele tem hábitos simples e é nosso companheiro em todos os lugares onde a gente vive, no campo ou na cidade. Mas para que o sabiá pudesse juntar-se oficialmente e figurar no mesmo patamar de importância que possuem os quatro símbolos nacionais existentes – a bandeira, o hino, o selo e o brasão de armas, ele teve de ser escolhido entre quase duas mil espécies de aves.

O critério de escolha ora recaia na plumagem, ora recaia no canto, na moradia, etc. Enfim, critério foi o que não faltou. Alguns queriam para representar o país uma ave que ostentasse uma plumagem com as cores brasileiras, outros achavam que seria mais adequado uma ave com um canto mais raro. E por aí seguiram os argumentos.

Mas, no meu pensar, o ornitólogo Johan Dalgas Frisch, argumentando a favor do sabiá, colocou uma pá-de-cal sobre o tema quando disse: "Não adianta uma ave-nacional com a qual o povo não tem contato." E prossegue: “Não é só beleza, ou só o trinado mais harmonioso que conta para ser ave-símbolo de um país. É preciso fazer parte da cultura, do folclore, ter presença na literatura, na poesia, na música e viver perto das pessoas." E isso, digo eu, todos sabemos, é com o sabiá!

Já estamos acostumados. Desde criança a gente ouve o canto do sabiá e os vê pousados nos galhos das árvores. Inúmeras vezes vemos eles andarem no solo, catando minhocas e pequenas frutinhas para se alimentar. Eles vem de mansinho e se aproximam de nós. São eles que se aproximam de nós. Quando se acostumam com a gente, ah, aí eles nem se importam mais com os movimentos do nosso andar. Ficam por ali mesmo, nos fazendo companhia, felizes da vida.

Onde moro vivem muitos sabiás, eu os vejo todos os dias, e na primavera, acordo sempre ouvindo aquele canto inconfundível. Agora, preciso confessar uma coisa: Para mim o cantar matinal do sabiá, me deixa muito animada, mas quando ele canta depois do almoço e estou no escritório (na cidade), me dá uma preguiça, que só vendo.

Um parêntese: Você já sabe, mas não custa lembrar: moro num sítio, em zona rural. Meu escritório é que fica na cidade, e bem na janela tem uma árvore gigante, um condomínio de sabiás.

Não sei nada científico a respeito do sabiá, mas andei dando uma olhadinha rápida e fiquei maravilhada com a quantidade de informações que povoam a web. Só sei que na vida e nas artes em geral, temos registros belissimos sobre essa criaturinha tão simples e dócil que é o sabiá. Em tempo: lembra aquela música "Sua Majestade o Sabiá"? Linda, não? Clique e ouça aqui. Antes veja alguns versos.
Ah! To indo agora pra um lugar todinho meu
Quero uma rede preguiçosa pra deitar
Em minha volta sinfonia de pardais
Cantando para a Majestade, o Sabiá
A Majestade, o Sabiá.
Ei, já estou me estendendo demais. Contudo, é impossível finalizar esse post, sem trazer um dado científico que li num texto sobre o sabiá: "No reino de sua majestade, o sabiá, machos e fêmeas ... e ambos constroem o ninho." Sublinho: "ambos constroem o ninho".


Esse companheirismo não é maravilhoso?

Gente, fui. Até breve.
Postar um comentário