08 outubro, 2010

APOIO LOGÍSTICO

Olá, todo mundo!

Aconteceu há muito tempo atrás e foi tão inusitado que nunca mais esqueci. Meus filhos eram bem pequenos. Eu estudando e trabalhando, num malabarismo sem igual. Minha avó me dava uma baita ajuda com as crianças, mas apesar de tudo, pra dar conta do recado eu dormia muito tarde e pulava supercedo da cama. Acordava moída. Já viu, era eu e o zumbi, rsrs!! Até o dia em que não aguentei mais e resolvi buscar um apoio logístico. Óbvio, empregada doméstica, só podia. Anunciei no jornal e num passe de mágica, elas apareceram. Muitas, milhares, o mundo inteiro. Ufa! Era só entrevistar e contratar. Mãos à obra! Entrevista daqui, entrevista dali e eis que uma delas, antes que eu abrisse a boca, interpelou-me: quanto é que a senhora paga? Bom, respondi, faça sua proposta, quanto você quer ganhar pelo teu trabalho?


Aí ela me vem com essa pérola: "eu cobro x se for sem pense e x+y se for com pense". Caracas. Nem é preciso dizer que caí de cara e nadei direto na maionese. Meu Deus, que é isso? Que história é essa de "com pense" e "sem pense"? E porque diabos "com pense" é tão mais caro? Well, well, explica esse babado aí, garota, que não entendi bulhufas. Ah, é bem simples, ela falou: "se eu tiver que pensar o que vou fazer de comida todos os dias é x+y. Se eu não tiver que pensar, ou seja se a senhora me disser que comida devo fazer é x."

Gente, derrubei o queixo.

Se a contratei? Não. Muito espertinha ela. Esperteza do mal, não gostei. Contratei outra, inteligente e esperta, mas do bem. Trabalhou comigo por muitos anos. Depois mudei de cidade e ela teve que ficar. C'est la vie.

Em tempo: devo um agradecimento ao meu marido que nunca me deixou na mão. Ele sempre dizia: se precisar, te dou uma força, falto o serviço e te ajudo. E precisei da força, muitas vezes.

Beijos.
Postar um comentário