05 junho, 2014

O DIÁLOGO



R. Magritte  - "O Professor"


Bom dia a todos.


O diálogo representa para mim, uma grande possibilidade de evoluir... de respirar. Dialogando amenizo o desespero pungente que sinto quando estou com o pensamento guardado. No diálogo meu pensamento respira. 

Ontem meu filho estava muito feliz. Foi um sucesso a palestra que ele fez no estúdio, para uma turma de universitários, a convite da universidade. Estavam todos interessados em seu trabalho, no que ele mais gosta de fazer: produzir música. E à noite, aqui em casa, estivemos os três, meu filho, minha nora e eu, num diálogo muito bonito. Iniciei perguntando sobre a palestra e estendemos o nosso bate papo sobre vários assuntos. E o resultado foi, que tivemos aprendizados e ensinamentos. E, no final das contas, estávamos todos interessados em pensar o presente e o futuro das artes - da música principalmente -, e das letras em nosso país.

E porque estou pensando em nós ontem, que dialogamos, ouvimos, falamos e pensamos juntos, que aprendemos e ensinamos, decidi escrever esse texto. E porque foi tão salutar e revigorante nossa conversa, acabei pensando na não-conversa dos poderosos que, autoritários e preconceituosos, abominam qualquer relação dialogal que possa trazer aproximação entre uns e outros.

Eles não se preocupam em ver a existência do outro e muito menos em saber como o outro pensa. Eles acreditam que encontraram a verdade antes de todo mundo e que, por isso, estão autorizados a usá-la em seu favor, como arma, para humilharem os outros, os burros, que é assim que apelidaram os que discordam de seus axiomas. Essa gente não tem afetos, estão sempre em busca de poder, não importa qual, por menor que seja, desde que represente um poder. Das duas uma, ou não têm cérebro, ou seu autoritarismo é tanto que paralisou seu pensamento, pois a única coisa que eles conseguem fazer intelectualmente é produzir negações abstratas sobre quaisquer assuntos que cheguem aos seus ouvidos. Gente assim, ignorante e fascista, não se dá bem com argumentos. E foge do diálogo, como o diabo da cruz. 

E os que valorizam o diálogo e a reflexão? Onde ficam em tudo isso? Bom, eu continuarei por aqui, em busca da luz do saber. Sabe de nada inocente. Rsrsrs.

Beijos
Marli
Postar um comentário