07 junho, 2014

AS PALAVRAS E OS ANJOS

anjos

"A morte e a vida estão no poder da língua; e aquele que a ama comerá do seu fruto." 
Provérbios 18:21

"Guarda tua língua do mal, e teus lábios das palavras enganosas." 

Salmos 34:13

A linguagem -- falada e escrita -- dirige nossos pensamentos para focos específicos e nos ajuda a criar a realidade, limitando ou potencializando nossas possibilidades reais. Saber usar a linguagem com precisão é essencial para nossa vida. Afinal, é através da palavra que nos comunicamos uns com os outros.

As palavras são manifestações soberanas de nossos pensamentos e podem nos salvar ou infernizar nossa existência. É mais ou menos assim: você fala, e ao falar está ouvindo a sua própria voz. E se levarmos em consideração que nosso inconsciente registra e assume como verdade tudo o que a gente diz, aí está um bom motivo para termos cuidado com nossos ditos e imprecações. Nessa vibe, todo tipo de percepção que tivermos irá fazer diferença, pois quanto maior a noção de linguagem, maior nosso entendimento do mundo e como diz Ludwig Wittgenstein, "os limites da minha linguagem são os limites do meu mundo".

E, ademais, tem os anjos. E tem nosso anjo-da-guarda pessoal, que fala conosco por intermédio de nosso inconsciente. Como assim, Anjos? Isso mesmo. Andei lendo uma literatura especializada e fiquei sabendo que os anjos são seres etéreos que vivem no astral, adejando a nossa volta e sempre atentos a tudo o que dissermos. Como são éteres, eles não têm memória e nunca julgam o que a gente fala, apenas limitam-se a nos ouvir e a dizerem amém. Já viu, a gente fala e os anjos dizem amém! Desta feita, nossas falas assumem contornos... exponenciais. Mamma mia! A explicação está em que "não somos seres humanos vivendo uma experiência espiritual, somos seres espirituais vivendo uma experiência humana”.

Bom, recado dado.

De qualquer forma, mesmo que você ache essa história de anjos, uma grande besteira e não acredite em nada do que falei, é bom lembrar que a comunicação é tudo que temos para nossas interações e que isso, por si só, já é o bastante para exigir de nós um manejo cuidadoso e atento das linguagens que utilizamos no dia a dia. 

Marli Soares Borges
Postar um comentário