30 abril, 2014

DA SÉRIE GATICES II


Vida dupla, coisa de humanos? Sei não.

Mondongo Borges
“Gatos são pessoas misteriosas.
Há mais coisas passando naquelas mentes do que nós podemos imaginar” 

(Sir Walter Scot)


Ontem o Dongo só veio aqui à noite e confesso que eu já estava com saudades. É a primeira vez que vejo um gatinho vivendo uma vida assim, morando em duas casas. Admiro a desenvoltura com que ele transita nesses dois universos. Mas eu queria mesmo era saber o que ele pensa, tenho certeza que pensa, e muito. Quando ele me olha com aquele olhar dourado e "arruma" suas orelhinhas, é óbvio que está pensando. Aqui um parêntese, preciso dizer uma coisa, apesar de eu ser avó, é a primeira vez que convivo com um gatinho. Por isso, tantas novidades, (sim ainda existe primeira vez para mim, rsrsrsrs.)


Nossa, como ele dorme, fico abobada. Outra coisa, tenho certeza que ele confia em nós, mas ao mesmo tempo ele me parece tão desconfiado. Ouvi dizer que os gatos são assim mesmo, desconfiados e dorminhocos. O Nilton diz que ele é assim porque é um felino e um caçador nato. Um caçador? Essa é boa, diz o Mateus. Caçador que não caça, que só come e dorme! Nunca vi.


Na minha opinião, o Dongo é muito mais que um caçador ele é um gatinho superespecial, um frajolinha muito fofo que me faz companhia todas as tardes. Batemos longos papos, mas eu sempre acabo falando demais, avemaria, como falo abobrinhas! E ele fica ali me ouvindo, com toda a paciência do mundo, e ainda faz "zóinho" para mim. E depois suas pupilas se dilatam e ele me encara, e ele sabe que esse olhar amolece os corações mais duros. Óbvio que não resisto, eu morro! Abraço-o, e então eu posso ouvir aquele ronronar baixinho, como um motor.


Ora se ele fosse somente um caçador, agiria assim? Jamais. Quer saber? Desde que ele me ensinou seu código secreto, eu descobri que na verdade, ele até pode ser um felino-caçador, mas antes de tudo, é um grande filósofo, uma criatura cativante e mágica. Suas palavras são poucas, mas incrivelmente objetivas e abrangentes, -- sim, eu sei que isso é próprio dos sábios--. A senha é singela: "MIAU". Com um simples miau e algumas entonações específicas, ele diz tudo o que precisa ser dito!


Ele anda pela casa atrás de mim, sempre. E só bebe água direto da torneira, água no potinho não tem vez. E se fico aqui no computador, ele me acompanha, e se me descuido ele vai direto para o teclado, porque acredita que tudo que existe por aqui faz parte de seu acervo pessoal. E alguém por acaso, ousa duvidar? À noite quando me sento para ver TV, ele se instala no meu colo, e fica ali atiradaço, até a hora de voltar para casa.


É. Mas nem tudo são flores e ele adora mordiscar as folhas do bonsai do Nilton. Nossa, tive que tirar de circulação, imagina só quem morre, se o Dongo detonar um bonsai de 33 anos?!


Minha filha diz que os animais também têm seus carmas e dharmas e eu acredito que sim. Até porque o Dongo é um caso típico de dharma: a Michelle o encontrou no lixo, um micro-gatinho, todo enlameado, no portal da morte. Então, tem gente que diz que ele tirou a sorte grande, pois agora tem uma família, pai, mãe e avós, que lhe dão afeto, amor e atenção. Mas eu sei que essa sorte não foi só dele. Também nós, eu e Nilton, Mateus e Michelle, fomos premiados com esse bilhete.

- Marli Soares Borges -



Em tempo: Só para esclarecer: o Dongo é "filho" da Michelle e do Mateus. E o nome oficial dele é Mondongo Borges - https://www.facebook.com/mondongo.borges?fref=ts
Postar um comentário