28 fevereiro, 2014

TORTURA CHINESA


Eu estava muda. Ela falava alto e gesticulava... e quase gritava. Não estava gostando de nada, nem de ninguém, a começar pela recepção e administração, incluindo garçons e jardins. Ninguém e nada prestava. O cardápio era uma droga, os guardanapos eram descartáveis, de papel, onde já se viu? E enquanto anunciava que era muito viajada seguia atropelando as palavras. Como é mesmo o seu nome? Marli, eu disse. Ah, sim, o meu é Amália, prazer. Olha, Marli, digo isso porque conheço o mundo inteiro, já me hospedei em diversos resorts e esse aqui é só mais um. Sabes, Marli, sou ativista social na rede. Você sabe o que é isso? E enfatizou: a-ti-vis-ta-so-ci-al. Você não me conhece, eu faço estragos na internet! E esse resort vai sentir o meu poder, vou terminar com ele. Não se trata de dinheiro, que isso não é problema para mim, sempre ganhei e ganho muito bem, e blablablá. Bom, aí então, ela só faltou me dizer que tinha um jatinho, ali na frente, esperando suas ordens para decolar.

E não parava. Mas como, nesse resort não tem um transporte interno até a praia, só para os idosos? E não tem alimentação especial para obesos? (Aí eu, discretamente, dei uma visualizada no shape: ela era grande, em altura e em largura. Avantajadíssima). E você notou que não tem alimentação especial para crianças e que as babás só trabalham até as seis? E o spa que não funciona 24 horas, um horror. E os jardins, pra quê tanta coisa? Salão de jogos, que bobagem. Meu neto, pobrezinho, ele veio comigo, junto com minha filha e meu genro, e ele só tem dois anos e ele não está tendo o que fazer! E a sauna, o que é aquilo? E a hidromassagem? É tudo muito desnecessário, afinal as pessoas estão em férias. E repetiu, aumentando os decibéis: des-nes-ces-sá-ri-o! Olha Marli, juro por Deus, eu não sabia. É a primeira vez que venho para esses lados e estou achando tudo muito caro! Olha, com esses preços, nunca mais! Se eu soubesse que esse resort era tão caro eu não teria vindo! E nem adianta você me dizer que está adorando e que você está se divertindo e que você adora praia, que não vou acreditar. (Detalhe: eu não disse uma palavra, não consegui sequer abrir a boca). Muito chato a gente topar com figuras assim, descompassadas. Avemaria!

Incrível como são as coisas, sem mais nem menos, ela me abordou: bom dia, vai a praia hoje? (eu estava batendo fotos). Pronto caí na rede! E o preço? Esse sim, posso afirmar que foi caro demais. Ninguém merece ouvir tantos desatinos numa manhã de férias. No final das contas, eu já estava era querendo matar meu marido, que não aparecia para me salvar. "Não quis atrapalhar a conversa" ele me disse mais tarde, se matando de rir. Engraçadinho! Mas, enfim, relatei o fato.

Tem gente que não se toca mesmo e não importa a idade, a propósito, a tal senhora tem 63, dois menos que eu. Nossa, morro e não vejo tudo. E não é que no dia seguinte, avisto a mesma figura, alugando a orelha, ou melhor, torturando um dos jardineiros? Coitado. 

Em tempo: o fato é real, aconteceu na semana passada, durante nossas férias em Fortaleza, mas o nome da senhora é fictício.

- Marli Soares Borges -
Postar um comentário