11 junho, 2011

EM BANHO-MARIA

Olá turma,

Poucas vezes encaro a direção do carro. Por uma questão de foro íntimo: não gosto de dirigir. Ainda mais nesse trânsito maluco. Meu marido, filhos, genro e nora dirigem para mim. Dirijo só por necessidade. Logo, nunca considerei a hipótese de dirigir a caminhonete de minha filha. Quando ela me falava, mãe é mais fácil pra ti, experimenta, é tudo automático, tu não tens que te preocupar com nada e blablablá, eu recorria a todos os chavões pra encerrar o assunto: só dirijo o meu peugeot. Ponto. E quando eu quiser. Ponto. Pra que vou pegar essa enorme caminhonete, sem embreagem? Sem mudanças? Tô fora.

Hoje, depois de ter dirigido, por absoluta necessidade, durante uma semana inteirinha, a tal caminhonete, já penso diferente. Quer saber? Amei! Moleza, é só cuidar o volante. Um legítimo carro de preguiçoso, rsrs. Acelero e ela anda; freio e ela pára. E na subida, arranca sem descer um centímetro para trás. (Seguinte: esse é um segredo que conto só pra você, pois pretendo continuar no meu embalo de sempre, com motoristas e tudo o mais, hehe).

Chega de papo furado. Falei, falei e não contei o que me levou a encarar a direção com tanto empenho. Olha só. Meu marido aprontou. Esse verbo aí fica por conta da minha netinha: "Ô vô, que foi que tu aprontou?" Malandra. Rsrs.

Ele quebrou a perna direita em cinco lugares. C i n c o. Ninguém merece. Segunda vai direto pra cirurgia. Estamos no maior sufoco, rezando, pedindo a proteção divina. Que coisa, ele estava aqui no sítio, simplesmente caminhando, quando trancou o pé na raiz duma árvore, o corpo alavancou e pimba! Agora? Bom, agora os cuidados necessários. No mais, ele precisa de duas coisas básicas: espaço pra espichar a perna e... motorista! Tsc, tsc. Sentiu?

É neguinha, chegou a tua vez. Hora de arregaçar as mangas e carregar o marido pra lá e pra cá, enquanto for necessário. Onde? Na caminhonete, oras! Com aquele espação não tem perna que aperte. Ainda bem que a Hilux SRV - é esse o nome dela - já me tranquilizou: vai me levar pra onde eu quiser, é só acelerar e frear. Touché.

Moral da história: "nunca despreze a caminhonete de sua filha, um dia teu marido pode aprontar, e você vai precisar umas caronas, e então...".

Beijos a todos
Postar um comentário