26 novembro, 2013

DE FASCÍNIO EM FASCÍNIO

Adoro a emoção que vem quando mudo meu centro de interesse. Revivo, quero fazer isso e aquilo, quero mais e mais, quero mexer com a vida, mexer a panela dos doces e lambuzar meu coração. Paro imediatamente de bater os pinos e a criança que habita em mim se move de um fascínio para outro com olhos de primeira vez. Muitas vezes me parece que esse sentimento é imaturo, que eu deveria manter um padrão de interesse por mais tempo, um padrão compatível com minha maturidade, -- aiai sou tão madura -- mas na verdade, eu sigo querendo o que sempre quis: que os fascínios continuem comigo, tomando conta da minha cabeça, dos meus sentidos, de todo o meu ser! Quero aguçar meu sexto sentido, afinar minhas percepções e ampliar minha leitura de mundo. Essa dinâmica me move e fascina. No passado eu nutria uma certa inveja dos pintores e fotógrafos, porque me parecia que o trabalho deles era puro fascínio, na medida em que nada se repetia, que o fascínio sempre se renovava porque amparado na incidência da luz, que modifica completamente o cenário. Mas eu estava errada, comprovei mais tarde. O fascínio não tem nada a ver com a superfície, ele é uma mágica interior que pode acontecer milhões de vezes na vida de cada um de nós. É coisa do espírito, e vibra quando é movido pelo interesse verdadeiro, esse impulso interior que coloca os sentidos em sintonia com a energia vital e aciona o processo criativo. Ou seja, a gente só se interessa pelo que realmente nos fascina, por aquilo que nos fala ao coração. Aí a gente volta a engatinhar e abraçar as novas experiências da vida.  Marli Soares Borges

* Obrigada por compartilhar esse post com seus amigos.
* "De Fascínio em Fascínio" foi publicado pela primeira vez no "Blog da Marli"
Postar um comentário