18 junho, 2013

PACIÊNCIA, PRA QUE TE QUERO AGORA?

"Se o mundo pensou que somos um povo sem educação por causa das vaias à Dilma, acertou! Sem educação, sem saúde e, finalmente, sem paciência!"
Pincei os dizeres da internet, hoje pela manhã. A frase é lugar comum, mas tem uma palavra que diz muito sobre as manifestações populares que movimentam o panorama atual: nossa paciência já era. O povo não aguenta mais esses governos que nos governam em nome da esperteza, da mentira, da vantagem, da audácia e da corrupção. Contra esses, perdemos a paciência. Lembro de ter ouvido, não sei onde, que precisamos lutar: bater, bater e bater. Concordo. Limpar o caminho dessa manipulação diabólica, desse lixo que atrapalha a vida do povo é uma atitude que se impõe! De agora em diante, após dar a cara a tapa nas manifestações, todos nós teremos de estar em constante alerta para protestar. Se quisermos realmente mudar esse estado de coisas, a tolerância terá de ser zero para quaisquer desmandos governamentais que assaltem nosso bolso, nossa inteligência e nossas vidas. Sim, somos assaltados na vida, à luz do dia, à luz de todos os dias. Chega, estamos cansados e esgotados. O leite secou. Mas aí me bateu a dúvida. Já temos presente o que iremos fazer depois que a banda passar? Ora, a resposta é crucial ou iremos adicionar à nossa história uma frustração eterna por havermos protagonizado uma linda, expressiva e... vazia manifestação! Temos de ter diretrizes: saber o que, como, quando, onde e porquê. Coisa básica, mas que irá orientar nossa prontidão, pois, a qualquer hora, sempre que necessário, teremos de estar disponíveis para ir às ruas, tirar os entulhos e afastar os tropeços. E mais, precisamos força e lucidez para lidar com os "cobras mandadas", aqueles aproveitadores que infiltrados, agem na base da baderna, da violência, do terror e da provocação, no afã de legitimar a truculência da polícia e desmerecer as manifestações pacíficas e legítimas do povo, que protesta apenas pelos direitos que lhe pertencem.

© Marli Soares Borges, 2013
Postar um comentário