07 outubro, 2014

A CHAVE DE OURO

a chave de ouro
Imagem: Google

De onde saiu essa ideia de que você é inferior aos outros? Não sabe? muito menos eu. Mas quem de nós não tem os seus senões? Todo mundo tem e ninguém está livre de um dia amanhecer travado, com a cabeça cheia de grilos... não vou conseguir, não sou importante, fulano é isso e aquilo, e eu? Calma, isso passa. Amanhã será outro dia. Mas se você anda tendo esse tipo de sensação com certa frequência, fique alerta, isso pode aniquilar sua autoestima e ferrar com sua vida. Tenho visto muita gente inteligente, jovem, competente, etc, com um futuro brilhante pela frente, mas que vive meia-vida, amargando insucessos pessoais e profissionais, tudo por causa dessa maldita sensação de desvalia constante. Que tal parar um pouco e pensar? Procurar se conhecer melhor, descobrir valores, prós e contras, sentir seus verdadeiros anseios.

A lição de Sócrates é clara, a gente precisa se autoconhecer para não se perder. Não há outro caminho, principalmente se levarmos em consideração essa correria insana em que vivemos. A era é dos excessos: é excesso de tudo, é uma anestesia geral que rouba os nossos sentidos e atira pelos ares a essência da nossa vida. E longe da essência, restamos aprisionados na superfície das coisas. Nossa, e como é fácil a gente se perder no meio das coisas! E você já se deu conta que são apenas coisas?

Quando adolescente li, fascinada, um conto que falava sobre a existência de uma chave mágica que abria o portal da alegria, da compreensão, da clareza e do equilíbrio da vida. Uma chave todinha de ouro! É mas na minha euforia, a princípio não me dei conta de um detalhe: não era possível manuseá-la de fora para dentro. Ela só funcionava de dentro para fora. Bom, quando entendi o senão, pulei do fascínio para a tristeza, que droga de chave era aquela, que a gente não podia usar para ajudar as pessoas a serem felizes?

Só bem mais tarde é que fui descobrir que a tal "Chave de Ouro" existe e que nada mais é, do que o autoconhecimento. Que só quando sabemos realmente quem somos, temos condições reais de buscar em nós a nossa própria essência vital. Óbvio que atingir esse objetivo não é nada fácil. Tocar a essência de nosso ser, saber quem somos, exige de nós uma parcela significativa de decisão e força de vontade. E exige ainda que abandonemos a órbita superficial em que estamos acostumados a viver nosso dia a dia. Se vale a pena? Evidente que sim. A luz é tudo de bom.

Se você está pensando nisso, em realmente saber quem é, ótimo, mergulhe de cabeça e trate de obter a chave. Examine minuciosamente o caminho íntimo da consciência, pois ninguém avança nessa seara sem um conhecimento agudo e preciso de cada uma das suas limitações. Aja com sinceridade; não trapaceie; não fuja da luz e, de uma vez por todas, esqueça as especulações! A gente só se conhece depois que assume o que nos incomoda e enfrenta a situação. Depois que você ultrapassa essas etapas e finalmente sabe quem você é, sua visão de mundo se modifica e tudo ao redor adquire outro significado. Mas por favor, não me entenda mal. Não estou aqui a fim de criar falsas expectativas.

O autoconhecimento é uma ferramenta poderosa e dinâmica, mas não é uma panaceia, -- aliás, não acredito em panaceias -- acredito que podemos tocar nossas vidas com uma certa leveza sem ter que viver refém de sensações de desvalia latentes.

Para mim, o pensamento socrático não poderia estar mais certo, conhece-te a ti mesmo para não te perderes e para saber como modificar a tua relação contigo, com os outros e com o mundo.

- Marli Soares Borges -
Postar um comentário