terça-feira, setembro 28, 2021

O LIVRO DA VIDA


Qual será a primeira história que vou ler?
O Livro da Vida

Eu sempre soube que naquele livro havia mais do que histórias. Muito mais. Aquele livro sempre me fascinou, era tão lindo, tão poderoso. Capa dura, grandes letras douradas. A lombada, a gente via de longe, tão bonita que era. E meu avô vivia lendo, que é pra ter o que te contar, menina! Depois ele guardava o livro, sempre embrulhado num papel de seda. E me contava as histórias, algumas bem tristes, outras alegres e engraçadas. E eu adorava. Ele era um homem bom, muito alegre e de bem com a vida. E sabia contar histórias com alma. E assim como eu chorava, eu também dava boas risadas.

Então cresci e fui cuidar da minha vida. 

Numa manhã, no dia em que completaria 84, meu avô se foi. Fechou os olhos tranquilamente e foi ter com os anjos. E minha vó me deu o livro, dizendo que ele havia deixado para mim. O embrulho era o mesmo, o papel de seda surrado. Eu, morta de tristeza, nem abri o pacote, era muito recente a partida do meu querido contador de histórias, o homem que recheou minha infância de quimeras. Coloquei o livro na estante e prometi a mim mesmo que um dia iria abri-lo para me deliciar. 

O tempo foi passando e minhas crianças crescendo, então lembrei do livro. É agora, pensei, vou matar vários tipos de saudade e ainda abastecer minha mente com lindas histórias para encantar meus filhos.

Feliz da vida corri para a estante. E não é que comecei a tremer? Minhas recordações avivaram-se e a emoção tomou conta de mim. Qual será a primeira história que vou ler? E qual será a primeira que vou contar para meus filhos? 

Lembrei de uma que ele contava e que sempre me fazia chorar: uma família pobre, onze irmãos, todos crianças. Os meninos ajudando na roça e as meninas em casa, cuidando dos pequenos, das limpezas e da comida. Aquela mesa compriiiiiida e aquela panelona, todos os dias... quase sempre a mesma comida, e aquela mãe, sempre trabalhando na roça com o pai, e... sempre grávida. Pobre mulher. Com aquele barrigão e arando aquela terra ressequida, dura como pedra, naquele sol escaldante. De vez em quando ela parava e secava o rosto com a ponta do avental. E colocava as mãos nas cadeiras e forçava as costas para trás, para aliviar a dor. E prosseguia.

Quase chorei de novo.

Ah, meu Deus, com tantas histórias alegres e engraçadas, fui lembrar logo dessa? Não, essa não vou contar primeiro. E eu escutava a voz dele: "espera crescer menina, tu vais encontrar muitas histórias bonitas nesse livro aqui". 

Peguei o livro e corri os olhos para o título: O LIVRO DA VIDA. 

O tempo modifica tanto as coisas... lembrei de meu avô embrulhando o livro para que não estragasse. Não adiantou. As páginas estavam amareladas, as letras apagadas e quase nada havia para ler. Inexplicavelmente duas páginas intactas. Abri. Então pude ver a letra tremida do meu avô: "Vai, menina, agora é a tua vez de ler o livro da vida! Vai e conta tuas histórias para os teus. As minhas eu já contei".

Finalmente entendi tudo. Descobri onde ele "lia" as histórias que me contava. Meu avô era o irmão mais velho numa família de onze irmãos.


- Marli Soares Borges -


NOTA:
Esta é minha participação na BC da Norma: "Histórias do viver" do Blog Pensando em Família. A proposta é utilizar a imagem do post e narrar uma história, ou seja, "selecione um fragmento, evento, uma situação ou fase significativa da sua existência para compartilhar".

43 comentários:

  1. Participação lindissima, brilhante.
    Nas histórias de cada ser humano se escreve a história da vida. Amei o final. Simplesmente maravilhoso.
    Cumprimentos poéticos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, R y k @ r d o.
      Que bom que você gostou, nossas vidas, nossas histórias. É isso, não é?
      Bjs

      Excluir
    2. É mesmo sem dúvida alguma

      Retribuo o beijinho

      Excluir
  2. UAU! Arrepiei ! Que emocionante e tão lindo! E, realmente, cada um tem o livro de sua vida e as histórias a serem pasdsadas aos filhos e netos são as nossas ou a que nos marcaram. Parabéns! beijos, chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Chica.
      Adoro emoções e tento passá-las para os meus textos. Nem sempre consigo, mas vou tentando.
      Bjs

      Excluir
  3. UAU! me emocionei com sua participação, que também me encantou. Sei do valor das histórias da vida familiar e suas repercussões na vida de seus membros. Que sabedoria do seu avô e que beleza de legado. Grata pela sua participação e partilha. bjsss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Norma.
      Meu avô foi um homem muito sábio e seu legado é único e inesquecível. Eu que agradeço a oportunidade de participar da blogagem.
      Bjs

      Excluir
  4. Bom dia Marli, um conto com emoção de um tempo de infância, que parece não existe mais. Viajei nas suas palavras e encontrei o menino ouvindo historias e causos de assombração, numa cozinha desgarrada da casa e sempre com um prato de mingau de fubá. Depois o medo no sono e os pesadelos revendo os causos e historias. Vivemos um tempo bom de contar e ouvir historias.
    Gostei amiga.
    Beijo de paz no coração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Toninho.
      Adoro contar e ouvir histórias, principalmente as histórias reais, vividas e muitas vezes sofridas. Quero um pouco desse mingau de fubá e dessas histórias de assombração. Ah, se quero!
      Bjs

      Excluir
  5. Que bela estória. Por vezes acreditei que tratava da Bíblia Sagrada.

    Boa semana!

    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Emerson.
      Não! nada de bíblia,rs. Meu livro não é sagrado. É o Livro da Vida e tem 'recuerdos' da minha vida, nua e crua, sofrida e colorida, minha vidinha essa daqui, ó. O que é sagrado mesmo é o sopro da vida que Deus me deu, isso sim.
      Bjs

      Excluir
  6. Olá Marli
    E a emoção tomou conta de mim ao ler a sua história.
    Linda demais!
    Fiquei encantada!
    Te desejo uma abençoada nova semana.
    Beijinhos
    Verena.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Verena.
      Emoção é tudo de bom. Que bom que você gostou.
      Bjs

      Excluir
  7. Amei a tua participação, Marli, cheia de emoções e encantos. A vida com os seus detalhes e lembranças. Que bom que pela formação que teve e o carinho tão grande do sábio avô, hoje você tem muitas histórias para contar e abençoar a quem as ouve.
    Um grande abraço ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Anete!
      Fico muito feliz que você tenha gostado e se emocionado. É tão bom, não é?
      Bjs

      Excluir
  8. Uma participação muito bela e esmerada. Amei!:)
    .
    A ousadia dos sonhos...
    .
    Beijos, e uma boa noite! :)

    ResponderExcluir
  9. Histórias infantis pega a gente pelo coração e a nostalgia se instala, Marli , eu que o diga já que estou revivendo as peraltices dos filhos , com um neto que caiu aqui no meu colo risos
    E haja histórinhas da vida toda...
    As participações nos Desafios Literários é uma fonte de inspiração que desafia essa gente boa nessa Arte de ler e escrever. Muito bom,Marli
    deixando abraços e agradecendo sua visitas, somo uns ausentes sempre presentes. Isso também, eu gosto .

    Eu amo ler!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Lis.
      Gostei dessa: "ausentes sempre presentes"
      E que ninguém duvide!
      Bjs

      Excluir
  10. Que linda história Marli!
    Que bela história, bela representação a sua, uma lição de vida!
    *Fez-me recordar as histórias que meu pai contava, era um grande contador de histórias baseadas em fatos reais.

    Tenha uma feliz noite.
    Beijos com carinho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Fatyma.
      Recordar é viver. Vamos recordar.
      Bjs

      Excluir
  11. Uma história encantadora...uma lição de vida, recheada de amor e há novas histórias a escrever a partir dessas memórias.
    Obrigada pela visita; hoje há um desafio no Com Amor.
    Espero que participe...
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Marta.
      Que bom que você gostou.
      Bom final de semana
      Bjs

      Excluir
  12. Parabéns Marli.
    Uma participação tão bem descrita e emotiva, que me emocionou e cativou desde à primeira à ultima palavra.
    É um dom saber escrever histórias, com essa ternura na palavra.
    Obrigada por este belíssimo momento.

    Beijinho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Fê.
      Você é muito generosa, querida amiga. Não estou com essa bolinha toda, rs, mas, um elogio assim, vindo de você, uma pessoa que tem uma escrita maravilhosa, me faz muito feliz. Obrigada, de novo.
      Bjs

      Excluir
  13. Bom dia, Marli.
    Obrigada por brincar junto lá no blog.
    Te desejo um lindo dia.
    Beijinhos
    Verena.

    ResponderExcluir
  14. Realmente é um belo livro da vida!!! 👏👏👏

    ResponderExcluir
  15. Boa tarde Marli,
    Que história de vida tão linda!
    Seu Avô era um Sábio!
    Deixou-lhe um legado muito importante.
    Emocionei-me, porque também tive um Avô muito especial!
    Um beijinho, Amiga, e bom fim de semana.
    Feliz outubro.
    Ailime

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Ailime.
      Você se emocionou e lembrou de seu avô? Ah, isso é bom demais! Escreva sobre seu avô, estou louca para saber!
      Bjs

      Excluir
  16. Ainda tenho doces e café fresco no 'A Vivenciar'...
    Bom fim de semana, Marli. Bjs.
    ~~~~~~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marli, peço desculpa por não ter comentado o seu texto, mas estava convencida que o tinha feito...
      Por vezes acontece ter que interromper o comentário por algum motivo e fico só pela leitura...
      Uma participação comovente e ótima. Beijos.
      ~~~~~~~

      Excluir
  17. Gostei muito desta história

    ResponderExcluir
  18. E eu, Marli, lembrei de meu pai, o terceiro de doze irmãos que aprendeu no " livro da vida " aquilo que o seu pai não quis ensinar aos filhos; aprendeu e fez questão de nos transmitir, que o mais importante na vida é a familia e, principalmente os filhos; aprendeu com a vida dificil que teve, principalmente falta de carinho por parte do pai, que esse era o maior tesouro que podia dar aos filhos. Simples taxista de aldeia, luxos não nos pode dar, mas nunca nos faltou o essencial para os estudos, um livrinho para eu ler ( já em criança gostava...) e, principalmente um beijinho na hora de se deitar, tantas vezes de madrugada, dada a profissão que tinha. Não tive um avó como o da tua história, mas, graças aos seus erros, tive um pai fantástico e que soube ser um avó maravilhoso que deixou boas recordações aos netos, quando há três anos, partiu com a bonita idade de 89. Obrigada, Marli, por me teres permitido deixar aqui este testemunho de gratidão, não ao meu avô ( só conheci um...), mas, sim ao avô dos meus filhos, o meu querido PAI. Beijinhos e bom fim de semana
    Emilia

    ResponderExcluir
  19. Muito obrigada, Emilia.
    Gostei de ler seu testemunho, que bom que você lembrou e deixou registrado aqui. É sinal de que meu texto serviu pra alguma coisa, rs. Volte mais vezes, adoro ler seus comentários, você tem o dom da palavra.
    Bjs

    ResponderExcluir
  20. Boa tarde Marli.
    Se tem uma coisa que gosto dessa vida, são os aprendizados dela.
    Tem pessoas que são tão especiais e marcantes em nossa vida, que a gente nunca esquece... E as lembranças são sempre as atitudes, os gestos... Pode ter até objetos, mas o que marca são as atitudes sempre. Quanto carinho, quanto aprendizado.
    Por aqui também, conto minhas histórias sempre, e logo penso em começar a deixar um caderninho com boas histórias, lembranças, frases e orientações. Acho que esse é o nosso maior legado.
    Marli, agradeço imensamente a visita e palavras da última postagem que fiz, onde você enaltece ainda mais minha jornada de aprendizados...
    Ameiiiii sua postagem! Amo ler histórias da vida, momentos marcantes com pessoas queridas...
    Beijos no coração,
    Ju

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, querida Ju!
      Que bom que você gostou. às vezes, eu me empolgo e falo demais depois fico preocupada que a pessoa não vá gostar... Volte mais vezes. Eu com certeza estarei sempre acompanhando e comentando suas postagens, que tenho apreciado muito.
      Bjs

      Excluir
  21. Olá, Marli!
    Amei ler a história real, linda, emocionante, que aqui compartilha.
    Não tenho memória dos meus avós, mas Deus me deu um pai maravilhoso. Partiu cedo, deixou dor, saudade e lembranças que guardo no coração. Agora, elas me ensinam a ser avó.
    Beijo, feliz fim-de-semana, obrigada pelas visitas ao Pétalas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por estar aqui lendo e comentando.
      Minhas recordações sempre envolvem meus avós porque foram eles que me criaram desde que nasci. Te entendo muito bem, é tão triste quando perdemos nossos afetos. Por sorte eles nos deixam as lembranças que nos dão suporte para a vida.
      Bjs

      Excluir

Obrigada pelos comentários. Procurarei responder a todos e retribuir as visitas com a maior brevidade possível.
Abraços.
Marli