sexta-feira, fevereiro 11, 2022

Fractais da Natureza




Conjecturas
Fractais da natureza



Marli Soares Borges 

Nesses tempos aziagos em que as aparências pretendem dar sentido à vida, poetizar as pequenas coisas pode ser o remédio que alivia a dor da caminhada. A conclusão que chego é que só a poesia nos salvará. Pois bem, então vou pegar minha tábua de salvação e tentar...


CONJECTURAS


Não sou.
Estou em estado
universal,
planetário,
fractal
e
orgânico.
Viajo em conexões transitórias
na engrenagem cósmica
da vida. 


* * * * * * * * * *

terça-feira, fevereiro 01, 2022

PREGUIÇA PRA QUE TE QUERO


Preguiça pra que te quero
Juvenal Antunes - O poeta de bronze do Acre

Preguiça pra que te quero
Homenagem ao poeta Juvenal Antunes


Marli Soares Borges -


Literalmente, hoje estou com preguiça nível hard. Slow, zero por hora. Estou com a mãe das preguiças! Mas não pensem que estou triste. Que nada, afinal, a "preguiça amamenta muita virtude", não é mesmo? rsrssssss. A propósito, você conhece o autor da frase? Tá vendo esse respeitável senhor aí, todo engravatado? pois é ele: Juvenal Antunes, o poeta de bronze do Acre. Ele foi homenageado com uma estátua de bronze.

Na foto ele aparece todo paramentado de terno e gravata. Mas isso é só pra enganar a torcida, afinal de contas, ele era um Promotor de Justiça e precisava ser e parecer. Pura verdade. 

Nascido no Ceará, ele foi para o Acre ser Promotor, mas o negócio dele era mesmo a boemia. Nos apontamentos que encontrei a seu respeito, consta que ele vivia metido num robe, feliz da vida, na porta do hotel Madrid, onde morava, em Rio Branco. Que era um boêmio inveterado, sempre bebendo cerveja, fazendo versos e proclamando seu amor à Laura, uma mulher casada. E dizem as más línguas, que ele não abandonava o hotel nem pra receber o ordenado. O ordenado é que vinha até ele por exercícios findos! Já pensou?!

Aqui está, pra vocês se deliciarem, o poema que deu a ele a fama definitiva.


ELOGIO DA PREGUIÇA


Bendita sejas tu, Preguiça amada,
Que não consentes que eu me ocupe em nada!

Mas queiras tu, Preguiça, ou tu não queiras,
Hei de dizer, em versos, quatro asneiras.

Não permuto por toda a humana ciência
Esta minha honestíssima indolência.

Lá esta, na Bíblia, esta doutrina sã:
-Não te importes com o dia de amanhã.

Para mim, já é grande sacrifício
Ter de engolir o bolo alimentício.

Ó sábios , daí à luz um novo invento:
A nutrição ser feita pelo vento!

Todo trabalho humano, em que se encerra?
Em na paz, preparar a luta, a guerra!

Dos tratados, e leis, e ordenações,
Zomba a jurisprudência dos canhões!

Juristas, que queimais vossas pestanas,
Tudo que legislais dá em pantanas.

Plantas a terra, lavrador? Trabalhas
Para atiçar o fogo das batalhas...

Cresce o teu filho? É belo? É forte? É loiro?
- Mas uma rês votada ao matadouro! ...

Pois, se assim é, se os homens são chacais,
Se preferem a guerra à doce paz,

Que arda, depressa , a colossal fogueira
E morra assada, a humanidade inteira!

Não seria melhor que toda gente,
Em vez de trabalhar, fosse indolente?

Não seria melhor viver à sorte,
Se o fim de tudo é sempre o nada, a morte?

Queres riquezas, glórias e poder? ...
Para que, se amanhã tens de morrer?

Qual mais feliz? O mísero sendeiro,
Sob o chicote e as pragas do cocheiro,

Ou seus antepassados que, selvagens,
Viviam, livremente, nas pastagens?

Do Trabalho por serem tão amigas,
Não sei se são felizes as formigas!

Talvez o sejam mais, vivendo em larvas,
As preguiçosas, pálidas cigarras!

Ó Laura, tu te queixas que eu, farcista,
Ontem faltei, à hora da entrevista,

E, que ingrato, volúvel e traidor,
Troquei o teu amor - por outro amor...

Ou que, receando a fúria marital,
Não quis pular o muro do quintal.

Que me não faças mais essa injustiça! ...
Se ontem não fui te ver - foi por preguiça.

Mas, Juvenal, estás a trabalhar!
Larga a caneta e vai dormir... sonhar ...



* Juvenal Antunes nasceu no Ceará-Mirim em 1883 e morreu em 1941, em Manaus. Foi personagem da Mini-série Global "Amazônia", de Gloria Peres.

* * * * * * * * * *

sábado, janeiro 08, 2022

CRONÓPIOS E FAMAS


Será que vou pegar a mania de classificar todas as pessoas que conheço?
Histórias de Cronópios e Famas

Marli Soares Borges


Eu tinha cinquenta e poucos anos quando li esse livro pela primeira vez, (alguns anos depois, li de novo) e comecei a tentar descobrir se sou mais Cronópio ou mais Fama. Ainda lembro de alguém, um dia, ter me falado pra eu relaxar um pouco, ser um pouco mais cronópio, rs. O fato é que passei um bom tempo da minha vida me questionando se as decisões e atitudes que eu tomava eram coisa dos cronópios destrambelhados ou dos famas organizados e chatos, sem imaginação.  

E por que estou falando nisso agora? Porque ando com vontade de ler novamente Júlio Cortázar e sempre que penso nele, eu penso nesse livro, e se alguém me perguntasse que livro eu gostaria de ter escrito, responderia sem pestanejar: "Histórias de cronópios e de famas". Que livro sensacional, leitura leve e divertida, recheada de reflexão e (muito) humor nonsense.  

Faz um tempão que li e não lembro mais dos detalhes, (e também não quero pesquisar na internet; quero mais é exercitar minha memória antiguinha, rs). Lembro que eram histórias curtas e que uma delas dava título ao livro. 

A impressão que ficou em mim é que esse livro é muito doido. Na época, ele simplesmente virou meu mundo de cabeça para baixo. Imagina alguém te ensinar coisas banais como subir e descer escadas e até mesmo como chorar. Pois é, isso você encontra no livro. É nítido o desafio às nossas noções de normalidade. Sem falar no amontoado de situações engraçadas onde o absurdo nos ajuda a perceber que a normalidade não passa de uma construção social. Quer ver? pense na conduta que usualmente temos nos velórios. Não precisa falar, todos sabemos como é. Agora imagine uma família cuja principal ocupação consiste em invadir velórios de desconhecidos e conquistar todos os papéis de destaque reservados para os familiares e íntimos do falecido. Tudo muuuito normal, rs. 

E por aí vai.

E tem mais, muito mais; tem uma coleção de absurdos narrados com tanta naturalidade, que parecem coisas absolutamente reais e normais. Cortázar faz uma crítica escancarada e dura ao mundo em que vivemos, à burocracia, ao absurdo de nossas vidas diárias... tem até uma historieta (não sei o nome) onde ele narra um apocalipse causado por escritores que não param de escrever(!) e soterram o mundo com papel! Pode? Lol. (anos, noventa, gastava-se muuuuito papel...).  

E finalmente o conto que dá título e fecha o livro com honra e circunstância: "Histórias de cronópios e famas".  

Cronópios e Famas, junto com as Esperanças formam os três tipos de seres sociais. Em última análise, somos todos nós. Cronópios são os loucos, os sonhadores, sinceros, alegres, desatentos e inocentes que se divertem na simplicidade. Os Famas são burocráticos, racionais, calmos, organizados e metódicos, centralizadores da ordem. E as Esperanças apenas esperam, esperam e esperam o mundo girar trazendo respostas, que nem sempre virão. No geral, são apáticas e inertes, apenas deixam-se levar pelas ocasiões e pelas pessoas. 

Na época, achei - e continuo achando -, que "Histórias de cronópios e de famas" era um livro surrealista, mas que não poderia ser classificado como realismo mágico, pois o realismo mágico estava - e está -  muito bem representado por Garcia Márquez, em que pese a escrita de Cortázar mostrar-se bem mais agressiva na transgressão da realidade. Mas isso não vem ao caso, é apenas minha opinião pessoal e eu não sou especialista no assunto. 

Resumo da ópera: (o que penso agora, sobre o que li outrora, rs) as pequenas narrativas que compõem o livro, são ao mesmo tempo engraçadas e tocantes. Lembro que minha percepção da realidade ia se alterando à medida que eu avançava na leitura, ou seja, eu pensava uma coisa e era outra. Tudo muito bizarro, rs. Enfim, como eu já disse, adorei o livro, tanto que estou afim de ler novamente; mas, pensando bem... e não é que comecei a encasquetar com uma bobagem? será que vou gostar do livro agora? Será que vale a pena ler de novo? tanto tempo passou, tanta coisa mudou, eu própria mudei tanto. Será que nesse amanhecer de 2022, aos 72 anos, vou ler o livro e pegar de novo a mania de classificar todas as pessoas que conheço? Sei lá, é ler de novo para ver.


* * * * * * * * * *