terça-feira, fevereiro 01, 2022

PREGUIÇA PRA QUE TE QUERO


Preguiça pra que te quero
Juvenal Antunes - O poeta de bronze do Acre

Preguiça pra que te quero
Homenagem ao poeta Juvenal Antunes


Marli Soares Borges -


Literalmente, hoje estou com preguiça nível hard. Slow, zero por hora. Estou com a mãe das preguiças! Mas não pensem que estou triste. Que nada, afinal, a "preguiça amamenta muita virtude", não é mesmo? rsrssssss. A propósito, você conhece o autor da frase? Tá vendo esse respeitável senhor aí, todo engravatado? pois é ele: Juvenal Antunes, o poeta de bronze do Acre. Ele foi homenageado com uma estátua de bronze.

Na foto ele aparece todo paramentado de terno e gravata. Mas isso é só pra enganar a torcida, afinal de contas, ele era um Promotor de Justiça e precisava ser e parecer. Pura verdade. 

Nascido no Ceará, ele foi para o Acre ser Promotor, mas o negócio dele era mesmo a boemia. Nos apontamentos que encontrei a seu respeito, consta que ele vivia metido num robe, feliz da vida, na porta do hotel Madrid, onde morava, em Rio Branco. Que era um boêmio inveterado, sempre bebendo cerveja, fazendo versos e proclamando seu amor à Laura, uma mulher casada. E dizem as más línguas, que ele não abandonava o hotel nem pra receber o ordenado. O ordenado é que vinha até ele por exercícios findos! Já pensou?!

Aqui está, pra vocês se deliciarem, o poema que deu a ele a fama definitiva.


ELOGIO DA PREGUIÇA


Bendita sejas tu, Preguiça amada,
Que não consentes que eu me ocupe em nada!

Mas queiras tu, Preguiça, ou tu não queiras,
Hei de dizer, em versos, quatro asneiras.

Não permuto por toda a humana ciência
Esta minha honestíssima indolência.

Lá esta, na Bíblia, esta doutrina sã:
-Não te importes com o dia de amanhã.

Para mim, já é grande sacrifício
Ter de engolir o bolo alimentício.

Ó sábios , daí à luz um novo invento:
A nutrição ser feita pelo vento!

Todo trabalho humano, em que se encerra?
Em na paz, preparar a luta, a guerra!

Dos tratados, e leis, e ordenações,
Zomba a jurisprudência dos canhões!

Juristas, que queimais vossas pestanas,
Tudo que legislais dá em pantanas.

Plantas a terra, lavrador? Trabalhas
Para atiçar o fogo das batalhas...

Cresce o teu filho? É belo? É forte? É loiro?
- Mas uma rês votada ao matadouro! ...

Pois, se assim é, se os homens são chacais,
Se preferem a guerra à doce paz,

Que arda, depressa , a colossal fogueira
E morra assada, a humanidade inteira!

Não seria melhor que toda gente,
Em vez de trabalhar, fosse indolente?

Não seria melhor viver à sorte,
Se o fim de tudo é sempre o nada, a morte?

Queres riquezas, glórias e poder? ...
Para que, se amanhã tens de morrer?

Qual mais feliz? O mísero sendeiro,
Sob o chicote e as pragas do cocheiro,

Ou seus antepassados que, selvagens,
Viviam, livremente, nas pastagens?

Do Trabalho por serem tão amigas,
Não sei se são felizes as formigas!

Talvez o sejam mais, vivendo em larvas,
As preguiçosas, pálidas cigarras!

Ó Laura, tu te queixas que eu, farcista,
Ontem faltei, à hora da entrevista,

E, que ingrato, volúvel e traidor,
Troquei o teu amor - por outro amor...

Ou que, receando a fúria marital,
Não quis pular o muro do quintal.

Que me não faças mais essa injustiça! ...
Se ontem não fui te ver - foi por preguiça.

Mas, Juvenal, estás a trabalhar!
Larga a caneta e vai dormir... sonhar ...



* Juvenal Antunes nasceu no Ceará-Mirim em 1883 e morreu em 1941, em Manaus. Foi personagem da Mini-série Global "Amazônia", de Gloria Peres.

* * * * * * * * * *

49 comentários:

  1. Eta preguicinha boa! Linda poesia e compartilhamento! beijos, ótimo fevereiro! chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Chica. Aqui estamos novamente, vivendo, escrevendo, comentando e aproveitando a vida!
      Obrigada pelo comentário.
      Bjs

      Excluir
  2. Poema lindíssimo que me fascinou ler.
    .
    Cumprimentos poéticos
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ricardo!
      Agradeço os cumprimentos poéticos e retribuo.
      bjs

      Excluir
  3. Bah, guria, eu adorei esse poema! Não conhecia.
    Ando numa preguiça de dar inveja... Agora continuarei com mais força! rss

    "Queres riquezas, glórias e poder? ...
    Para que, se amanhã tens de morrer?"

    Beijinho, uma ótima semana, na medida do possível, não estamos com a bola toda...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo comentário, Taís!
      Esse poema é ótimo, Juvenal tem cada poema...
      bjs

      Excluir
  4. "Tudo que eu mais quero hoje em dia,
    É que a preguiça pare a pandemia".

    Lindo poema, Juvenal Antunes não precisava trabalhar, rss.

    Querida Marli, tenha um excelente mês.
    Beijinhos, e boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Fatyma!
      Aplausos, guria!
      Pelo que andei lendo por aí, a pandemia já está arrefecendo. Ao que parece ficaremos com a endemia, ou seja, teremos que conviver e estarmos sempre alertas e mantermos sempre os protocolos sanitários para evitar o contágio.
      bjs

      Excluir
  5. Olha, adorei tudo. Principalmente a história do poeta Juvenal Antunes. O poema é sensacional! Não só ele, mas nos anos 20,30,40 a boemia era até romântica, tinha casos pitorescos como o dele. Sobre a preguiça é o seguinte, eu digo: a preguiça nem devia ser pecado, pois quem está com preguiça está no mínimo em paz, não está em guerra com ninguém rs rs. Abração de FELIZ ANO NOVOP!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Carlos!
      Que bom que você gostou, eu também sou ligada nessa poesia, acho muito boa.
      Bjs

      Excluir
  6. Uma partilha fabulosa! Adorei o poema!
    -
    A Leveza da mariposa

    Beijos, e um excelente dia!

    ResponderExcluir
  7. Marli,
    Adoro o tema preguiça.
    Sua publicação está fantástica
    e de preguissa só tem mesmo
    o argumento.
    Bjins de boa tarde.
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  8. Amiga Marli,
    Creio que todos andamos um tanto quanto preguiçosos, enfarados por este vírus letal e teimoso, que causar desequilíbrio em nossa intensidade e motivação.
    Quando iremos espreguiçar... Espertar outra vez, retirando a preguiça e a pandemia do Mundo, infelizmente não sei?
    Beijos e mesmo bocejando de tédio, cuide-se bem!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo comentário, Douglas. Essa pandemia realmente acabou com a gente, rs ....
      bjs

      Excluir
  9. Um prazer conhecer este poeta :D

    Abraços,
    Calebe Borges

    ResponderExcluir
  10. Muito legal o post! E viva a preguiça e o bem estar para quem pode! Quem pode, pode; quem não pode, se sacode.

    Boa semana!

    O JOVEM JORNALISTA está em Hiatus de verão de 18 de janeiro à 04 de março, mas comentaremos nos blogs amigos nesse período! Mesmo em Hiatus, o blog tem um post novo. Não deixe de conferir!

    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir
  11. Boa Noite de toda paz, querida amiga Marli!
    Tenho me sentido cansada, mas não com preguiça, nem tenho tirado sonequinha após almoço mais.
    Tenho aprendido a aceitar a calmaria que a pandemia trouxe... sem cursos, sem agitos diários... sem encontros com amigas...
    Um bonito poema de autor que não e lembro de ter lido ainda.
    Tenha dias bem descansados e abençoados!
    Beijinhos carinhosos e fraternos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muitas vezes a gente confunde cansaço com preguiça. São coisas diferentes, não é? Mas no meu caso, estou mesmo é com preguiça!!!!!!
      Obrigada pelo comentário.
      Bjs

      Excluir
  12. Olá Marli ! Que poema sábio e encantador . Estou eu tb a aprender tirar vantagem dessa "preguiça " que a idade nos traz . Como disse a Roselia no seu comentário acima , tb digo "não é bem preguiça não , é calmaria " rsss. E vamos aprendendo a aproveitar esse "fazer nada " qe a pandemia incentiva . Bem , mas "preguiça é prá quem pode ,e eu tô podendo rssss. Abraços .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Edite,
      Dolce far niente sem culpa nenhuma!
      E lá vamos nós aproveitar!
      Obrigada pelo comentário.
      Bjs

      Excluir
  13. Me gusto el poema y yo tambien soy perezosa. Te mando un beso.

    ResponderExcluir
  14. Não conheci o poeta...Há dias em que temos que dar vez à preguiça, gozar o momento...porque tudo é temporário...e a pergunta que se faz: para quê? se tudo pode ser destruído de um momento para o outro?
    Obrigada pela visita
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderExcluir
  15. Que figura!!!
    Há até uma corrente filosófica que defende o ócio.
    Todos nós devíamos ter a nossa hora do ócio, previsto
    e programado. Ah! programado, não. Quando nos apetecesse.
    Pois eu digo-lhe, querida Marli, que vez em quando
    dá-me para a preguiça. Depois, desperto e lá vou eu...

    Adorei o poema e o seu texto de apresentação.
    Juvenal Antunes, poeta que me apraz muito conhecer.
    Obrigada
    Beijos
    Olinda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E viva o ócio criativo. Sou adepta.
      Obrigada por comentar.
      bjs

      Excluir
  16. Olá Marli,
    Confesso que não conhecia este poeta, mas, com esta excelente partilha, fiquei a conhecer um pouco sobre o mesmo.

    Um poema sublime, que descreve na perfeição, o quanto a preguiça nos faz bem e nos relaxa.

    Parabéns, por esta excelente partilha!

    Continuação de ótima semana com muita saúde.
    Beijinhos!

    Mário Margaride

    http://está.blogspot.com

    ResponderExcluir
  17. Oi Marli,
    Não conhecia, mas adorei
    Gostei da peguiça intelectual dele.kkk
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E que preguiça hein!!!!
      Quisera eu eu ter uma preguiça assim, rsss.
      Obrigada por comentar.
      Bjs
      Marli

      Excluir
  18. Gostei de conhecer este poeta, Marli.
    Preguiça? Quem nunca?
    Tenha uma abençoada tarde.
    Beijinhos
    Verena.

    ResponderExcluir
  19. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  20. Oi Marli,

    É como aquela frase que diz: "A preguiça é a mãe do progresso", atribuída a Mario Quintana.

    Um momento de preguiça é essencial para reestabelecer a energia, acredito nisso... hahaha

    Gostei de conhecer o autor e a poesia.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  21. Não o conhecia; interessante este poema que fala da prequiça tão mal falada, mas que faz parte do repertório humano... bjs

    ResponderExcluir
  22. Olá Marli,
    Passando por aqui, relendo este excelente sobre a preguiça que muito gostei, e desejar um Feliz fim de semana, com muita saúde.

    Beijinhos!

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  23. Ah tem dias que sou só preguiça... quando acordo tarde já sei que o dia é consagrado a nada fazer ! confesso que é raridade_ tenho um ritual de trabalho já tão habitual que a preguiça só aparece quando preciso fazer supermercado. Aí a preguiça instala_ me cansa passar naquelas prateleiras sempre iguais e com preços diferentes risos
    Gostei do tema ,Marli
    Estamos meio afastadas rs eu entro em pausa e antes de fazer o que me queria , já volto rs é o vício.
    meu abraço e boa semana,amiga

    ResponderExcluir
  24. Olá, Marli, não conhecia o poeta, mas pelo menos agora conheço um dos seus poemas. Farei uma pesquisa para ver se encontro uma obra sua na internet.
    Agradeço a partilha do poema e a apresentação do poeta.
    Uma ótima semana pra você com saúde e paz.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  25. Um belo achado Marli.
    Interessante as historias pelo Brasil e suas personagens. Creio que tem muitos Juvenal pela terra.
    Grato por trazer a conhecer.
    Uma semana feliz amiga.
    Beijo e paz no coração.

    ResponderExcluir
  26. Bonita homenagem ao poeta Juvenal Antunes. Gostei imenso do poema "Elogio da preguiça". Quem não gosta de preguiçar de vez em quando?
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  27. Preguiça, sabe tão bem! :)
    Estou me lembrando deste," Poeminha de Homenagem à Preguiça Universal" de Millôr Fernandes.

    Que nada é impossível
    não é verdade;
    todo o mundo faz nada
    com facilidade. "


    Viva a preguiça com satisfação, amiga Marli (risos)

    Um beijinho.

    ResponderExcluir
  28. Que delícia de Preguiça!
    Saboreei cada pedacinho desta leitura!
    Obrigada por ter partilhado, Marli!
    Beijinhos recheados de gratidão!
    Megy Maia❤🌻❤

    ResponderExcluir
  29. Este elogio da preguiça... requereu imenso talento... e tal só se consegue... normalmente, com imenso trabalho!
    Belíssima partilha, deste autor que confesso, não conhecer! Assim estive quase todo o Janeiro... em modo de preguiça... embora não por vontade própria... uma forte reacção à dose de reforço... tirou-me forças durante algumas semanas a fio... e ainda não estou a 100%... mas acho que já posso dizer que estou pronta para outra... :-))
    Excelente partilha, Marli! Beijinhos! Bom fim de semana!
    Ana

    ResponderExcluir

BOM VER VOCÊ POR AQUI!
Procurarei responder a todos e retribuir as visitas com a maior brevidade possível. Abraços. Marli