07 abril, 2010

UM TETO TODO SEU



Olá, pessoal, tem um livro que acho excelente e que tem tudo a ver com umas discussões que despontam aqui e ali, a respeito das mulheres. Tenho observado que se alguém faz uma abordagem sobre o universo feminino, lá vem um coral cantando que o texto é feminista, etc... e infantiliza a discussão. É um preconceito velado que rotula e hostiliza qualquer coisa que se refira ao panorama feminino, quando os referidos textos tratam de direitos e obrigações, ou seja quando se fala na vida como ela é, porque no mais, a mulher é sempre "linda e maravilhosa". Tenho observado esse viés, nas entrelinhas dos comentários e dos posts que tratam de assuntos quetais. Então trouxe para vocês uma palhinha do pensamento de Wirgina Wolf, uma autora que considero fundamental justamente porque suas considerações focalizam o cerne da questão, a dificuldade da mulher impor-se como ser intelectual e de ser remunerada como tal. Já aviso que essa autora é muito polêmica: é amor ou desamor. (não é ódio, porque ódio não é o contrário de amor, rsrs!)

Trecho do livro “Um teto todo seu” de Virginia Woolf:
"Seria mil vezes lastimável se as mulheres escrevessem como os homens, ou vivessem como os homens, ou se parecessem com os homens, pois se dois sexos são bem insuficientes, considerando-se a vastidão e a variedade do mundo, como nos arranjaríamos com apenas um? Não deveria a educação revelar e fortalecer as diferenças, e não as similaridades? Pois atribuímos às semelhanças um valor exagerado;"

Claro, naquele tempo, 1928,  a literatura para ser boa tinha que ser escrita do ponto de vista masculino e a (reduzida) literatura das mulheres tinha de ser parecida com a dos homens. E isso ela nunca aceitou.

Gosto muito de "Um Teto Todo Seu", aliás o título é absolutamente irretocável. No meu entender a autora  escreveu esse texto, acima de feminismos, principalmente porque ela disse que a boa literatura está além e aquém dos gêneros, que a boa literatura deve ser escrita por uma mente despojada de preconceitos, mormente, os de gênero.

Embora não seja um texto feminista, com o decorrer da leitura a gente vai descortinando o panorama situacional das mulheres da época, no caso específico as que desejassem atuar em atividades intelectuais. É uma análise ressentida, inteligente e mordaz. Ela defende a tese de que o motivo crucial de haver um número tão insignificante de escritoras na literatura, (lembre-se estamos em 1928!) deve-se às condições precárias e à pobreza material em que as mulheres vivem. Para ela, as mulheres somente conquistarão um lugar ao sol no mundo das letras, no dia que tiverem o direito de ter sua própria renda e um teto todo seu, com chave e tudo. Essa dualidade de espaços - físico e metafórico - é primordial para que a escrita aflore, pois ninguém pode pensar e escrever livremente em meio a tantas limitações, inclusive sem acesso à educação. (Isso nos idos de 1928. Mas no meu pensar, esse assunto ainda é bem atual pois a mulher conquistou direitos --leis, etc--  mas o exercício desse direito ainda está a desejar).

Impressionou-me o poder de argumentação, a luminosidade, a lucidez marcante e, acima de tudo, a coragem dela quando revelou com todas as palavras o tratamento (desfavorável) que os críticos davam a seus próprios trabalhos, (ela era acusada de ser alienada dos problemas do momento, de privilegiar as causas pacifistas, liberais e feministas, como o direito de voto para as mulheres).

E hoje, olhando o passado a gente vê que ela estava com a razão, pois a mulher teve de conquistar muitos outros direitos antes de se firmar no mundo das letras.  Sangue, suor e lágrimas.  Tivemos que  mudar mentalidades. É mole?

Gente, leiam esse livro, vocês podem até nem concordar com as idéias de La Wolf, mas verão que seus argumentos são instigantes, fortes e acima de tudo convincentes. E o cenário? 1928!!!!

Já faz algum tempo que li esse livro (na verdade, antes de ser livro, era um texto que foi escrito e apresentado por Virginia Wolf numa conferência, depois é que virou livro), e nunca esqueci. Não se parece com o "Passeio ao Farol", dela também, que é muito bom, mas é outro tipo de leitura. (talvez eu fale em outro post. Vou pensar)

(c) Marli Soares Borges, 2010
Postar um comentário