terça-feira, novembro 26, 2013

DE FASCÍNIO EM FASCÍNIO

Adoro a emoção que vem quando mudo meu centro de interesse. Revivo, quero fazer isso e aquilo, quero mais e mais, quero mexer com a vida, mexer a panela dos doces e lambuzar meu coração. Paro imediatamente de bater os pinos e a criança que habita em mim se move de um fascínio para outro com olhos de primeira vez. Muitas vezes me parece que esse sentimento é imaturo, que eu deveria manter um padrão de interesse por mais tempo, um padrão compatível com minha maturidade, -- aiai sou tão madura -- mas na verdade, eu sigo querendo o que sempre quis: que os fascínios continuem comigo, tomando conta da minha cabeça, dos meus sentidos, de todo o meu ser! Quero aguçar meu sexto sentido, afinar minhas percepções e ampliar minha leitura de mundo. Essa dinâmica me move e fascina. No passado eu nutria uma certa inveja dos pintores e fotógrafos, porque me parecia que o trabalho deles era puro fascínio, na medida em que nada se repetia, que o fascínio sempre se renovava porque amparado na incidência da luz, que modifica completamente o cenário. Mas eu estava errada, comprovei mais tarde. O fascínio não tem nada a ver com a superfície, ele é uma mágica interior que pode acontecer milhões de vezes na vida de cada um de nós. É coisa do espírito, e vibra quando é movido pelo interesse verdadeiro, esse impulso interior que coloca os sentidos em sintonia com a energia vital e aciona o processo criativo. Ou seja, a gente só se interessa pelo que realmente nos fascina, por aquilo que nos fala ao coração. Aí a gente volta a engatinhar e abraçar as novas experiências da vida.  Marli Soares Borges

* Obrigada por compartilhar esse post com seus amigos.
* "De Fascínio em Fascínio" foi publicado pela primeira vez no "Blog da Marli"

16 comentários:

  1. Não podemos fingiur não perceber nosso fascínio por algo. Temos que nos entregar e assim , de fascínio em fascínio, vamos vivendo, nos alegrando... Faz bem! beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Marli, Marli, Marli!!! Fantástico! Parabéns!Pura emoção!
    Ver Fascinação em:
    http://cangucuemcores.blogspot.com.br/2010/02/fascinacao.html

    ResponderExcluir
  3. Marli, tb sou MUITO madura...rss...ser eterna criança pode ser legal em alguns momentos e, como criança, tb tenho fascinios constantes e multiplos!...rs...bjs,

    ResponderExcluir
  4. Ah Marli,
    cada linha tua é verdade completa.Eu também já me perguntei a mesma coisa acerca dos novos fascínios que me tomam,depois desencanei, afinal, deixar a criança novidadeira falar mais alto faz a emoção pairar na pele.
    Quero muuuuito tudo isso!!!

    Bela e fascinante semana aí.
    Bjkas,
    Calu

    ResponderExcluir
  5. Texto delicioso, Marli. Acho que vc definiu a magia que exerce o fascínio de maneira espetacular quando falou sobre "os olhos de primeira vez"... o encanto sai daí, da descoberta, da novidade, do que toca o coração - da criança, do ser, não sei bem...

    Que tua criança se lambuze com tudo que vier!
    Bjos, boa semana!!

    ResponderExcluir
  6. Marli, tenho tendência a ser centrada, a não querer divagar, mas percebi a tempo que isso não me levou a nada.
    A maturidade não invalida estar atento a todas as modificações que andam à nossa volta, num piscar de olhos. A vida em si mesma é fascinante e estar vivo é exatamente poder admirar tudo que se nos apresenta, poder mudar o enfoque, poder aceitar melhor as modificações. Ando me encantando e gostando muito de ser mais leve.
    Beijo e boa semana.

    ResponderExcluir
  7. Chiii, Marli, nós somos parecidos nisso viu! Eu vivo me encantando, principalmente com a natureza, não viajo pra lado nenhum de olho fechado, dormindo, tô sempre na janelinha procurando ver as coisas e achar o belo. É verdade que tem muita coisa que não encanta por aí, mas se no meio disso tudo, por exemplo, um ipê florido aparece eu ponho os olhos nele e esqueço tudo de feio à volta.
    Sou encantada pela vida e pelas coisas belas, busco isso com prazer e acho que isso que fez de mim uma pessoa feliz sempre.
    Saí da minha serra, despedindo-me do verde que me acolheu estas últimas semanas, meu manacá da serra todo florido de rosa e lilás ficou gravado na mente, porque simplesmente não deixei de olhá-lo muito antes de fechar o portão da casa. Ao chegar em Niterói, o mar batia na praia com ondas altas, também me encantou, me chamou atenção, me encheu de fascínio e lá estava eu na janelinha do carro olhando com prazer aquela paisagem. Enquanto isso, minha irmã atrás, que é completamente diferente de mim, de olhos fechados já ensaiando um sono. Minha mãe, como eu, é também ligada pelo fascínio das coisas, sempre viva, observou comigo as ondinhas brancas batendo na areia, só nós duas tivemos o prazer de curtir a paisagem.
    Adorei o tema, desculpa escrever tanto. rsss
    beijocas cariocas



    ResponderExcluir
  8. Marli, é bem por aí mesmo...
    Gosto de coisas interessantes, me encanto facilmente. Tão facilmente me desencanto. É como apertar um botão ligar/desligar.
    Não sei se isso é bom, mas minha mente é um turbilhão de pensamentos que às vezes não consigo controlar. Aí tenho que parar, pensar, relaxar e começar de novo.

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Assim que se vive,...
    Beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  10. O mundo é vasto em possibilidades... tudo fascina, cativa. Os interesses por tudo é grande demais para se perder tempo em centrar a atenção num só foco. A visão ampliada sobre todos os assuntos é o que me move e fascina.
    Linda terça feira!
    Bjs.

    ResponderExcluir
  11. Assim é Marli, são as coisas boas a nossos, que nos fascinam, se sobre o motivo da vida profissional, é oiro sobre azul - Fazemos mesmo o que gostamos. Se já deixámos de estar na ativa, então devemos ser nós mesmos a escolher o caminho do nosso interesse pessoal.
    beijos

    ResponderExcluir
  12. Oi, Marli!
    É esse fascínio que faz manter viva a vontade de experimentar tudo o que toca os nossos sentidos. Um novo olhar, um novo paladar, uma nova música, um toque diferenciado, a provocação do olfato... e quando unimos os 5 sentidos em uma única experiência, o nosso sexto sentido se aguça! Abrem-se as comportas do subconsciente e a imaginação criadora vem à tona. Estar aberta às novas experiências é vital!
    Beijus,

    ResponderExcluir
  13. Vejo e sinto desta forma. Penso que hoje "madura" tenho muito mais fascínio do que em jovem. Meu olhar e curiosidade se aguçam e a energia me toma e me leva em vida.

    ResponderExcluir
  14. Marli,eu adoro seus textos e tem razão:só o que nos fascina nos move! Linda msg! bjs e boa semana,

    ResponderExcluir
  15. Adorei. Ainda bem que tenho os meus fascínios e você tem toda razão: são eles que nos movem. Bjs

    ResponderExcluir

BOM VER VOCÊ POR AQUI!
Procurarei responder a todos e retribuir as visitas com a maior brevidade possível. Abraços. Marli