28 fevereiro, 2014

TORTURA CHINESA


Eu estava muda. Ela falava alto e gesticulava... e quase gritava. Não estava gostando de nada, nem de ninguém, a começar pela recepção e administração, incluindo garçons e jardins. Ninguém e nada prestava. O cardápio era uma droga, os guardanapos eram descartáveis, de papel, onde já se viu? E enquanto anunciava que era muito viajada seguia atropelando as palavras. Como é mesmo o seu nome? Marli, eu disse. Ah, sim, o meu é Amália, prazer. Olha, Marli, digo isso porque conheço o mundo inteiro, já me hospedei em diversos resorts e esse aqui é só mais um. Sabes, Marli, sou ativista social na rede. Você sabe o que é isso? E enfatizou: a-ti-vis-ta-so-ci-al. Você não me conhece, eu faço estragos na internet! E esse resort vai sentir o meu poder, vou terminar com ele. Não se trata de dinheiro, que isso não é problema para mim, sempre ganhei e ganho muito bem, e blablablá. Bom, aí então, ela só faltou me dizer que tinha um jatinho, ali na frente, esperando suas ordens para decolar.

E não parava. Mas como, nesse resort não tem um transporte interno até a praia, só para os idosos? E não tem alimentação especial para obesos? (Aí eu, discretamente, dei uma visualizada no shape: ela era grande, em altura e em largura. Avantajadíssima). E você notou que não tem alimentação especial para crianças e que as babás só trabalham até as seis? E o spa que não funciona 24 horas, um horror. E os jardins, pra quê tanta coisa? Salão de jogos, que bobagem. Meu neto, pobrezinho, ele veio comigo, junto com minha filha e meu genro, e ele só tem dois anos e ele não está tendo o que fazer! E a sauna, o que é aquilo? E a hidromassagem? É tudo muito desnecessário, afinal as pessoas estão em férias. E repetiu, aumentando os decibéis: des-nes-ces-sá-ri-o! Olha Marli, juro por Deus, eu não sabia. É a primeira vez que venho para esses lados e estou achando tudo muito caro! Olha, com esses preços, nunca mais! Se eu soubesse que esse resort era tão caro eu não teria vindo! E nem adianta você me dizer que está adorando e que você está se divertindo e que você adora praia, que não vou acreditar. (Detalhe: eu não disse uma palavra, não consegui sequer abrir a boca). Muito chato a gente topar com figuras assim, descompassadas. Avemaria!

Incrível como são as coisas, sem mais nem menos, ela me abordou: bom dia, vai a praia hoje? (eu estava batendo fotos). Pronto caí na rede! E o preço? Esse sim, posso afirmar que foi caro demais. Ninguém merece ouvir tantos desatinos numa manhã de férias. No final das contas, eu já estava era querendo matar meu marido, que não aparecia para me salvar. "Não quis atrapalhar a conversa" ele me disse mais tarde, se matando de rir. Engraçadinho! Mas, enfim, relatei o fato.

Tem gente que não se toca mesmo e não importa a idade, a propósito, a tal senhora tem 63, dois menos que eu. Nossa, morro e não vejo tudo. E não é que no dia seguinte, avisto a mesma figura, alugando a orelha, ou melhor, torturando um dos jardineiros? Coitado. 

Em tempo: o fato é real, aconteceu na semana passada, durante nossas férias em Fortaleza, mas o nome da senhora é fictício.

- Marli Soares Borges -

25 fevereiro, 2014

SEGURE A PETECA!


Segure a peteca! Essa é uma expressão conhecida que certamente você já ouviu alguém falar. Significa enfrentar as adversidades da vida, coisa que muito adulto simplesmente não tem coragem de fazer. Houve um tempo, há muitas e muitas luas, em que os pais preocupavam-se com a educação de seus filhos e sentiam-se no dever de lhes ensinarem o jogo da vida. E bem cedinho as crianças aprendiam a 'segurar a peteca'. E os pais arremessavam forte a peteca e ninguém era poupado, e se alguém tentasse dar uma de espertinho, os pais, com autoridade, o deixavam direto no banco dos reservas e ele ficava ali, emburrado, pagando o preço da 'esperteza'. E todo mundo acabava aprendendo por osmose. E ninguém ficou traumatizado. Mas hoje em dia a história é outra, o mundo virou do avesso e a vida dos filhos agora é uma verdadeira moleza, quase um conto de fadas(?!), um passe livre para o que der e vier. Os pirralhos pintam e bordam, as crianças maiores fazem o que querem e os adolescentes, grosseiros, respondões e atrevidos, só falta baterem nos pais. E os pais? Bem você já sabe. Os papais e mamães (sem generalizar, ok?) estão aí, suando a camiseta para manterem em dia os looks dos seus rebentos e presenteá-los dia-sim-outro-também, pela vida afora, senão o bicho vai pegar. Eles não suportam a ideia de negar alguma coisa aos filhos. Fazê-los assumir suas responsabilidades, lidar com as frustrações, nem pensar! Sei lá, acho que hoje em dia os pais têm medo dos filhos. E nesse embalo a safadeza e a imbecilidade foram sacramentadas. E o mundo virou nisso que estamos vendo, um bando de gente fraca e sem noção que só pensa em falcatrua. E eu às vezes me pego pensando naqueles tempos em que a gente precisava se esforçar e correr, para não deixar a peteca cair. -- Menos, madame, esse jogo já era. As petecas agora jazem no chão, abandonadas, longe da nossa vista, démodé, entendeu? Ninguém mais quer saber de segurar petecas. -- Verdade, mas não me conformo, essas crianças estão crescendo muito rápido, e sem educação para a vida, o que vai ser? Ops, não vai ser, já foi, já é! Tudo no oba-oba, afinal quem se importa? Essas crianças estão aqui, foram desembarcadas na adultez com a mala repleta de fraqueza, egoísmo e onipotência. E como adultos, seguem -- inteligentes -- alegremente, impunemente, enganando, vandalizando e tiranizando pessoas, animais e coisas. Enquanto uns conseguem disfarçar o mau caráter ocupando cargos elevados, outros justificam atrocidades em nome da justiça. Uma lógica reversa incompreensível para mim. 
- Marli Soares Borges -

10 fevereiro, 2014

UM SONO QUE NÃO É SONO


Millôr disse que estamos condenados à esperança. Concordo. Uma das mais assustadoras sentenças condenatórias que poderíamos receber no processo da vida, é a esperança. Do verbo esperar, bem entendido. Os que recebem tal sentença, a menos que apelem para a Luz, restarão invariavelmente aprisionados na estagnação pessoal e social. Eles simplesmente desistirão da viagem, "na véspera de não partir nunca, ao menos não há que arrumar malas", ah, meu amigo Pessoa, você foi direto na jugular! Tenho medo dessa esperança "pirata", essa bruxa perversa que sufoca e aprisiona as pessoas numa prisão insalubre. Deixa você fora do ar, dormindo... eternamente. Inerte como naquele filme, onde o gigante deitado em berço esplêndido, espera não sei o quê. Dorme um sono pegajoso, que não é sono, é uma absurda inação. (Esse filme costuma passar muito por aqui). Mas, fora da prisão, a vida segue outro rumo. Na liberdade as pessoas enxergam a Luz! Livres da esperança "pirata" todos têm plena capacidade de agir e fazer acontecer! Animam-se a lutar, a viver e a buscar. Porque sabem que, longe da inércia, há possibilidade concreta de conquistarem os sonhos possíveis. Isso é o que eu chamo, gozar os efeitos da verdadeira Esperança, aquela do verbo esperançar. Um santo remédio, como diria minha esperta avó.
- Marli Soares Borges -

03 fevereiro, 2014

MÃE DAS ÁGUAS


IEMANJÁ CAMORÔ - Arte Naif by Helena Coelho

NOSSA SENHORA DOS NAVEGANTES DO BRASIL - Arte Naif by Aecio















No dia 2 de fevereiro acontece em Porto Alegre - RS a Festa de Nossa Senhora dos Navegantes, padroeira da cidade. É uma festa católica e pelo que sei é a segunda maior romaria religiosa do País, atrás apenas do Círio de Nazaré, em Belém do Pará. Antes a procissão era fluvial, atualmente, por determinação da Capitania dos Portos, passou a ser terrestre. Maria, mãe de Jesus é considerada como a santa protetora dos mares e a designação de Nossa Senhora dos Navegantes aconteceu porque no passado, os marinheiros rezavam pedindo-lhe proteção nas viagens acreditando que ela os protegeria dos perigos do mar, das tempestades e dos naufrágios. Também é chamada de Nossa Senhora da Boa Esperança, da Boa Viagem e das Candeias. A festa aproxima pessoas de várias religiões num exercício de fé. Isso acontece devido ao sincretismo religioso que existe com Iemanjá, um orixá africano que faz parte do candomblé e de outras religiões afro-brasileiras. Iemanjá aparece no Candomblé representada pela figura arquetípica da sereia, uma mulher de longos cabelos, habitante do reino das águas. A origem mitológica deste orixá provém de uma pequena nação africana, para a qual ela representava o leito original, de onde nasceram todos os seres vivos. Na Umbanda, ela é chamada Mãe Iemanjá ou Senhora da Coroa Estrelada. Também recebe o título de Rainha do Mar. É reconhecida como divindade maternal e protetora, senhora da fartura e da abundância. Na procissão as pessoas colocam oferendas nas embarcações e esperam que a mãe das águas atenda cada um dos seus pedidos. Acreditam que agradando Iemanjá, ela se sentirá mais inclinada a conceder as graças que tanto desejam. 

E você, já fez sua reverência? E os pedidos? E os agradecimentos? Lembrou de pegar seus sonhos inconfessados, colocá-los num barquinho -- mental -- pra navegar nas águas de Iemanjá? - Marli Soares Borges -