30 março, 2015

ESSAS FAMÍLIAS MARAVILHOSAS...


essas famílias maravilhosas


O conservadorismo insiste no conceito tradicional de família como um núcleo formado por pai, mãe e filhos. Os debates que vejo aqui e ali, parecem ser apenas "combates" conservadores, contra as famílias no plural. O bom é que os direitos desses novos modelos familiares, felizmente, já estão reconhecidos e sem chances de retrocesso. Mas o que me assombra é que -- pelo que andei lendo -- quase a metade da sociedade, mesmo convivendo com a nova realidade que se apresenta, ainda assim, concorda com este estreito conceito de família que se quer impor na marra, na voz da lei. Cada vez me convenço mais que o preconceito é mesmo uma praga insidiosa. E o pior é que ainda está presente no dia a dia de grande parte da nossa sociedade, refletido no comportamento das pessoas. Embora tentem camuflar, o preconceito sempre aparece. E vem à tona nas ocasiões mais inusitadas, geralmente nas escorregadelas da linguagem. As pessoas se descuidam e se traem. Chega a ser até engraçado: tudo vai muito bem, até que haja uma situação limite. Bom, aí não tem jeito, a máscara cai e o preconceito aparece. Quer ver um exemplo clássico? Os pais que dizem aceitar numa boa as alternativas de gênero que existem, mas que acabam se desesperando quando isto ocorre com um filho seu. -- E os exemplos não param por aí, tem mais, muito mais --. Se você está pensando que são somente as pessoas "burrinhas" que agem assim, engana-se. São as bem "esclarecidinhas", aquelas que vivem posando e anunciando aos quatro ventos que não têm preconceitos contra ninguém. São essas que agora, com a possibilidade de meterem suas colheres no conceito legal de família, elegeram o Sr. Preconceito como o dono da verdade.

Marli Soares Borges

* Encontrei essa imagem no Google, se alguém tiver os créditos, por favor me avise.

29 março, 2015

TANTA GENTE QUERENDO VIVER...

Entristecer a gente se entristece, mas dor mesmo, estão sentindo os que perderam seus entes queridos no tal avião. Só de pensar na possibilidade de um filho meu estar dentro de um avião pilotado por um "coitado" que decidiu se matar, me dá uma froxura nas pernas. Não sei o que é pior, se o desespero coletivo daquelas pessoas, que num repente estavam com suas vidas nas mãos de um louco; ou se é a angústia do piloto tentando desesperadamente impedir a tragédia; ou ainda, se é a dor dos familiares -- e do mundo inteiro --, por tantos jovens que perderam suas vidas tão precocemente. E quer saber? ainda não refleti sobre as angústias do suicida. Fica para depois. É tudo muito triste e acho impossível comparar dores. Mas por que suicidar-se assim, levando consigo tanta gente que desejava viver? Nossa, se é complicado de entender, muito mais de aceitar! E eis que no meio de tantos senões, vem um pai (americano, parece...) dizendo assim: "perdi meu filho, a dor é enorme mas, não tenho raiva desse piloto. Fico imaginando o que estarão sentindo nesse momento, os pais dele que, além da perda terão que suportar as acusações do mundo". É. Tem gente muito iluminada(!?) mesmo. Uma declaração comovente. Estou muito longe desse equilíbrio.

Marli Soares Borges

26 março, 2015

O MELHOR DOS DOIS MUNDOS

o melhor dos dois mundos

Não há como (con)viver em harmonia com os outros, sem renúncias. Todos queremos conquistar nosso espaço é verdade. Até porque a própria vida em sociedade exige isso de cada um de nós. É preciso que cada um encontre seu espaço no mundo, que cada um faça sua escolha para que todos possam viver suas vidas de modo pleno. Mas escolher implica em optar por uma coisa ou por outra. E nesse processo, inevitavelmente uma coisa será deixada de lado. Acontece que na atualidade as pessoas modernas não estão conseguindo resolver essa equação: elas querem tudo ao mesmo tempo. Fazem suas escolhas, mas não querem perder nada no processo: como assim, escolher uma coisa e deixar outra? Perder? Elas não suportam. Falta-lhes um ingrediente básico na vida: tolerância. Tolerância às frustrações. E porque que não conseguem tolerar frustrações, sofrem, choram, gastam suas energias e se estressam. E muitas vezes apelam para a violência. E deixam de aproveitar o que a vida tem para lhes oferecer de bom. Será que é tão difícil entender que escolher é "pegar" uma coisa e "deixar" outra? Que ninguém pode ter tudo? Acho sinceramente que precisamos tomar tento e ensinar nossas crianças, enquanto são pequenas, a tolerarem suas frustrações e conviverem com suas perdas, pois o baixíssimo nível de tolerância que vejo hoje nos adultos me assombra.

Marli Soares Borges

* Imagem retirada do Google, sem créditos. Se alguém souber, por gentileza me avise.

13 março, 2015

O PETISMO ESTÁ CUSPINDO SEUS MIASMAS



Já andam chamando os manifestantes de golpistas, de inimigos da democracia e tal. Que bobagem, coisa de gente burra, (menos burra que mal intencionada, penso eu). Quem pede impedimento de um(a) presidente está se manifestando nos limites do estado de direito, pois tal medida -- extrema -- está prevista na Constituição Federal e devidamente regulamentada por lei. Portanto: menos, petistas, bem menos. 


Me alegra saber que o movimento de domingo será de fato, composto por indivíduos livres, sem amarras, sem canga e sem dono. Gente comum, nada de sangue azul. Guaipecas, numa expressão bem gaudéria. Gente livre e responsável. Cada um pensando com sua própria cabeça. Felizmente a imprensa não poderá chamar a manifestação de “movimento social”, expressão desgastada e aviltada que ninguém aguenta mais e que hoje em dia, soa até como ofensa, em função das tantas mentiras que esse governo podre nos aplicou. 


Desejo muito que a praça volte a ser do povo, tudo na santa paz, com civilidade e sensatez. E que nenhum indivíduo que estiver se manifestando, aceite as provocações mal cheirosas que sairão da boca patológica dos petistas ensandecidos. Que Deus proteja os manifestantes e permita que eles bem conduzam as manifestações em cada canto do Brasil. Estarei rezando.

Marli Soares Borges

07 março, 2015

VIOLÊNCIA EXTREMA CONTRA AS MULHERES

violência extrema contra as mulheres
Imagem: Google


Na terça-feira, (03.03.2015), o Congresso Nacional aprovou o projeto de Lei 8305/14, do Senado, que classifica o femicídio como crime hediondo e o inclui no Código Penal como homicídio qualificado. Isso significa que assim que a lei for sancionada, todo assassinato de mulheres motivado por razão de gênero (pelo simples fato de ser mulher), será enquadrado nessa classificação.


Lamento que nas celebrações do dia da mulher - 08 de março - a pauta da violência ainda esteja em alta. Por isso, sou plenamente a favor da promulgação do femicídio. 


Conceituar como femicídio o assassinato de mulheres, pelo fato de serem mulheres, a meu ver representa um avanço na compreensão política do caráter sexista presente nos crimes de homicídio contra as mulheres, que recentemente passaram a serem estudados, fazendo ressaltar a necessidade de criminalização. Considero importante essa tipificação porque, à toda evidência, o que não tem nome, não existe... "é preciso dar nome aos bois". E a adoção do termo femicídio, além de tipificar o crime, serve também ao propósito de desmistificar a aparente neutralidade que subjaz ao termo assassinato, mostrando tratar-se de fenômeno inerente ao histórico processo de subordinação das mulheres.


Tão triste que durante tanto tempo, tantas mulheres tenham sido assassinadas e os crimes banalizados, tratados como um crime a mais na seara delituosa. Acontece que não são. O assassinato de mulheres, pelo fato de serem mulheres, é uma das consequências mais cruéis da subordinação da mulher e da negação da sua autonomia. E o retrato vivo dessa negação aparece no próprio desenho dos meios de comunicação, que divulgam esses crimes, dizendo tratar-se de “crime passional”. Todavia, um homicídio de mulher não pode ser tratado como um crime passional, porque não é. Assim tratado, você desqualifica o crime, banaliza o crime, -- afinal foi praticado num momento de raiva, você pensa --. Mas não foi. O femicídio é um processo de violência. Por isso, está mais do que na hora de erradicar o tal “crime passional”, que traz em si um conceito misógino, que ignora todo o sistema de dominação patriarcal e tenta manter as mulheres numa eterna subordinação. 


Está na hora de tipificar, de criminalizar, de tirar esse crime do esconderijo. Quando se tipifica um crime, esse crime passa a existir juridicamente, e sai da impunidade. Surgem inúmeras possibilidades de aprimorar registros, criar mecanismos de controle, definir prioridades, etc, claro está, que a tipificação por si só, não basta, até porque, na nossa lei penal subsiste ainda o controle patriarcal contra a mulher. Então precisamos também que, ao lado da tipificação, aconteçam mudanças estruturais na sociedade, reformas gerais, tanto na legislação como nas políticas públicas que, expressa ou tacitamente, contenham preceitos discriminatórios violadores da dignidade humana. É crucial que se analise os delitos contra mulheres à luz de toda a discriminação histórica que as vitimou, da violência estrutural e sistemática, bem como da ausência de políticas públicas de prevenção, punição e erradicação desses delitos. 


Desejo muito que um dia, num estágio de evolução superior, possamos olhar para essa lei e achá-la obsoleta. Que num futuro próximo, o crime tipificado nesse diploma legal, não passe de mera curiosidade histórica e antropológica. Mas enquanto esse estágio evolutivo não chega, reconheço que é preciso zelar pelas mulheres, esses seres vulneráveis que vivem nessa sociedade 'moderna' e bárbara, regida pela lei do mais forte. É urgente criminalizar o assassinato de mulheres. É urgente repudiar os crimes de gênero.

Marli Soares Borges