31 julho, 2016

CONQUISTAS



Tão bom abandonar antigas certezas e velhos dogmas! Melhor ainda é ter coragem de admitir esse abandono diante dos viciados no zelo fanático pelas próprias crenças. Considero isso uma conquista pessoal e importante que fiz na vida: perdi a necessidade de convencer os outros a acreditarem no que acredito. E isso é uma experiência de liberdade indescritível. Na sequência, perdi a necessidade de estar, eu mesma, plenamente convencida de qualquer coisa. Mais liberdade ainda.




Marli Soares Borges

03 julho, 2016

FELICIDADE



droga da felicidade


Estou exercitando minha capacidade de discernir entre uma imbecilidade e uma coisa digna de maior atenção. Às vezes alguém me diz algo e me emociono e me dá vontade de argumentar, insistir, bater o pé. Noutras, a vontade vem, mas fico quieta, não reajo, fico só ouvindo, nem me importo. E me surpreendo comigo mesma por ter chegado a esse estágio 'superior' de controle da razão! será mesmo, ou é um problema de pino? Pode ser também porque me dei conta de que não preciso mais agradar esse ou aquele. Sei lá. E também não estou ligando mais em estar por dentro de todas as novidades, das mentiras e verdades de cada um. 

Tem coisas que nem quero saber. E isso está me fazendo um bem...

Casualmente ontem ouvi minha nora rindo e dizendo para meu filho: você sabia que os ignorantes são mais felizes? Ouvi a frase e pensei: taí! encontrei a droga da felicidade!

Marli Soares Borges

01 julho, 2016

ARTE DAS RELAÇÕES




"A inteligência é a arte das relações."

Entendo assim: quando aprendemos profundamente alguma coisa e conseguimos estabelecer as relações desse conhecimento com outros conhecimentos e vivências, - e isso é uma arte - está aí a mais pura inteligência. A verdadeira arte das relações. Mas isso não é muito comum. O que tenho observado é que as pessoas tendem a compartimentalizar o conhecimento e não se importam em, pelo menos, tentarem estabelecer conexões. Haveria então poucas inteligências no mundo? Não sei.

Marli Soares Borges