07 novembro, 2012

ELA NÃO DEIXOU BENS

Olá!!

Vou repassar pra você um poema que recebi hoje. Acho que vale a pena. Foi encontrado nos pertences de uma velhinha, num hospital de doenças da velhice. Foi o único bem que ela deixou. Pra variar está sem autoria, o que acho uma sacanagem. Porque não colocaram logo o nome da velhinha, se sabiam que foi ela quem escreveu? Pois é, mas pelo que li no email, o dito poema foi publicado na edição de Natal da "União para a Saúde Mental", (sei lá o que é isso), na Irlanda do Norte. Não me pergunte nada, não saberei responder. Estou vendendo o peixe pelo preço que comprei. Mas bem que eu gostaria de ver a tal publicação, só pra conferir os créditos! Tsc, tsc.

Mas quero registrar aqui, as minhas impressões. 

Achei o poema delicado, simples e extremamente sensível. De uma riqueza emocional que quase não se vê, hoje em dia, nas poesias. Os sentimentos estão muito bem desenhados, e em certas passagens até me senti abduzida pra dentro do texto, -- o que obviamente denuncia que sou uma dinossaura --. Muito detalhe, muita sutileza, muita vida vivida. Um lindo poema. 

A VELHA RABUGENTA

Que vêem amigas?
Que vêem?
Que pensam quando me olham?

Uma velha rabugenta não muito inteligente de hábitos incertos,
Com seus olhos sonhadores fixos ao longe?

A velha que cospe comida
Que não responde ao tentar ser convencida...
"De, fazer um pequeno esforço?"

A velha, que vocês acreditam que não se dá conta
Das coisas que vocês fazem
E que continuamente perde a sua escova ou sapato?

A velha, que contra sua vontade,
Mas humildemente lhes permite fazer o que queiram,
Que me banhem e me alimentem,
Só para o dia passar mais depressa...

É isso que vocês acham?
É isso que vocês vêem?
Se assim for, abram os olhos, amigas,
Porque isso que vocês vêem não sou eu!

Vou lhes dizer quem sou,
Quando estou sentada aqui,
Tão tranquila, como me ordenaram...

Sou uma menina de dez anos,
Que tem pai e mãe,
Irmãos e irmãs que se amam.

Sou uma jovenzinha de dezesseis anos.
Com asas nos pés, e que sonha encontrar seu amado.

Sou uma noiva aos vinte
Que o coração salta nas lembranças,
Quando fiz a promessa que me uniu até o fim de meus dias
Com o AMOR de minha vida.

Sou ainda uma moça com vinte e cinco anos,
Que tem filhos,
Que precisam que eu os guie...
Tenho um lugar seguro e feliz!

Sou a mulher com trinta anos
Onde os filhos crescem rápido
E estamos unidos com laços que deveriam durar para sempre...

Quando tenho quarenta anos
Meus filhos já cresceram e não estão em casa...
Mas ao meu lado está meu marido
Que me acalenta quando estou triste.

Aos cinquenta, mais uma vez comigo deixaram os bebês, meus netos,
E de novo tenho a alegria das crianças,
Meus entes queridos junto a mim.

Aos sessenta anos, sobre mim nuvens escuras aparecem,
Meu marido está morto;
Quando olho meu futuro me arrepio toda de terror.

Os meus filhos se foram,
E agora tem os seus próprios filhos...
Então penso em tudo o que aconteceu e no amor que conheci.

Agora sou uma velha.
Que cruel é a natureza...
A velhice é uma piada
Que transforma um ser humano em um alienado.

O corpo murcha.
Os atrativos e a força desaparecem.
Ali, onde uma vez teve um coração
Agora há uma pedra.

No entanto nestas ruínas, a menina de dezesseis anos ainda está viva.
E o meu coração cansado,
Ainda está repleto de sentimentos vivos e conhecidos.

Recordo os dias felizes e tristes
Em meus pensamentos volto a amar e a viver o meu passado.
Penso em todos esses anos que se foram,
Ao mesmo tempo poucos,
Mas que passaram muito rápido,
E aceito o inevitável...
Que nada pode durar para sempre...

Por isso, abram seus olhos e vejam
Diante de vocês não está uma velha mal-humorada,
Diante de vocês estou apenas “EU”...

Uma menina, mulher e senhora.
Viva...! E com todos os sentimentos de uma vida...

Beijos a todos.