29 junho, 2016

ISAAC ASIMOV



científica


Relendo Isaac Asimov. Fazia tempo que não lia nada dele e (re)apaixonei-me.

Quando fui apresentada a Isaac Asimov eu era adolescente (anos 60). Lembro que me apaixonei na mesma hora. PhD em Bioquímica e divulgador da ciência, seus romances não eram considerados alta literatura, ele mesmo se intitulava um "escritor de idéias", mas para mim, o conhecimento aliado à paixão pela escrita fez com que seus textos - cientificamente embasados - continuem ainda hoje, a brilhar com tanta intensidade aos olhos de quem os lê. Nas entrevistas ele sempre dizia que o que mais gostava na vida era escrever! Conta-se que certa vez, ao ser questionado sobre o que faria se um médico o diagnosticasse com pouco tempo de vida, ele respondeu "Datilografaria mais rápido!" (E escreveu mesmo, mais de 500 títulos, em vida, é mole? rs) Lembrei agora da trilogia da "Fundação". Era minha série favorita. Adorei também o "Eu, Robô" e as três leis da robótica.

Hoje em dia, a par dos avanços nas áreas da biônica, cibernética e inteligência artificial, seus livros viraram realidade e no andar dos acontecimentos, acho que as "Leis da Robótica" em breve terão status de lei. Como no passado, Asimov, continua a renovar em mim a esperança no poder da ciência e do desenvolvimento humano.

"A ciência em si, em sentido abstrato, é um instrumento autocorretivo e direcionado para a verdade. Pode haver enganos e concepções equivocadas, em razão de dados incompletos ou errôneos; no entanto, o movimento vai sempre do menos verdadeiro para o mais verdadeiro. (...) Os cientistas, todavia, não são a ciência. Por mais gloriosa, nobre e sobrenaturalmente incorruptível que ela seja, infelizmente os cientistas são humanos."

Marli Soares Borges

09 junho, 2016

COM OUTRA TINTA


Gosto quando a Justiça age em face de pessoas que cometem crimes, e não acho que isso seja comemorar a dor do outro - qualquer que seja o outro. A justiça tem que ser feita e os criminosos devem ser punidos, pois temos urgência em acreditar que a Lei e a Justiça não foram feitas só para nós. Todos esses que estão sendo alvo de prisões, vazamentos e delações, há muito vêm apropriando-se indevidamente do que não lhes pertence e desviando os bens públicos da forma mais abjeta. Sempre intocáveis, acobertados por prerrogativas de toda ordem. Mas eis que alguns (poucos ainda...) são finalmente expostos e chamados à responsabilidade. E não podemos achar que é bom? Menos, petralhas, bem menos.

Eu fico feliz sim! embora saiba que o correto seria que esses ladrões de colarinho branco, devolvessem o dinheiro roubado! Dinheiro que roubaram dos pobres. Sim, dos pobres, dos mais pobres. Que ninguém se engane, foram eles os vilipendiados. E são eles os que mais passam necessidades por causa dessa ladroagem e dessas impunidades perversas. A infinita miséria dos pobres é resultado direto das atitudes dessa oligarquia repulsiva e praticamente inquebrantável que rouba e esbanja o roubo, sem o menor pudor. 

Enfim. 

Seria ótimo se estivesse surgindo verdadeiramente um novo país, onde ninguém pairasse acima da lei, mas, por enquanto, ainda não acredito. Todavia, parece-me que um passo muito tímido, mas não menos importante, já foi dado. Que bom que nossa história pudesse de imediato, começar a ser reescrita. De agora em diante. Com outra tinta.

Marli Soares Borges

07 junho, 2016

EU ABALEI O MUNDO




Faço parte de uma geração que durante muitos anos questionou os silenciamentos que permeavam as nossas vidas em quase todos os espaços sociais. Hoje em dia presencio, com tristeza, muitos colegas do passado utilizando-se da mesma prática escusa que tanto lutamos para banir. 

Incomoda-me esse papo esclerosado de que precisamos nos desconstruir para nos transformar. Que bobice isso. Incomoda-me essa necessidade mórbida de pedir perdão aos oprimidos e licença aos especialistas para emitir uma opinião sobre determinado assunto. Pedir permissão à esquerdalha, para emitir uma opinião sobre seus líderes intocáveis e símbolos vazios? Comigo não. 

(Estou tocando nesse assunto, porque, a propósito da morte de Muhammad Ali, acabei lembrando da célebre frase dita por ele: "engulam as vossas palavras. Eu abalei o mundo. Eu sou o maior. Eu sou o rei do mundo. (Ele teve coragem de abrir a boca. Ele disse o que achou que deveria dizer. E o momento era efervescente de conflitos.)

Marli Soares Borges