29 março, 2016

VIDA INCRÍVEL?


deprimir


Como ser uma pessoa menos amargurada e mais feliz apesar das fotos de amigos que você vê aqui na rede, vivendo uma vida incrível, colorida e indolor? Como neutralizar as frustrações e decepções que esse contexto provoca em você, que vive uma vida assim, tão "real"? Não. Não é besteira, tem muita gente amargando esse paradoxo e trollando meio mundo. Li hoje e me apavorei. Acho que um bom começo pra largar essa neura é esquecer essas bobagens de vida incrível, etc. Isso não existe. É propaganda enganosa. Anote aí: a vida é dura, nada é de graça e ninguém está aqui a passeio. E por favor, não pense em acabar com a felicidade dos outros metendo a colher no que eles postam, só para incomodar. Esqueça. Isso é inveja e não vale a pena... quem perde a saúde é você. Abandone a inveja. Não há frustração que resista a quem tem sua própria maneira de ser feliz. Afaste os paradigmas e busque o melhor para você, dentro das possibilidades que a vida - no aqui e agora - lhe oferece. É possível levar uma vida mais amena valorizando o que é seu, pois no final das contas é isso que interessa. Esqueça a vida dos outros. Relaxe, descomplique, desencane, alivie. E não esqueça de abraçar quem está ao seu lado aturando esse teu jeito macambúzio de ser (tenho pena de seu amor! esse sim merece a medalha, rsrsrs!). E não se queixe, tudo pode piorar (toc, toc, toc). Em tempo: nas redes sociais a plenitude faz parte do projeto. De amarga, basta a vida.

Marli Soares Borges

27 março, 2016

A PÁSCOA DOS CZARES - OVO DE FABERGÉ



Maria Feodorovna


O ovo fabergé, por sua perfeição e preciosidade é considerado hoje uma das peças mais sofisticadas e apreciadas da arte joalheira. Confeccionados com diamantes, rubis, platina, ouro e cristal de rocha, os ovos de Fabergé são únicos e, por serem exclusivos e caprichosamente elaborados, tornaram-se peças super valiosas, disputadas por colecionadores. 


A HISTÓRIA

Ovo de páscoa é tradição há muitos séculos. Na Rússia Czarista de mil oitocentos e pouco a Páscoa era uma data muito especial. Entre beijos e abraços havia troca de presentes, que invariavelmente eram ovos, - pintados - pois representavam a nova vida e o renascer da esperança. 

Na família real os ovos eram de ouro, prata e platina, e decorados com esmalte e pedras preciosas. Em 1884, o Czar Alexandre III querendo presentear sua esposa, Maria Feodorovna, encomendou ao joalheiro Peter Carl Fabergé, que confeccionasse uma jóia: um ovo... mas que contivesse uma surpresa no seu interior. Dito e feito. E o primeiro ovo fabricado ficou assim: abria-se como uma matrioska e revelava uma grande gema de ouro no interior; dentro da gema havia uma galinha de ouro; dentro da galinha, uma coroa de diamantes; dentro da coroa, um pingente de rubi. Beleza pura, foi um sucesso na Corte. A Czarina ficou tão encantada que fez de Fabergé o joalheiro oficial da Corte. Desde então, na Páscoa, a cada ano, o Czar encomendava um ovo para dar à Czarina. Após a morte do Imperador, seu filho - o Czar Nicolau II -, passou a encomendar a Fabergé dois ovos por ano, um para sua mãe e outro para sua esposa.

E foi assim que surgiu a tradição dos Ovos de Fabergé. 


OS DETALHES

Cada ovo é único, mede cerca de 13 cm, e levava o ano inteiro para ser confeccionado e era executado no mais absoluto sigilo. O trabalho envolvia muita gente da empresa Fabergé: os que se ocupavam do desenho original, do corte, da lapidação das pedras, da incrustação, enfim, de todas as particularidades necessárias para tornar o trabalho perfeito. Cada ovo é dotado de um pequeno e delicado mecanismo que mostra o segredo - a surpresa - no seu interior. E a surpresa vai dos temas íntimos da família até eventos notáveis do Estado Russo. 

Segundo os historiadores, de 1885 a 1917 foram confeccionadas 56 obras-primas. Até o ano de 1994, 44 exemplares de ovos fabergé foram encontrados pelo mundo. Hoje em dia, essas peças chegam a valer mais de 9 milhões de dólares.

E você, já encomendou o seu ovo fabergé?

Marli Soares Borges

24 março, 2016

POSSIBILIDADE E DIVERSIDADE




Amanheci lembrando de uma obra sublime: Guernica. 

Talvez por estarmos vivendo essa crise horrorosa; talvez por sentir a energia nefasta que a intolerância e a corrupção diária causa entre uns e outros, sei lá. O fato é que tenho visto aqui na rede, tanta violência verbal, tanto embate sem noção, que chego a ficar com o estômago embrulhado. Sei que a guerra está a um passo da violência verbal e isso me apavora. É é aqui que entra essa maravilha de pintura, que nos mostra com nitidez o absurdo significado da intolerância, e a falta de sentido da realidade gerada pela violência. Quando Pablo Picasso teve a ideia de retratar o intenso bombardeio nos civis indefesos da vila de Guernica, ele não imaginava que o painel se tornaria o símbolo eterno da destruição que a humanidade pode perpetrar. 

Mas eu trouxe a imagem para cá numa outra visão. Uma visão de possibilidades: de entendimento, honestidade, gentileza e convivência pacífica e democrática com a diversidade.

Marli Soares Borges

09 março, 2016

NOVELA DA VIDA





De fato, se formos os idiotas que Macbeth falou, a vida não vai significar muita coisa e nem valerá a pena ser contada. Mas há que se ter inspiração para escrever a novela da vida, a cada dia que amanhece. E às vezes, temos que literalmente garimpar a inspiração. O bom disso tudo é que o significado que damos à vida só depende de nós. 
-------------------------

Macbeth baixou por aqui, rsrsrsrs! (Acho que foi a chuva e o dia cinza...)


"Tomorrow and tomorrow and tomorrow,
Creeps in this petty pace from day to day
To the last syllable of recorded time,
And all our yesterdays have lighted fools
The way to dusty death. Out, out, brief candle!
Life's but a walking shadow, a poor player
That struts and frets his hour upon the stage
And then is heard no more: it is a tale
Told by an idiot, full of sound and fury,
Signifying nothing."

----------------------------
Tradução:

“Amanhã, e amanhã, e ainda outro amanhã
Arrastam-se nessa passada trivial do dia para a noite, da noite para o dia,
Até a última sílaba do registro dos tempos.
E todos os nossos ontens não fizeram mais que iluminar para os tolos
o caminho que leva ao pó da morte. Apaga-te, apaga-te, chama breve!
A vida não passa de uma sombra que caminha, um pobre ator
Que se pavoneia e se aflige sobre o palco –
Faz isso por uma hora e, depois, não se escuta mais sua voz.
É uma história contada por um idiota, cheia de som e fúria
E vazia de significado”.

03 março, 2016

O DIABO QUE SE DANE




Que mania irritante as pessoas pegaram de achar que a gente tem sempre que andar de cara alegre; que tem de mandar às favas o sofrimento, expulsar, se livrar logo da tristeza e da raiva, que são sentimentos errados. Se você está triste, ops, algo está errado com você, procure ajuda profissional. Ora, acho isso uma piada. Acontece uma desgraça e tenho que estar sorrindo? Pois sim! -- A propósito, entre ser otimista e viver sempre alegre há uma diferença abissal e eu não estou mais aguentando essa turma da alegria eterna. Ou seria da fuga eterna? Sei lá -- Imagine só, alguém me faz uma sacanagem e não posso sentir raiva? Ora bolas, me deixe em paz, estou triste, estou com raiva e daí? Daí que assino embaixo com você. O lance é mesmo amargar a tristeza, fazer o luto. Não tem saída. Na sequência, a gente vai, dentro do possível, tentando melhorar o astral. E nem pense em fugir pois quanto maior o medo de sofrer, maior é o sofrimento. Caiu no inferno, abrace o diabo. Mas, alto lá, não o alimente. Pegue carona na Consciência e dê o fora. Encare logo o problema, sacou? É simples. Tá bom, retiro o simples, mas então tome nota: no momento crucial, quando os sentimentos de tristeza e raiva aflorarem, procure recuperar a consciência rapidamente. Busque o fortalecimento que só a consciência é capaz de dar e, -- acredite --, você já encontrou forças para ir abrindo os caminhos da alegria. Não se trata de "expulsar" a raiva ou a tristeza, mas de se conscientizar, de saber e aceitar, que esses sentimentos são ruins apenas porque nos incomodam, mas não são errados, eles atuam porque são parte da nossa condição humana e componentes do nosso crescimento espiritual. Não quero dizer com isso que você deva permitir que se expandam e se instalem em tempo integral no seu coração. Negativo. Nada de alimentar o diabo, ele que se dane.

É impressionante o poder que emana da consciência. É um poder capaz de neutralizar os sentimentos indesejáveis e de os consumir sem deixar vestígios. E de quebra, dá uma repaginada no astral da gente. Ao menos comigo é assim.

Marli Soares Borges © 2013