27 fevereiro, 2016

SHORTINHO


missa de biquíni, velório



Por acaso você vai à missa de biquíni? Você vai a um velório vestida de festa? E por que então, o interesse em ir à escola de shortinho? Pelo discurso vazio e as frases decoradas da cartilha emburrecedora, já manjei a politicagem daquelas patricinhas e já vi até, quem está cutucando. Sugiro que tirem logo a roupa e vão para a escola assim mesmo, em pelo, afinal, essas regras de vestimentas da escola, além de opressivas e burguesas, já estão pra lá de obsoletas, não é? (Depois me contem o resultado, tsc, tsc.) Dou a maior força! Tudo pela babaquice, que vocês merecem! Que tal se todo mundo resolvesse inventar suas próprias regras e andar nessa vibe, 'tudo' peladão, de shortinho, de biquini, de sunguinha? Já imaginaram seus pais, mães e avós? os políticos, os ministros, a presidente? todo mundo de sunguinha e shortinho? Ora vão se catar! Que ideia é essa de querer ditar regras na casa dos outros? aff!

Marli Soares Borges

08 fevereiro, 2016

TUDO É CARNAVAL IV



tudo é carnaval IV


Não sou saudosista. Detesto saudosismo, detesto saudosistas, aquela coisa de "ah, no meu tempo... naquele tempo é que existia carnaval de verdade..." de-tes-to! Não me fixo na razão paralisante do passado, apenas tenho saudade. Embora saudosa, aprendi a experimentar o passado como fonte de vida: não vivo do passado, apenas viajo no passado. Vou e volto. E se agora não caio mais na folia, nada me impede de continuar gostando e observando a festa. E é com alegria que percebo a intensidade com que as pessoas constroem -- assim como eu construí -- as memórias que irão guardar para o resto de suas vidas. A festa mudou o formato, mas continua sendo popular e, na essência, o Carnaval segue como um espaço de irreverência e imersão nos sons, nas danças e nos novos valores que a sociedade aplaude. As fantasias de hoje são contextualizadas; a criatividade, o improviso e a tecnologia avançam a passos largos. O rebolado e os beijos também. Seguimos maravilhosos, cantando, dançando, abrindo os braços e marcando encontros, apesar dos temas mundiais, nem sempre auspiciosos, incorporados ao cenário carnavalesco pela Globalização. A meu ver, muita coisa 'moderna' piorou o Carnaval, mas isso fica por conta do meu olhar 'antigo', pois tenho certeza de que o Carnaval de hoje, para os jovens foliões de hoje, é o melhor Carnaval de todos os tempos! é a vez deles, eles são os donos do Carnaval! É deles a originalidade e o olhar de primeira vez! Mas é minha essa saudade. Saudade boa, que me permite, ainda agora, tocar com emoção as fantasias que habitaram meus carnavais juvenis. 

Marli Soares Borges

04 fevereiro, 2016

NA LONA





Todo homem que se vende recebe muito mais do que vale”, disse um dia o Barão de Itararé. E o molusco, para se livrar da cadeia, já se vendeu tanto que agora não vale mais nada: credibilidade zero. Entregou até a companheirada de "lutas" e de nada adiantou. Sua situação continua em franca derrocada. E eis que agora, num surto de imbecilidade galopante, ele vem com essa de que "não há alma viva que seja mais honesta do que eu". Idiota. Mas Augusto Comte, esperto, acerta-lhe um chute no estômago: "os vivos são, cada vez mais, governados pelos mortos", hahahaha, e para fechar com chave de ouro, o Barão de Itararé, na moral, meteu-lhe um pombo sem asa no ouvido e o mandou direto para a lona: "os vivos são e serão sempre, cada vez mais, governados pelos mais vivos". Toma molusco! tem gente mais viva do que tu! O inferno é aqui mesmo e tua hora está chegando.

Marli Soares Borges