31 janeiro, 2016

IMBECILIZAÇÃO COLETIVA


universidade circulo vicioso


Aproxima-se o inicio das aulas e começam, de novo, meus grilos. 
(Pode pular, não me incomodo, sei que o texto é longo. Quando os grilos me pegam... nem eu me aguento, rsrsrsrs)

"Ano que vem, vai pro colégio", diz a mãe sorridente. E quase morro de pena... pobrezinha da criança, querendo saber de onde vem as borboletas, porque o sol nasce todos os dias e onde mora a lua... e aí então ela "vai pro colégio". E começa o massacre! Pobrezinha da criança, ano que vem ela vai ter sua inteligência moída na máquina de emburrecer da pátria (des)educadora. Ela vai aprender a ser burra, mentirosa, inculta, relapsa, dependente e pobre. Vai aprender tudo isso na Cartilha-Petista-de-Imbecilização-Coletiva, e ao final, restará sequelada e incapacitada de produzir qualquer coisa que o valha, para si e para seus familiares. Porque no Brasil do PT é assim: trabalhar é escravidão, obter sucesso profissional é desprestígio e ser produtivo não é visto com bons olhos. A cereja do bolo é ser pobre, miserável, absurdamente dependente do Estado.

À medida que escrevo, meus pensamentos voam... lembro de Pink Floid, adoro "Another Brick In The Wall". Na parte II dessa música, há uma crítica -- perfeita! -- ao sistema de ensino, alienante, que tenta controlar o pensamento dos alunos e os robotiza, para que sejam apenas mais um tijolo no muro. Lembro da cena: uma fila enorme de estudantes marchando, seguindo um caminho, e caindo, um a um, num gigantesco triturador de carnes. Ao final, emergem como clones desprovidos de distinção individual. E o vocal de vozes infantis vai cantando e acompanhando a marcha daqueles alunos desvalidos, cujo prazer de exercitarem suas inteligências, estava sendo criminosamente roubado pela educação massificante. Nunca esqueci aquela cena bizarra e cruel.

A meu ver, a sensação do muro que escraviza e aprisiona é uma realidade no contexto educacional do Brasil. A máquina de emburrecer existe sim. O PT a trouxe para cá. E tratou de fincar suas bases nas universidades públicas -- de cima para baixo --. E ano apoś ano, as universidades vomitam milhares de robozinhos, todos muito bem amestrados pela educação paulofreiriana. Sempre em prontidão, jazem 'decididos' a tudo fazer para que a tal máquina funcione infinitamente. É uma roda viva: formados na universidade, devidamente certificados e habilitados na arte da arrogância e do discurso falacioso, eles começam adestrando os aluninhos, ou seja, começam pela mais tenra infância, e vão até a universidade. (Um circulo vicioso perfeito, capaz de manter intactos os interesses escusos desse governo mal intencionado).

Chega. Não quero mais pensar na indigência educacional do Brasil. Não quero mais pensar em Mãe Sorridente Com Criança Que Vai Pro Colégio Ano Que Vem. Quem quer saber de sol, lua e borboletas?

Marli Soares Borges

Imagem: Google

24 janeiro, 2016

O CHECK UP DO MOLUSCO



padroeiro dos preguiçosos


Quando eu soube que o molusco iria internar-se para fazer check up, surgiram milhares de posts torcendo para que os médicos encontrassem alguma doença grave, de preferência, terminal. 

Pois eu não penso assim. Até porque, vivo ou morto, para mim, ele não faz a menor diferença. 

O problema é outro: o povo brasileiro adora um coitado e, certamente iria derramar lágrimas e transformá-lo num herói, apesar de todas as porquices que ele fez com o nosso país. E, sinceramente eu não toleraria esse molusco canonizado como padroeiro dos preguiçosos, mentirosos e incultos. 

Por isso, desejo que ele esteja num estado de saúde que não o impeça de responder pela grande merda em que transformou o Brasil. Aliás, se um dia ele for condenado por algum crime, para mim, não será surpresa, no mínimo será compatível com a história de vida, da qual ele tanto diz se orgulhar. (Na verdade eu nunca esperei nada de bom pelas mãos desse sujeito). 

Nossa! até me perdi. 

Agora vou adiante, desejo que ele tenha ainda uma certa força e lucidez para candidatar-se novamente a presidente. Quero vê-lo no segundo turno, tendo que apoiar outro candidato; quero ver seu nível de popularidade baixar aos tempos em que ele era baderneiro em São Bernardo. 

E se você é adepto do mimimi e não concorda comigo, por gentileza, recolha-se à sua TL para grasnar.

Marli Soares Borges

11 janeiro, 2016

SONHOS NÃO SÃO BOBAGENS


anseios, ilusões


"Sonhos não são bobagens" já dizia Shakespeare e eu concordo, são os sonhos que nos aproximam das nossas utopias. Nossos sonhos atravessam a barreira do inimaginável e ecoam na eternidade. Acredito nessa energia do cosmos, do além, da natureza pura! Mas para que nossos anseios não se percam na teia das ilusões, penso que os sonhos, assim como as idealizações, devem ser construídos levando-se em consideração o terreno instável de nossa própria humanidade. Erraremos muito. Seremos rejeitados. A decepção nos acompanhará em algumas empreitadas. 

Mas outras vezes acertaremos.  

Concretização de sonhos é assim. É um processo: uma sequência constante de acontecimentos, cujas ações apresentam uma certa unidade e se desenvolvem de modo -- nem sempre -- regular. Algo está sendo feito e ninguém sabe qual será a dose de sacrifício pessoal exigida. Por isso, acho importante seguir a Palavra: "vigiai e orai para que não entreis em tentação". Muitas vezes sucumbimos à tentação e nossa vida vira de pernas para o ar. Sonho é coisa séria!

Marli Soares Borges

09 janeiro, 2016

OS MANDANTES



dante, virgilio
Dante e Virgilio diante da entrada do inferno.
Ilustração: Helder da Rocha


Não é possível que ninguém desconfie quem são os mandantes. Pense comigo: a quem interessa, neste momento, que o caos social se estabeleça? Quem é que tem sido ameaçado de ser destituído do poder mas não quer largar o osso de jeito nenhum? Pois é, mas tem retardado no facebook que não consegue enxergar o óbvio: toda vez que há uma manifestação legítima, pacífica, sem bagunça, apenas para repudiar as situações injustas que vivemos, tudo começa bem e segue numa boa, até que, ao final, aparecem os "cobras mandadas" para instaurar o caos. Coloquem isso na cabeça: nenhum cidadão normal, de bem, vai sair por aí destruindo o patrimônio da cidade, muito menos nós, os "particulares", porque somos nós que trabalhamos e sustentamos esse patrimônio. Nós é que precisamos utilizar esse patrimônio. Logo, uma destruição patrimonial seria pura burrice. A baderna só interessa aos "patrones", que não querem reconhecer nem atender o legítimo clamor do povo e muito menos preocuparem-se com explicações. Esses corruptos e corruptores não suportam a ideia de que a vida tome o rumo certo e a união do povo lhes tire a chance de continuarem a roubalheira. Cada vez que acontecem essas badernas mantidas a pão com mortadela, os mantenedores do pórtico do inferno comemoram o trabalho de seus cães.

Marli Soares Borges