29 junho, 2014

DOCE AMARGURA

doce amargura

"Ousar é perder o equilíbrio momentaneamente. Não ousar é perder-se." 
Kierkegaard, poeta e teólogo católico dinamarquês


Fácil, fácil. A gente anda dois passos e topa com alguém desamparado, abatido, culpado, pronto a pedir perdão e desfiar um rosário de lágrimas. Para ser infeliz não precisa nada, basta apenas colocar o pezinho no mundo e ir se perdendo e se conformando com a mediocridade da vida.

É impressionante a pressão velada que fazem as instituições para que ninguém saiba nada; não acredite em nada e para que a fé se perca. Hoje em dia só vale a superfície: a ignorância e a burrice são as grandes vedetes sociais, marionetes em alta. -- Nossa, meu estômago até embrulha com essas coisas --. E esse povo inerte, só choramingando, meu Deus, o que é isso?

Mas andei lendo a respeito, -- e como sempre pensei --, esse marasmo social não acontece assim do nada. Nos bastidores do teatro há uma estrutura contendo mecanismos infalíveis para transformar você em marionete e fazer com que você mesmo assegure alguém no poder. Qualquer poder, desde que sirva a outros interesses, que não os seus. É a "Estrutura da Culpa". A culpa é o ingrediente fundamental que aprisiona as ações humanas. De mãos e pés amarrados você se acomoda e jaz inerte, só chorando as mágoas, nessa espécie de limbo, que costumo chamar de Doce Amargura.

E o mais incrível é que tudo pode começar onde a gente menos espera: na família. O quê? Sim, pelo que entendi, parece que funciona mais ou menos assim: em criança incutem na sua cabeça uma culpa que você não tem, seja lá o que for. E você, culpado, não consegue sair dessa, e vai sofrendo, sem entender nada. E continua assim na escola e segue pela vida afora. Na sequência, você mesmo vai assumindo as culpas. E daí a assumir a culpa dos males do mundo é um passo: é sempre você que não sabe fazer isso ou aquilo, foi você que errou! E você vai diminuindo, diminuindo, diminuindo... até insignificar. Quanto mais você cresce, maior a culpa e menor você. E isso se reflete em seus espaços sociais, em todos eles: trabalho, religião, política e no terreno mais delicado, no amor. E pensando bem, faz sentido. Acho.

(E como não poderia deixar de ser, na política, o sistema descobriu esse nicho e passou a apostar na infelicidade, nas limitações, nas mazelas sociais. Infeliz, você se torna vulnerável e manipulável. E num passe de mágica você está sempre pronto a negociar tua liberdade e ao mesmo tempo assegurar que o poder se perpetue em mãos indevidas. É simples: basta fazer o povo sentir-se culpado pelo mal-feito de quem está no poder. Tudo é o povo, eles roubam e a culpa é do povo.)

Mas não adianta chorar se o leite derramou. Se você encheu o saco dessa situação, o remédio é dar um jeito nisso, afinal você está vivo(a)! Mas saiba que você só tem você para se amparar. Comece fugindo dessa Doce Amargura que te aprisiona. Abandone "suas" culpas, repensando, achando o furo da bala. É complicado. Mas enfim, assuma ser feliz e aguente as consequências! Sim, as consequências, ou você acha que recuperar a liberdade vem assim num passe de mágica? Pensa que é fácil derrubar fantasmas? Pensa que é fácil derrubar um poder? Tenha consciência de si, do seu valor como pessoa, do que você realmente quer. A ação que resulta daí, vai desmontando passo a passo essa sensação de culpa que um dia se instalou na sua cabeça e no seu coração.

Ser feliz envolve revolta e loucura.

E não pense em desistir. Insista. Lute, cerre os punhos. Trema o queixo. Desestabilize-se. Ouse. É preciso coragem e ousadia para ser feliz.

Marli Soares Borges

26 junho, 2014

NÓS E OS NÓS

amor familiar
Como a família é uma lindeza na vida, 
acho que combina muito bem com essa flor 
que acho outra lindeza.


A família é o lugar onde a gente mais chora, mais briga, mais odeia. É na família que o coração aperta, o estômago arde e as lágrimas jorram. É na família que a palavra corta. Mas é também na família que os sonhos nascem e que a alegria explode sem explicação. É na família que o amor acontece em estado original e refrigera a alma. É na família que nossos mais sinceros sentimentos habitam e aparecem de cara lavada.

Tem gente perdendo de aproveitar a vida porque ainda não se deu conta disso. E seguem transformando laços em nós. Uma pena... 

- Marli Soares Borges -

23 junho, 2014

PEDRA NO SAPATO




Temos que parar de vez com essa mania de botar água fria no entusiasmo dos outros. Temos que parar de achar graça dos sonhos das pessoas, temos que parar de menosprezar-lhes os ideais.

É muito fácil tirar o entusiasmo e a disposição dos outros. Disso o mundo está cheio, de gente broxante, que puxa para baixo, que põe pedra no sapato dos outros. Quero ver, é você encorajar, fazer as pessoas se sentirem vivas, mantê-las em pé! Isso eu quero ver! 

Qual é o problema em dizer umas palavras legais para as pessoas, encorajá-las quando estão numa maré baixa? Se você não sabe, o dever de encorajamento é um dos mais elevados deveres de humanidade que temos uns com os outros... Uma palavra de apreço, de ânimo e reconhecimento fortalece o coração das pessoas, e muitas vezes, é apenas esse amparo que necessitamos, para não desistir e continuar tocando a vida para frente. 

Aprenda a encorajar! Faça um esforço, em vez de chá broxante, ofereça um café, uma cerveja, um vinho... sei lá! Você consegue, tenho certeza!

Ou você acha que encorajar o próximo é mera convenção social só pra sair bem na foto? Se você pensa assim, que peninha de você: sua inteligência foi pro brejo e seu coração está deteriorado. Você não é ninguém.

                                                                 Marli Soares Borges

"As vezes, uma ou duas palavras amáveis são suficientes 
para ajudar alguém a desabrochar como uma flor."
Thich Nhat Hanh

17 junho, 2014

A ARTE DE DIALOGAR


Olá, pessoas!


A morte de Sócrates, pintura de Jacques Louis David, 1787


Vi ontem na internet a propaganda de um curso sobre a arte de dialogar. E pensei: já não era sem tempo! Tem gente demais perdendo a elegância; quando não concordam com algum ponto de vista, esquecem logo o debate, abandonam as ideias e atacam as pessoas. Sei lá, parece que são vocacionadas para o confronto. Imagino que aprisionadas em sua estreiteza de espírito, vivam em constante tensão e por isso extravasam suas frustrações, combatendo pessoas em lugar de combater ideias. Uma estupidez pungente. 

Eu fujo, quero distância dessa grei.

Fujo... mas dia desses, lá no facebook, alguém não gostou de um ponto de vista meu e apelando para a violência, verbalizou uma série de agressões. Tentou me atingir com uma voadora, direto na cara. Mas se deu mal: o golpe falhou. Luta corporal, o conhecido 'vale-tudo' não é comigo. Não atuo nessa área, jogo no campo das ideias.
  
Lembro de Sócrates, importante nome da filosofia ocidental, considerado por seus contemporâneos como um dos homens mais sábios e inteligentes da época, ele vivia dizendo "só sei que nada sei". Para ele o diálogo era a única forma de buscar e transmitir sabedoria e verdade. Ele acreditava que através do diálogo era possível despertar a consciência das pessoas e ajudá-las na busca do saber. 

Eu também penso assim.

Penso no diálogo como uma atitude interna de cada um de nós. Uma exposição pacífica de razões e argumentos, um empenho em tecer uma explicação de coisas que possam ser compartilhadas e entendidas por todos os que têm capacidade de pensar e que buscam não só a verdade, mas os modos de acessá-la. Assuntos, opiniões, livros, músicas, etc são coisas que podem ser compartilhadas, debatidas e compreendidas, ou seja, você toma conhecimento e outras pessoas também, e a partir daí busca-se, no diálogo, as nossas compreensões. O diálogo não é uma via de mão única, ele inclui convergências e divergências.

E suporta os mais variados pontos de vista.

Tenho esperança nas relações dialogais. Talvez os preconceituosos, donos da verdade, me achem sonhadora, e sou mesmo (do contrário eu já teria jogado a toalha e deixado de me ocupar com essas questões). Creio que o que aconteceu lá no FB, foi um modelo de comunicação travada, mas que pode ser melhorado através do diálogo. Dialogando, é possível ampliarmos os limites do espírito, questionarmos nossas próprias idéias e aguçarmos nosso raciocínio, pois como Sócrates não cansa de nos lembrar, nada nos afasta mais do conhecimento do que o pseudo-conhecimento, esse miasma que se parece tanto com o conhecimento, mas que, de fato, não é.

Sem guerras, please, estamos em tempo de paz.

Marli


15 junho, 2014

DA SÉRIE GATICES III



dongo lixo



A gente nunca sabe quando faz as coisas certas na vida. Mas hoje, agora, nessa noite fria, nessa umidade que gela até os ossos, comecei a matutar... às vezes a gente sabe sim. 

Enquanto vou digitando e o Nilton vai acompanhando mais um jogo da Copa na TV, o Dongo - aquele gatinho pretinho, meu netinho peludinho - está na caminha dele, embaixo do split, aproveitando o calorzinho e dormindo um soninho legal. Ele está tranquilo, de barriga cheia, com a saúde em dia, amado e protegido. E ele sabe disso, ele sente, tenho certeza. 

Mas se o Dongo vive aqui na terra, num céu assim tão azul, é porque minha nora, num ato de coragem, enfrentou uma situação inusitada e o resgatou do inferno. Para quem não sabe, vai um resuminho básico: ano passado, ele era apenas um micro gatinho, poucos dias nascido e lá estava, desesperado de fome... jogado no meio do lixo! Abandonado como um objeto sem valor. 

Quando boto os olhos nele e começo a pensar, e me dou conta do que poderia ter-lhe acontecido, me arrepio até os dentes. Certamente se estivesse vivo esse gatinho tão amável, estaria sofrendo todos os tipos de atrocidades nas mãos de crianças estúpidas e grosseiras e de adultos ignorantes. Ainda bem que, para ele, a história teve outro desenrolar. Mas não posso deixar de pensar nos outros, seus irmãos de ninhada, meu Deus, como é possível isso? Como permites que os animais dividam seus espaços conosco, suas existências conosco e você os coloque assim no mundo, tão indefesos, sempre à nossa mercê? Não entendo, e quer saber? entro em parafuso com esse pensamento. Ao mesmo tempo, me parece impossível que um ser vivo, completamente indefeso, possa ter sua vida vilipendiada assim, vítima inocente da perversidade humana. 

No caso especial, - do Dongo - ainda me incomoda saber que essa gente imunda escapou impune, mas infelizmente não foi possível identificar ninguém. E vai me batendo uma amargura... então, antes que me dê aquele banzo pelas injustiças do mundo, vou largar o computador e bater uma fotinho legal. Taí a foto, pra você ver a mordomia. E eis que uma sensação de serenidade toma conta de mim. É. Não se pode fazer tudo por todos, quem me dera, mas o ideal sempre irá se contrapor ao real. É mais ou menos como o bem e o mal. O mundo é assim, por mais que nos custe reconhecer. E nem pense em dizer que estou sendo maniqueísta. Não mesmo.

Mas como eu estava dizendo, algumas coisas a gente acerta. E minha nora acertou. E hoje em dia não me imagino mais sem esse netinho peludinho. Esse gatinho pretinho e... gordinho. E de regime! Um discreto regime, rsrsrsrs... que é para não perder a forma, rsrsrsrsrs! 

- Marli Soares Borges -

12 junho, 2014

DIA DOS NAMORADOS



Bom dia,

Minha homenagem aos namorados, ao amor em flor... ao amor, esse sentimento universal que nos enamora com o outro e que faz a vida valer a pena!

Com esse lindo poema, pretendo homenagear alguém em particular: o meu Nilton, que está na minha vida desde meus 14 anos de idade, há 50 anos. Ih, já faz tanto tempo... sempre ao meu lado, nos meus sóis e nas minhas sombras, nos meus brilhos e nas minhas opacidades. É nele que penso, sempre que ouço essa música. É a imagem dele que esses versos desenham na minha alma. [O Nilton não tem blog, mas vou mostrar esse post para ele]. Sim, é o amor que está no ar! Sim, continuo achando que o amor é lindooooo! Mas o amor? Que é mesmo o amor? É muito simples, é "desejar o bem do outro", e acrescento, desejar do fundo do coração. Não fui eu que registrei essas palavras, - foi Joyce - mas é isso que penso e digo, e faço. O mais? adeja na superfície.


“Eu sem você sou só desamor. 
Um barco sem mar, um campo sem flor. 
Tristeza que vai, tristeza que vem. 
Sem você, meu amor, eu não sou ninguém?” 
(Vinícius de Moraes)

Esta é minha participação na blogagem coletiva da Norma. Achei que não conseguiria participar, mas consegui! Um beijo a todos os participantes. E bom dia dos namorados e boa copa, que também somos filhos de Deus e temos o direito de nos divertir!

Marli

09 junho, 2014

SENHA: SOLIDÃO


"Sua visão se tornará clara somente quando você olhar para dentro do seu coração. 
Quem olha para fora, sonha. Quem olha para dentro, acorda."
Carl Jung

"Nunca é alto o preço que se paga pelo privilégio de pertencer a si mesmo." 
Friedrich Nietzsche

A solidão mora em mim, mora em ti, mora em cada um de nós. É parte do nosso próprio eu. Nascemos sós e morreremos sós. Por isso que não me refiro aqui à solidão poética, nossa conhecida solitude. Falo da solidão interior, da conexão com o nosso eu. Ninguém, por mais que nos conheça, por mais que nos ame, conseguirá sentir as nossas dores ou sorrir o nosso riso. Ninguém. É urgente entender isso. E encarar, e aprender a ser só. Lembra aquela canção? É por aí. Cada um tem que viver com seu próprio eu, fazer suas próprias escolhas, tomar suas próprias decisões. Aprender logo esse jogo e livrar-se da necessidade insana de obter aprovação dos outros para tudo o que faz na vida.

Não sou dona da verdade e nem pretendo ser, o que digo é fruto da visão que tenho sobre esse assunto e que decorre apenas das minhas vivências. Acho básico na vida o ser , que traduzo aqui como a capacidade que cada um de nós tem de conquistar para si a segurança -interna- de fazer escolhas e tomar decisões de forma independente. Mas essa é uma conquista que pede atitudes bem determinadas: é preciso fazer silêncio e aguçar os sentidos. Assim, nesse estado de graça, você consegue ouvir a solidão interior, essa amiga poderosa e gentil que habita nossa alma, e que conhece como ninguém os meandros dos nossos próprios silêncios. Precisamos aprender a escutá-la, para então, pegar carona na liberdade. Não conheço nada que nos escravize mais, do que viver pedindo aos outros que aprovem tudo o que pretendemos fazer. E tenho absoluta certeza de que as escolhas e decisões que realmente dão sentido à nossa existência devem ser tomadas por nós, em estado de graça, sem interferências externas. Se forem submetidas ao crivo alheio, deixarão de serem nossas e, no futuro, se não nos fizerem sofrer, também não nos farão vibrar, e a vida, você já sabe... não tem volta.

Enfim, toda essa conversa para dar uma dica no jogo: o silêncio é o caminho; a solidão é a senha. Depois, é só abrir os olhos e olhar ao redor, e procurar com calma, sinta que você está agora noutro lugar, num lugar secreto onde só você tem acesso. É aí que você vai encontrar todas as respostas para todas as perguntas e, na sequência, finalmente! sentirá dentro de você uma segurança muito tranquila, que não te impõe essa vigília constante para ver se os outros aprovam ou não, aquilo que você quer. A cereja do bolo é que esse tal lugar - secreto, mágico e libertador - está dentro de cada um de nós e é acessível a todos. Porém, - sempre tem um porém, rsrsrs -  se você esquecer o caminho ou a senha... lamento, você perdeu! Impossível acessar o seu coração. Volte à etapa anterior.

Marli Soares Borges

"Não deixe o barulho da opinião dos outros abafar sua voz interior. E mais importante, tenha a coragem de seguir seu coração e sua intuição. Eles de alguma forma já sabem o que você realmente quer se tornar. Tudo o mais é secundário."

Steve Jobs


07 junho, 2014

AS PALAVRAS E OS ANJOS

anjos

"A morte e a vida estão no poder da língua; e aquele que a ama comerá do seu fruto." 
Provérbios 18:21

"Guarda tua língua do mal, e teus lábios das palavras enganosas." 

Salmos 34:13

A linguagem -- falada e escrita -- dirige nossos pensamentos para focos específicos e nos ajuda a criar a realidade, limitando ou potencializando nossas possibilidades reais. Saber usar a linguagem com precisão é essencial para nossa vida. Afinal, é através da palavra que nos comunicamos uns com os outros.

As palavras são manifestações soberanas de nossos pensamentos e podem nos salvar ou infernizar nossa existência. É mais ou menos assim: você fala, e ao falar está ouvindo a sua própria voz. E se levarmos em consideração que nosso inconsciente registra e assume como verdade tudo o que a gente diz, aí está um bom motivo para termos cuidado com nossos ditos e imprecações. Nessa vibe, todo tipo de percepção que tivermos irá fazer diferença, pois quanto maior a noção de linguagem, maior nosso entendimento do mundo e como diz Ludwig Wittgenstein, "os limites da minha linguagem são os limites do meu mundo".

E, ademais, tem os anjos. E tem nosso anjo-da-guarda pessoal, que fala conosco por intermédio de nosso inconsciente. Como assim, Anjos? Isso mesmo. Andei lendo uma literatura especializada e fiquei sabendo que os anjos são seres etéreos que vivem no astral, adejando a nossa volta e sempre atentos a tudo o que dissermos. Como são éteres, eles não têm memória e nunca julgam o que a gente fala, apenas limitam-se a nos ouvir e a dizerem amém. Já viu, a gente fala e os anjos dizem amém! Desta feita, nossas falas assumem contornos... exponenciais. Mamma mia! A explicação está em que "não somos seres humanos vivendo uma experiência espiritual, somos seres espirituais vivendo uma experiência humana”.

Bom, recado dado.

De qualquer forma, mesmo que você ache essa história de anjos, uma grande besteira e não acredite em nada do que falei, é bom lembrar que a comunicação é tudo que temos para nossas interações e que isso, por si só, já é o bastante para exigir de nós um manejo cuidadoso e atento das linguagens que utilizamos no dia a dia. 

Marli Soares Borges

05 junho, 2014

O DIÁLOGO



R. Magritte  - "O Professor"


Bom dia a todos.


O diálogo representa para mim, uma grande possibilidade de evoluir... de respirar. Dialogando amenizo o desespero pungente que sinto quando estou com o pensamento guardado. No diálogo meu pensamento respira. 

Ontem meu filho estava muito feliz. Foi um sucesso a palestra que ele fez no estúdio, para uma turma de universitários, a convite da universidade. Estavam todos interessados em seu trabalho, no que ele mais gosta de fazer: produzir música. E à noite, aqui em casa, estivemos os três, meu filho, minha nora e eu, num diálogo muito bonito. Iniciei perguntando sobre a palestra e estendemos o nosso bate papo sobre vários assuntos. E o resultado foi, que tivemos aprendizados e ensinamentos. E, no final das contas, estávamos todos interessados em pensar o presente e o futuro das artes - da música principalmente -, e das letras em nosso país.

E porque estou pensando em nós ontem, que dialogamos, ouvimos, falamos e pensamos juntos, que aprendemos e ensinamos, decidi escrever esse texto. E porque foi tão salutar e revigorante nossa conversa, acabei pensando na não-conversa dos poderosos que, autoritários e preconceituosos, abominam qualquer relação dialogal que possa trazer aproximação entre uns e outros.

Eles não se preocupam em ver a existência do outro e muito menos em saber como o outro pensa. Eles acreditam que encontraram a verdade antes de todo mundo e que, por isso, estão autorizados a usá-la em seu favor, como arma, para humilharem os outros, os burros, que é assim que apelidaram os que discordam de seus axiomas. Essa gente não tem afetos, estão sempre em busca de poder, não importa qual, por menor que seja, desde que represente um poder. Das duas uma, ou não têm cérebro, ou seu autoritarismo é tanto que paralisou seu pensamento, pois a única coisa que eles conseguem fazer intelectualmente é produzir negações abstratas sobre quaisquer assuntos que cheguem aos seus ouvidos. Gente assim, ignorante e fascista, não se dá bem com argumentos. E foge do diálogo, como o diabo da cruz. 

E os que valorizam o diálogo e a reflexão? Onde ficam em tudo isso? Bom, eu continuarei por aqui, em busca da luz do saber. Sabe de nada inocente. Rsrsrs.

Beijos
Marli

02 junho, 2014

ESCAPANDO DO PRESENTE

Olá, todo mundo!

Sou a favor do diálogo e da reflexão, mas penso que o excesso de reuniões perde o foco e retarda a ação. O pensamento fica enclausurado e ninguém sai do lugar. E o pior, usa-se o futuro para escapar do presente, para não fazer o que precisaria ser feito agora. E isso não é uma boa, nunca foi. O agora é a única realidade sensível e concreta que temos a nosso dispor... é agora que podemos fazer as coisas acontecerem. O amanhã é suposição, um mero dado hipotético.

Bjs
Marli