30 maio, 2013

JOÃO E MARIA: CAÇADORES DE BRUXAS



RESENHA DE FILME
Título original: "Hansel and Gretel: Witch Hunters"

Domingo estava bastante frio por aqui. Durante o dia o sol deu uma bela aquecida, mas à noite..., pra quê, todo aquele gelo? Nada melhor do que ar condicionado quentinho, pipoca e filme. Então escolhi "João e Maria", um filme do norueguês Tommy Wirkola. Não posso viver só de Tarantino.

Liguei o DVD esperando nada, de peito aberto, e quer saber? Gostei e me diverti. O filme é focado no entretenimento e atinge esse objetivo muito bem. Contudo, "João e Maria: Caçadores de Bruxas" não é o bicho que eu tinha ouvido falar, e Tommy Wirkola também não se confirmou entre meus diretores favoritos.

O filme vai bem ao encontro do que está na moda no cinema atual: as releituras sombrias de contos de fadas. Gostei da interpretação de Gemma Arterton -- linda -- no papel de Maria, mas Jeremy Renner não me convenceu na pele de João, faltou alguma coisa, sei lá, achei ele meio desconectado. Mas também achei ele um gato. Famke Janssen valeu como bruxa má, adorei. A trama do filme começa algum tempo depois dos acontecimentos narrados pelos Irmãos Grimm naquela fábula que todo mundo conhece. Vou resumir aqui, só pra refrescar a memória. Abandonados na floresta pelo pai, João e Maria encontram uma casa de doces, onde são aprisionados por uma bruxa má. Espertos, eles conseguem se livrar e colocam a dita cuja no mesmo forno onde ela pretendia cozinhá-los. Na sequência fogem dali. Um salto no tempo e aqui estão eles novamente. João e Maria, agora adultos, ganham a vida como caçadores de recompensas. São especializados em capturar bruxas.

No início, o filme é meio chatinho e a gente acaba pensando que vai enveredar na velha história do gato e rato. Mas lá pelas tantas acontece uma reviravolta e o casal de heróis tem de enfrentar um mal muito maior do que as bruxas más. Não, não vou contar. Os diálogos, apesar do excesso de gíria, até que são bem interessantes. Rola palavrão a torto e a direito, coisa que a legenda pudica tratou de eliminar. Acontece que contar uma história medieval com linguagem pop é complicado mesmo. Mas o que não falta nesse filme é estilo e charme. O visual é excelente e o figurino não fica atrás. Achei superbacana.

É, gostei. Mas não apaixonei. Foi por causa do roteiro? Não sei, mas tenho a impressão que sim. Tem histórias misturadas, muitos cortes, e sinceramente esse tipo de condução acelerada não faz minha cabeça. Mas isso não desmerece o filme, não mesmo. É coisa minha, to batendo pino.

O que vale mesmo está seguro: muita ação, muito humor e pinceladas "trash" garantem a diversão! A gente se diverte com o terror, com a maluquice, com a violência explícita, excessiva e cartunesca que nos pega desprevenidos. Minha nossa, é sangue pra todo lado, cabeças pra lá e pra cá, tiroteio que não acaba mais! E o arsenal bélico dos heróis? Bom, isso é um capítulo à parte. A começar pelo transporte, eles andam em cada geringonça do arco! E vivem às voltas com armas gigantescas, engenhosas e sofisticadas capazes de fazer inveja ao Schwarzenegger. E dê-lhe pancadaria! Okok, mas no meio disso tudo, a doença do açúcar e uma injeção de insulina? Essa não! Mas enfim, quem se importa? Uma doideira misturada com deboche toma conta do ambiente e você, é claro, não se aguenta. É tudo muito louco. Putz, ia me esquecendo: você acredita que, com toda agitação, ainda houve espaço pra rolar um clima entre João e uma bruxa boa? É, houve. E tem bruxa boa sim. Em todos os sentidos.

Bom, acho que deu pra dar uma ideia do filme. Então. Se você estiver a fim de dar umas risadas sem compromisso, recomendo. Mas volto a dizer, é um filme-pipoca, de entretenimento inconsequente e descartável. Não espere nada além disso.

Em tempo: Gemma Arterton (Maria) é a tal nas artes marciais. Nossa, ela dá cada golpe que só vendo! Luta superbem a madame!

© Marli Soares Borges, 2013