25 junho, 2011

SITUAÇÃO

Olá todo mundo!
Recebi alguns emails pedindo-me para escrever algo sobre o Direito na internet, numa abordagem dirigida aos blogueiros(as). Vou escrever, prometo. Em breve um post sobre o assunto. Hoje vai só uma palhinha, pra situar.

Quando pequena eu tinha um certo talento para a ingenuidade factual. Acreditava que se fosse obediente e estudiosa seria recompensada: ganharia as coisas que eu gostava. Acreditei durante muito tempo que o bem-te-vi era meu amiguinho particular, que ele cantava dizendo "bem-te-vi", apenas para avisar minha avó que eu estava me comportando bem, que estava pronta para receber os presentes. Foi um choque quando a ficha caiu, quando eu soube que as tais recompensas não funcionavam bem assim, que conduta ilibada é dever de cada um de nós. E que os bem-te-vis sempre cantavam daquela forma, porque era aquele o seu canto. Talvez eu ainda descubra outros equívocos desse tipo na minha vida, sei lá. (É possível, mas improvável, creio eu). No final das contas guardo comigo a lição básica que tirei de tudo isso: na vida sempre há algo para se aprender. Se estamos vivos, aprendemos. Que tal então abandonar de vez a ingenuidade e aprender que na internet ninguém, absolutamente ninguém é anônimo e que portanto você não pode fazer o que quiser, e que se abusar de seu direito de expressão e sair ofendendo os outros e violando os direitos autorais, pode sofrer punições legais e jurídicas? Saiba que no mundo virtual, como no real, ninguém pode simplesmente mandar às favas qualquer resquício de ética que já tenha tido. Pense nisso e não marque bobeira.

Beijos a todos.

21 junho, 2011

DROPS

Oi, desculpe, ando sem tempo. Não consigo mais postar nem comentar. Motivo? A cirurgia que meu marido fez na perna. Mas tudo correu bem, graças a Deus. Sei, senti, que você lembrou de nós em suas orações. Obrigada, por isso.

* * *

Gente, voltamos pra casa! Que maratona! O bom mesmo é que ele está melhorando rapidamente. E a novidade é que estou fazendo uns bicos: nas horas vagas sou enfermeira, atendente, secretária e motorista particular! Já viu. Nos dias em que estive no hospital, aproveitei pra ler um livro que minha filha me intimou. Chama-se "Solar", do norteamericano Ian McEwan. Achei delicioso e divertidíssimo. E superbem escrito. Fazia tempo que um escritor não me fazia dar umas boas risadas, principalmente a considerar o inusitado da situação: eu de acompanhante num hospital, em full time. Esse livro me ganhou. Minha filha leu "Sábado" e "Na Praia" e disse que são ótimos também. Ela é apaixonada por esse autor.

* * *

Tem chovido de montão por aqui. Como falei alhures, estou tendo que enfrentar o trânsito, por minha conta e risco. E que risco. Gente é um trânsito caótico. O planeta inteiro motorizado, transitando na rua, no meio da chuva. Olha, não sei o que impede as pessoas de se organizarem mentalmente para o trajeto que pretendem fazer. Puxa vida, se eu sei que daqui a duas ou três quadras terei que dobrar à direita, não seria mais lógico que eu estivesse na pista da direita  antes  do momento de dobrar? Evitaria tranqueiras e o trânsito fluiria melhor, óbvio. Mas então porque algumas (muitas) pessoas não têm esse mínimo de discernimento? Porquê? Definitivamente, essa desordem mental me enerva. E os pedestres na chuva? Mamma mia, loucura total.

* * *

Ultimamente ando sonhando com um teletransporte. Mesmo.

Beijos a todos.

15 junho, 2011

BLOGAGEM COLETIVA - FASES DA VIDA: JUVENTUDE

Olá todo mundo!


O tema da blogagem é juventude. Hora de remexer o baú das recordações. Lá vai...

CHOCOLATE COM CERVEJA

Janeiro. Férias. Nós em Porto Alegre-RS. No money e eu doida pra sair um pouco da cidade, respirar. Foi então que um casal de amigos teve a ideia de fazer uma pescaria e meu marido disse que conhecia uma lagoa que dava muito peixe. O problema é que teríamos que viajar, pois a tal lagoa ficava pertinho da  fazenda velha, em Santa Maria, nossa terra natal. Logo, teríamos que acampar. Lembro perfeitamente que a namorada do tal amigo apressou-se em anunciar que levaria a barraca. E levou.

Éramos 8 - duas gurias e seis guris. Todos na faixa dos vinte, menos eu, com 17. Com exceção do casal de amigos, os outros eram primos e um deles, irmão do meu marido. Uma gurizada. Não lembro exatamente quem fez as compras no supermercado. Só lembro que alguém perguntou e alguém respondeu que estava tudo nos trinques.

E lá fomos nós, em dois carros. Chegamos em Santa Maria e seguimos viagem. Saindo do asfalto pegamos uma estrada de chão batido, toda esburacada, um terror. Passamos por Arroio do Só, macilenta, desértica, andamos mais alguns quilômetros e chegamos finalmente ao lugar de onde teríamos que seguir a pé até o nosso destino. O sol estava alto, mas dentro em pouco começaria a anoitecer. Fazia um calor dos infernos. Não lembro os outros, mas eu estava muito cansada e superempoeirada. Avistamos a tal lagoa, na outra margem do rio. Era um lugar muito lindo. Isso eu sabia, já passara naquelas imediações, algum tempo atrás. Pegamos nossas tralhas e atravessamos o rio, numa parte bem rasinha. O rio era transparente, não esqueço.

Putz, me perdi. Ah, sim. Hora de armar a barraca. Então a primeira surpresa: uma mini barraquinha, daquelas que só cabiam dois! Mas como? A gente estava tão confiante. Okok. Todo mundo achou tudo muito engraçado e ficou resolvido que as gurias se instalariam na barraca. E os guris? Na cerveja e na pesca, oras!  À noite, sob a luz do lampião, tudo era motivo de riso, farra mesmo. E a cerveja corria solta.

Lá pelas tantas bateu a fome. E veio então a segunda surpresa: tinha água, erva-mate, condimentos, cervejas, material de higiene, repelente de insetos, etc. e... zero comida. Santo Cristo, e agora? Aos peixes. Nossa barriga roncava alto. Alguém pescou um peixinho, grelhamos e dividimos irmãmente. A noite avançou e nada de peixes, só uma cobra dágua. Lá pelas tantas começou a esfriar. Um frio ducaralho, como diria meu filho. Roupas quentes? Nada. Quem suspeitaria daquele frio? E a fome pegando pesado. Então lembrei do chocolate que eu havia trazido. Era uma barra grande, sou louca por chocolate! Dividi com a turma. E foi esse o nosso único alimento.

Na madrugada, todo mundo mais pra lá do que pra cá, de tanta cerveja e tanta fome. E congelados. Ninguém queria mais saber de peixe nem do fogo de chão. Dois de cada vez, por um tempo "x", entravam na mini-barraca pra se aquecer. Naquela noite, literalmente, comemos o pão que o diabo amassou. Mas apesar de tudo, nem por um instante pintou a discórdia entre nós. Aguentamos firme.

Na manhã seguinte um dos guris resolveu dar uma rápida explorada no território em volta. E a surpresa final: bem ali, a poucos passos de nós, havia um galpão, e mais adiante a morada do caseiro, gente boa, conhecida de nós. Uau. Se a gente adivinhasse, eu estaria hoje, contando outra história.

Retornamos para casa, nosso paraíso, descobrimos.

Nunca mais esqueci aquele episódio. Nem a fome, nem o frio, nem o cansaço tiraram a magia daquela noite e a beleza daquele lugar. Agora, se a tal lagoa dá peixe, isso pra mim é história de pescador. Em todo o caso, o saldo até que foi positivo: um peixinho e uma cobra dágua. Tsc, tsc. Quer saber? O saldo foi pra lá de positivo! Solidariedade: dez; companheirismo: idem. E hoje em dia, rende um bom ibope: os amigos nossos, dos nossos filhos, etc, todo mundo adora quando conto esse causo. Óbvio, ao vivo e a cores, trago os detalhes que omiti pra não alongar esse post. E a gente ri muito. Nossos primos também já passaram adiante a história. O casal de amigos? Separaram-se e eu nunca mais tive notícias.

De resto, a juventude foi palco dessa (in)experiência fantástica, desse episódio que em si, foi o festival dos horrores, rsrs, mas, sem dúvida, um baita up grade na preparação para a vida que cada um de nós teria a partir dali.

Beijos a todos.

- - - - - - - - - - - - - -

Cheguei agorinha do hospital. Amanhã cedo será a cirurgia do meu marido. Contei tudo no post anterior. Demorou, porque precisava antes estabilizar a pressão. Deus nos abençoe.

Sorry, fiz esse post, rapidinho, nem revisei.

- - - - - - - - - - - - - -


Esta postagem é minha participação na Blogagem coletiva  proposta pelas amigas:
Rosélia do http://espiritual-idade.blogspot.com/
Gina do http://nacozinhabrasil-gina.blogspot.com/
Rute do http://publicarparapartilhar.blogspot.com/

11 junho, 2011

EM BANHO-MARIA

Olá turma,

Poucas vezes encaro a direção do carro. Por uma questão de foro íntimo: não gosto de dirigir. Ainda mais nesse trânsito maluco. Meu marido, filhos, genro e nora dirigem para mim. Dirijo só por necessidade. Logo, nunca considerei a hipótese de dirigir a caminhonete de minha filha. Quando ela me falava, mãe é mais fácil pra ti, experimenta, é tudo automático, tu não tens que te preocupar com nada e blablablá, eu recorria a todos os chavões pra encerrar o assunto: só dirijo o meu peugeot. Ponto. E quando eu quiser. Ponto. Pra que vou pegar essa enorme caminhonete, sem embreagem? Sem mudanças? Tô fora.

Hoje, depois de ter dirigido, por absoluta necessidade, durante uma semana inteirinha, a tal caminhonete, já penso diferente. Quer saber? Amei! Moleza, é só cuidar o volante. Um legítimo carro de preguiçoso, rsrs. Acelero e ela anda; freio e ela pára. E na subida, arranca sem descer um centímetro para trás. (Seguinte: esse é um segredo que conto só pra você, pois pretendo continuar no meu embalo de sempre, com motoristas e tudo o mais, hehe).

Chega de papo furado. Falei, falei e não contei o que me levou a encarar a direção com tanto empenho. Olha só. Meu marido aprontou. Esse verbo aí fica por conta da minha netinha: "Ô vô, que foi que tu aprontou?" Malandra. Rsrs.

Ele quebrou a perna direita em cinco lugares. C i n c o. Ninguém merece. Segunda vai direto pra cirurgia. Estamos no maior sufoco, rezando, pedindo a proteção divina. Que coisa, ele estava aqui no sítio, simplesmente caminhando, quando trancou o pé na raiz duma árvore, o corpo alavancou e pimba! Agora? Bom, agora os cuidados necessários. No mais, ele precisa de duas coisas básicas: espaço pra espichar a perna e... motorista! Tsc, tsc. Sentiu?

É neguinha, chegou a tua vez. Hora de arregaçar as mangas e carregar o marido pra lá e pra cá, enquanto for necessário. Onde? Na caminhonete, oras! Com aquele espação não tem perna que aperte. Ainda bem que a Hilux SRV - é esse o nome dela - já me tranquilizou: vai me levar pra onde eu quiser, é só acelerar e frear. Touché.

Moral da história: "nunca despreze a caminhonete de sua filha, um dia teu marido pode aprontar, e você vai precisar umas caronas, e então...".

Beijos a todos

01 junho, 2011

TRIUNFO DAS NULIDADES

Olá pessoal!

Recebi um email, bilhões de repasses, sem autoria, portanto não me cobre. Mas como é um assunto que sempre está em ebulição, dei uma repaginada no vernáculo, rsrs, e resolvi transformar em post, pra saber a tua opinião. Mas uma certeza eu tenho, se não fosse trágico, seria cômico. Quer ver? Dá só uma olhadinha, então.

Você estudou? - BEM FEITO!

O Brasil vai bem, obrigado, para os parasitas, os que nada produzem, os jogadores de futebol e os políticos: Ronaldinho Gaúcho: R$ 1.400.000,00 por mês, homenageado na "Academia Brasileira de Letras"; Tiririca: R$ 36.000,00 por mês, fora auxílios e mordomias, membro da "Comissão de Educação e Cultura do Congresso". E por aí vai. Agora veja o Piso Nacional dos professores: R$ 1.187,00... Moral da História: Os professores ganham pouco, porque só servem pra nos ensinar coisas inúteis como: ler, escrever e pensar. Sugestão: Mudar a grade curricular das escolas.

Ideia inicial:
  • Educação Física: Futebol.
  • Música: Sertaneja, Pagode, Funk, Axé.
  • História: Grandes Personagens da Corrupção Brasileira; Biografia dos Heróis do Big Brother.
  • História da Arte: Evolução do Pensamento das "Celebridades"; De Carla Perez a Faustão.
  • Matemática: Multiplicação Fraudulenta do Dinheiro de Campanha; Cálculo Percentual de Comissões e Propinas - Como aumentar.
  • Português e Literatura: Excluídas, não servem para nada.
  • Biologia, Física e Química: Excluídas por excesso de complexidade.
Que tal? Bom, fica aí uma ideia inicial, mas o fato é que temos que nos adaptar às exigências do mercado de trabalho. Pense nisso.

Enjoy!
Beijos a todos.