26 maio, 2011

OURO EM PÓ

Mão-de-obra-qualificada-sem-restrição-de-idade. Eis a moderna visão de mundo, a nova realidade que está surgindo. Nessa visão de mundo, a velhice não é mais computada pela data de nascimento, mas sim, pela velhice de espírito. Já tenho visto em vários lugares pessoas sugerindo, inclusive, que paremos de chamar de idoso o pessoal da faixa dos 60, mas, bom... isso é outra conversa. Cá  entre nós, velho mesmo é o sujeito preguiçoso, emburrecido, desanimado, desatualizado, tenha a idade que tiver. Não há limite de idade para se trabalhar num restaurante, num supermercado, numa loja de conveniência, numa livraria, numa loja de som, numa locadora, etc. o que define o bom funcionário é sua disposição e capacidade. Um(a) jovem na faixa dos vinte pode muito bem ser um péssimo atendente, ter má vontade para realizar um serviço e não entender nada do métier. Um velho também. Ou tudo ao contrário. Nada disso é privilégio de uma faixa etária somente. Eu, por exemplo, sou uma bola murcha, uma anciã, pra trabalhar na cozinha, lavar e passar, e se tivesse que trabalhar numa locadora, nem pensar, rsrs, mas ainda sou uma criança quando ando em busca das coisas que realmente gosto de fazer, como estudar, advogar (no terceiro setor, óbvio) ler, escrever, brincar com os netos, fazer meus origamis e, mais recentemente, blogar. ;)

Enfim, como eu ia dizendo, o mundo está mudando. Se na vida social a maturidade parece ter se transformado num valor obsoleto, na vida profissional, pelo menos na minha, a maturidade pegou bem. E não preciso me vestir como uma jovem. As instituições que atendo, são, a meu ver, uma prova concreta dessa moderna visão de mundo. \o/

Marli Soares Borges

24 maio, 2011

O SERMÃO DA MONTANHA - VERSÃO PARA EDUCADORES

Olá turma,

Ser professor não é mole. Amanda Gurgel que o diga, taí ela bombando na internet. Merecidamente, a meu ver. Aproveitando a onda, venho aqui mostrar um lado bem lúdico da vida do professor. E, para isso, aproveito um texto que recebi por email. Aparentemente é uma bobagem, mas não é. Você vai ver, brincando ele diz a verdade, aquela que ninguém vê, ou melhor, ninguém quer ver. Não adianta me perguntar quem escreveu, não tenho a menor ideia, pena não ter sido eu. Droga, bem que poderia ter sido, gostei tanto... Bom, vamos lá.

Naquele tempo, Jesus subiu a um monte seguido pela multidão e, sentado sobre uma grande pedra, deixou que os seus discípulos e seguidores se aproximassem. Ele os preparava para serem os educadores capazes de transmitir a lição da Boa Nova a todos os homens. Tomando a palavra, disse-lhes:

- Em verdade, em verdade vos digo:
- Felizes os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus.
- Felizes os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados.
- Felizes os misericordiosos, porque eles...?

Pedro o interrompeu: - Mestre, vamos ter que saber isso de cor?
André perguntou: - É pra copiar?
Filipe lamentou-se: - Ei, esqueci meu papiro!
Bartolomeu quis saber: - Vai cair na prova?
João levantou a mão: - Posso ir ao banheiro?
Judas Iscariotes resmungou: - O que é que a gente vai ganhar com isso?
Judas Tadeu defendeu-se: - Foi o outro Judas que perguntou!
Tomé questionou: - Tem uma fórmula pra provar que isso tá certo?
Tiago Maior indagou: - Vai valer nota?
Tiago Menor reclamou: - Não ouvi nada, com esse grandão na minha frente.
Simão Zelote gritou, nervoso: - Mas porque é que não dá logo a resposta e pronto!?
Mateus queixou-se: - Eu não entendi nada, ninguém entendeu nada!

Um dos fariseus, que nunca tinha estado diante de uma multidão nem ensinado nada a ninguém, tomou a palavra e dirigiu-se a Jesus, dizendo:
- Isso que o senhor está fazendo é uma aula?
- Onde está o seu plano de curso e a avaliação diagnóstica?
- Quais são os objetivos gerais e específicos?
- Quais são as suas estratégias para recuperação dos conhecimentos prévios?

Caifás emendou:
- Fez uma programação que inclua os temas transversais e atividades integradoras com outras disciplinas?
- E os espaços para incluir os parâmetros curriculares gerais?
- Elaborou os conteúdos conceituais, processuais e atitudinais?

Pilatos, sentado lá no fundão, disse a Jesus:
- Quero ver as avaliações da primeira, segunda e terceira etapas e reservo-me o direito de, ao final, aumentar as notas dos seus discípulos para que se cumpram as promessas do Imperador de um ensino de qualidade.
- Nem pensar em números e estatísticas que coloquem em dúvida a eficácia do nosso projeto.
- E vê lá se não vai reprovar alguém!

E, foi nesse momento que Jesus exclamou: "Pai, por que me abandonastes..."


Bom, o resto você ja sabe. Tem muitos modos de finalizar essa história. Ih,ih você não quer se arriscar?, rsrsrs.

19 maio, 2011

SOLTANDO O VERBO

Olá turma. Hoje amanheci com saudades daqueles questionários que a gente fazia no passado, lembra? Tínhamos até um caderno especial, que corria de mão-em-mão. Todo mundo queria "assinar" o questionário. Saudosismo? Não. Saudades mesmo. É bom lembrar as coisas boas que a gente fez. Ainda mais quando surge a possibilidade de repeti-las. Repetir? Sim, sobre outras bases, com roupa moderna, óbvio.

O lance é o seguinte: tenho aqui umas perguntinhas, (toscas, você acha? Tá bom, tá bom.), mas com um pouquinho de boa vontade, dá pra responder e espichar conversa, contar a historinha. Soltar o verbo. Adivinhou! Jogo a bola e você rebate. Escolha a(s) pergunta(s) que quiser e manda ver nos comentários! Depois eu faço um post bem legal e linko pra você. É um mexe-mexe, ping-pong. O importante são as idéias fervilhando na cabeça e as letrinhas saltando pra telinha do lap!

;)

Se não quiser, ok, comenta e não responde. Democraticamente.

1.  Qual o maior susto que você já levou na vida?
2.  Agora, neste momento, você mandaria alguém pra PQP?
3.  Quem ou o quê, conseguiu arrancar de você um gargalhada das boas?
4.  Já se sentiu mal só de entrar num lugar?
5.  Se voltasse ao passado, você consertaria seus erros, ou reviveria tudo novamente?
6.  O que um dia te encantou e hoje não encanta mais?
7.  Será mesmo que o tempo apaga tudo?

Beijos a todos.

18 maio, 2011

18 DE MAIO - DIA NACIONAL DO COMBATE À VIOLÊNCIA E AO ABUSO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

Olá todo mundo!

Hoje é um dia muito, muitíssimo importante para nós. É dia de combate, de luta, de reivindicação de direitos, de pedir punição para os culpados. Hoje é 18 de maio, Dia Nacional do Combate à Violência e ao Abuso Sexual de Crianças e Adolescentes. Esse dia foi instituído legalmente, por meio da lei 9.970, de 17/5/2000.

O objetivo desse post é aderir às campanhas nacionais de mobilização do governo e da sociedade para seguir combatendo essa forma cruel de violação de direitos de meninas, meninos e jovens brasileiros.

Não podemos mais continuar tolerando a prática desses crimes hediondos.  Aqui sim, é tolerância zero! Temos que romper o silêncio e impedir que tais crimes sejam banalizados, pois o que é banal está a um passo de ser institucional!  É hora de romper o silêncio. Temos que nos unir e combater. Como?  Com essa ferramenta poderosa que temos nas mãos: a denúncia, a notícia do crime!
Hora de por a boca no mundo!!!
Se desconfiar, please, não deixe de denunciar!

  • Para fazer denúncias, é só ligar para o Disque 100  (Direitos Humanos), serviço gratuito que funciona 24 horas por dia, sete dias por semana.
  • As denúncias também podem ser feitas pelo site http://www.disque100.gov.br/ ou pelo endereço eletrônico disquedenuncia@sedh.gov.br.
A sociedade brasileira está diante de um grave problema que precisa ser enfrentado e erradicado de uma vez por todas. Ano passado fiz um post bem interessante sobre esse assunto, aqui.

Era isso.
Beijos a todos.

15 maio, 2011

DA SÉRIE HUMOR - GRANDES QUESTÕES DA HUMANIDADE

Olá turma. Faz tempo recebi esse texto num email. Semana passada veio novamente, atualizado. Dei uma repaginada e resolvi compartilhar com você, pois embora seja ao mesmo tempo uma leitura light é altamente cultural. Cultura geral da boa, rsrs. Sei, hoje é domingo, e tals, mas nada impede que possamos unir o útil ao agradável: adquirir conhecimento e descansar os miolos. Veja então os dizeres de alguns dos grandes nomes da história do Brasil e do Mundo, ao responderem a esta importante questão:

O frango atravessou a rua. Porquê?
CRIANÇA
Porque sim.
PROFESSORA PRIMÁRIA
Porque o frango queria chegar ao outro lado da rua.
PLATÃO
Porque buscava alcançar o Bem.
ARISTÓTELES
Porque é da natureza do frango atravessar a rua.
MARX
Porque o atual estágio das forças produtivas exigia uma nova classe de frangos capazes de atravessar a rua.
MARTIN LUTHER KING
Eu tive um sonho. Vi um mundo no qual todos os frangos serão livres para atravessar a rua sem que sejam questionados seus motivos.
FREUD
A preocupação com o fato de o frango ter atravessado a rua é um sintoma de insegurança sexual.
DARWIN
Ao longo de grandes períodos de tempo, os frangos têm sido selecionados naturalmente, de modo que, agora, têm uma predisposição genética para atravessar as ruas.
EINSTEIN
Se o frango atravessou a rua ou a rua se moveu sob o frango, depende do ponto de vista. Tudo é relativo.
HELOISA HELENA
Porque as elites estelionatárias, caucasianas e aristocráticas usurparam a população de frangos tirando-lhes a capacidade de luta em defesa dos seus direitos.
ZECA PAGODINHO
Porque do outro lado da rua tinha uma Brahma gelada.
AMIR KLINK
para ir aonde nenhum frango jamais esteve.
NELSON RODRIGUES
Porque viu sua cunhada, uma galinha sedutora, do outro lado.
DATENA
É uma pouca vergonha! Uma Barbaridade! Põe no ar! Põe no ar aí as imagens do frango atravessando a rua.
POLIANA
Porque estava feliz.
MACONHEIRO
Porque ele queria fazer uma 'viagem'.
CAETANO VELOSO
O frango é amaro, é lindo, uma coisa assim... amara! Ele atravessou, atravessa e atravessará a rua porque Narciso, filho de D.Canô, quisera comê-lo…ou não!!
GILBERTO GIL
Porque a metáfora da música brasileira na globalização efetiva dos carentes objetos da sinergia do frango, fizeram a pluralização chegar aos ouvidos eternos da geografia assimétrica do outro lado da rua.
LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Porque ele queria se juntar aos outros companheiros mamíferos.

E aí, quem se habilita a responder?

Tá bom, eu respondo. O frango atravessou a rua para fugir do fiscal da SRFB. Tsc, tsc.
Beijos e bom domingo a todos.

QUERO LER TODOS ESSES LIVROS?

Todo mundo diz que gosta muito de ler. Okay, eu também. Mas como falei alhures, não leio tudo que me cai nas mãos. Tenho critérios. Aprendi que a leitura, além de informativa, é fonte prazer. Sem essa de andar por aí lendo tudo o que encontro. Leio bulas, manuais, panfletos, etc., mas só e quando me interessam. No passado eu era diferente e, no quesito livros, chegava a ler vários ao mesmo tempo.

Mas hoje em dia, mudei. Não quero mais ler tudo isso, não tenho mais tempo. Quero ler, mas também fazer outras coisas que me dêem gratificação imediata. Origami, por exemplo, é uma arte que me seduz! E os livros de origami são um capítulo à parte. Um genuíno prazer.

Pois não é que achei alguém que pensa como eu? Na verdade, acho que muitos pensam assim, mas, cadê coragem para expor um pensamento que segue na contra-mão das massas?

Então. Esse alguém a quem me referi, é nada mais, nada menos que o grande Rubem Alves!* E essa sincronia que encontrei no pensamento dele com o meu, é uma honra para mim. Por isso, resolvi trazer aqui o texto pra você ler. É longo, mas maravilhoso. Ele tem uma prosa poética e encantadora, um verdadeiro fascínio.

Grande Rubem, é tudo com você, please, solte o verbo!

LER POUCO
Jovem, eu sonhava ter uma grande biblioteca. E fui assim pela vida, comprando os livros que podia. Tive de desenvolver métodos para controlar minha voracidade, porque o dinheiro e o tempo eram poucos. Entrava na livraria, separava todos os livros que desejava comprar e, ao me aproximar do caixa, colocava-os sobre o balcão e me perguntava diante de cada um: “ Tenho necessidade imediata desse livro? Tenho outros, em casa, ainda não lidos? Posso esperar?” E assim ia pegando cada um deles e os devolvendo às prateleiras. A despeito desse método de controle cheguei a ter uma biblioteca significativa, mais do que suficiente para as minhas necessidades.
Notei, à medida em que envelhecia, uma mudança nas minhas preferências: passei a ter mais prazer na seção dos livros de arte nas livrarias. Os livros de ciência a gente lê uma vez, fica sabendo e não tem necessidade de ler de novo. Com os livros de arte acontece diferente. Cada vez que os abrimos é um encantamento novo! Creio que meu amor pelos livros de arte têm a ver com experiências infantis. Talvez que os psicanalistas interpretem esse amor como uma manifestação neurótica de regressão. Não me incomodo. Pois, em oposição à psicanálise que considera a infância como um período de imaturidade que deve ser ultrapassado para que nos tornemos adultos, eu, inspirado por teólogos e poetas, considero a maturidade como uma doença a ser curada. Bem reza a Adélia Prado: “ Meu Deus, me dá cinco anos, me cura de ser grande...” E não pensem que isso é maluquice de poeta. Peter Berger, um sociólogo inteligente e com senso de humor, definiu “maturidade”, essa qualidade tão valorizada, como “ um estado de mente que se acomodou, ajustou-se ao status quo e abandonou os sonhos selvagens de aventura e realização...” Menino de cinco anos, eu passava horas vendo um livro da minha mãe, cheio de figuras. Lembro-me: uma delas era um prédio de dez andares com a seguinte explicação: “Nos Estados Unidos há casas de dez andares.” E havia a figura de um caçador de jacarés, e de crianças esquimós saudando a chegada do sol.
O fato é que comecei a mudar os meus gostos e chegou um momento em que, olhando para aquelas estantes cheias de livros, eu me perguntei: “Já sou velho. Terei tempo de ler todos esses livros? Eu quero ler todos esses livros?” Não, nem tenho tempo e nem quero. Então, por que guardá-los? Resolvi dar os livros que eu não amava. Compreendi, então, que não se pode falar em amor pelos livros, em geral. Um homem que diz amar todas as mulheres na verdade não ama nenhuma. Nunca se apaixonará. O mesmo vale para os livros. Assim, fui aos meus livros com a pergunta: “Você me ama?” ( Acha que estou louco? É Roland Barthes que declara que o texto tem de dar provas de que me deseja. Há muitos livros que dão provas de que me odeiam. Outros me ignoram totalmente, nada querem de mim... ). “Vou querer ler você de novo?” Se as respostas eram negativas o livro era separado para ser dado. Essa coisa de “amor universal aos livros” fez-me lembrar um texto de Nietzsche sobre o filósofo Tales de Mileto, em que ele recorda que “a palavra grega que designa o “sábio” se prende, etimologicamente, a sapio, eu saboreio, sapiens, o degustador, sisyphos, o homem de gosto mais apurado; um apurado degustar e distinguir, um significativo discernimento, constitui, pois, (...) a arte peculiar do filósofo. (...)A ciência, sem essa seleção, sem esse refinamento de gosto, precipita-se sobre tudo o que é possível saber, na cega avidez de querer conhecer a qualquer preço; enquanto o pensar filosófico está sempre no rastro das coisas dignas de serem sabidas...” E depois, no Zaratustra, ele comenta com ironia: “Mastigar e digerir tudo - essa é uma maneira suina.”
O fato é que muitos estudantes são obrigados a ler à maneira suina, mastigando e engolindo o que não desejam. Depois, é claro, vomitam tudo... Como eu já passei dessa fase, posso me entregar ao prazer de ler os livros à maneira canina. Nenhum cachorro abocanha a comida. Primeiro ele cheira. Se o nariz não disser “sim” ele não come. Faço o mesmo com os livros. Primeiro cheiro. O que procuro? O cheiro do escritor. Se não tem cheiro humano, não como. Nietzsche também cheirava primeiro. Dizia só amar os livros escritos com sangue.
Ler é um ritual antropofágico. Sabia disso Murilo Mendes quando escreveu: “No tempo em que eu não era antropófago, isto é, no tempo em que eu não devorava livros - e os livros não são homens, não contém a substância, o próprio sangue do homem?” A antropofagia não se fazia por razões alimentares. Fazia-se por razões mágicas. Quem come a carne do sacrificado se apropria das virtudes que moravam no seu corpo. Como na eucaristia cristã, que é um ritual antropofágico: “Esse pão é a minha carne, esse vinho é o meu sangue...” Cada livro é um sacramento. Cada leitura é um ritual mágico. Quem lê um livro escrito com sangue corre o risco de ficar parecido com o escritor. Já aconteceu comigo...
 * Rubem Alves é teólogo, filósofo e psicanalista, autor de 40 livros.
Tirei daqui.

09 maio, 2011

DECISÃO HISTÓRICA - NO BRASIL CIRCO COM ANIMAIS NUNCA MAIS!

Olá todo mundo!

Estou feliz! Muito feliz mesmo. Um passo à frente foi dado na caminhada, árdua, para defender os direitos dos animais.

Que bom, estou vivendo e vendo esses avanços do nosso Judiciário Brasileiro.

Nem vou dizer nada, vou apenas confessar: copiei esse texto do site Olhar Animal. Penso que essas coisas devem ser MUITO DIVULGADAS, que é pra desencorajar a violência contra os animais, violência essa que, há muito vem sendo praticada por uma escória social, que são-gente-porque-falam-e-andam-sobre-duas-pernas, mas que na verdade não passam de ETs sanguinários. Uma corja, um câncer social. 

Está de parabéns a Justiça Brasileira, que mostrou habilidade no manejo da balança e força no manejo da espada, para extirpar de vez esse cancro, essa ferida, essas violências que as pessoas de bem, não suportam mais.

A propósito, essa Ação Civil Pública com Pedido de Antecipação de Tutela aconteceu lá em São José dos Campos, SP, mas, que tal se o Ministério Público daqui do sul, ajuizasse uma dessas pra terminar de vez com o sofrimento dos cavalos nas carroças, nos rodeios, e otras cositas más? Será que o MP não enxerga as maldades? Está cego? Não acredito. É bom lembrar que estamos diante de uma lei ambiental, já que a lei dos direitos dos animais mostrou-se imprestável para os fins a que se destinou. Chega, não vou me estender, outro dia falarei a respeito.

Bom, agora é com você, leia o texto, mas não deixe de ir nos links e ler a íntegra. O conhecimento é uma arma e o inimigo é poderoso. Gente, agarre firme essa arma, a luta continua. Vale-a-pena-ler-tudo!

"CONCLUSÃO

Pela primeira vez na história do direito brasileiro chega-se a uma decisão judicial de mérito reconhecendo que a atividade circense exploradora de animais caracteriza abuso, prática que viola o dispositivo constitucional proclamado no artigo 225 par. 1º, inciso VII, que veda a crueldade. Neste sentido, os reclamos defensivos não tinham mesmo razão de ser porque a empresa LE CIRQUE efetivamente utilizava-se de animais em seus espetáculos, violando também o artigo 21 da Lei 11.977/05 (Código Estadual de Proteção aos Animais), cuja constitucionalidade foi expressamente afirmada pelo Poder Judiciário. Apesar dos esforços defensivos em levar a questão até a última instância jurisdicional, conforme se pode verificar pela sucessão de recursos interpostos perante os Tribunais Superiores, a decisão final do ministro Herman Benjamin, do Superior Tribunal de Justiça, ao negar seguimento ao derradeiro embargo, deu inteira razão ao juiz sentenciante, Gustavo Alexandre da Câmara Leal Belluzzo, reconhecendo ele que a exploração de animais em circo configura abuso e, conseqüentemente, prática cruel. Isso tudo representa, em síntese, uma inédita decisão jurídica, que ora se transforma em jurisprudência, em favor do reconhecimento de direitos aos animais."

Fonte:
Arquivo do Fórum de São José dos Campos Processo n. 1071/06 - 6ª Vara Cível de São José dos Campos
Leia a íntegra no site Olhar Animal
Leia aqui também, e veja uma foto de chorar.

Beijos a todos.

04 maio, 2011

PRIORIDADE

Olá todo mundo!

Obrigada. Adorei os comments no post 'Os Injustiçados'. Li todos eles com atenção, e porque o pessoal pôs na mesa suas impressões, decidi colocar as minhas também .

A Lei, serve à vida. Se as leis são draconianas (injustas), como o foram no caso das mulheres, isso se reflete na vida, portanto, temos que cuidar de ter leis adequadas ao contexto histórico em que vivemos. E de que forma teremos essas leis? Pedindo, reinvindicando, lutando, articulando, queimando soutien em praça pública, se for preciso. E sabemos que foi, em relação ao direito das mulheres. Ou você pensa que no passado os homens fariam, numa boa, as leis a nosso favor? Quanto a isso, não me iludo. E acho que nem é por mal, afinal pra eles sempre foi tudo light. Porque iriam preocupar-se conosco(?), "o Direito não socorre aos que dormem". Observe o caso da escravidão negra no Brasil, se não houvesse as lutas, a necessidade econômica etc. e o banzo (gente, que organização, nunca vi nada igual!), teria sido abolida a escravidão? Não sei.

Mas hoje quero refletir com você sobre a nossa vidinha essa daqui, nosso contexto social da atualidade.

Veja. As leis que reconhecem os direitos da mulher estão aí, em plena vigência. Já vimos isso no outro post. E você há de convir que as novas gerações, ao nascer, já encontraram tudo pronto, graças ao contingente que se mobilizou no passado para que isso acontecesse. E o que estamos vendo agora? Mulheres queixando-se da aplicação da lei. Mas o que fazem em contrapartida? Trazem a público a comprovação do que dizem? Articulam-se para endireitar o que está errado? Desculpe, mas não é o que tenho visto.

Parece-me que hoje em dia elas têm outras preocupações, outras prioridades. É. Deve ser isso, afinal o mundo é outro. Novos tempos. Mas cadê os novos rumos? Noto que tanto elas como eles estão sem saber onde pisar. E não lhes tiro a razão, pois a nova estrutura social não tem paradigmas na história. Okay. Mas... será que procuram mesmo saber? Ou preferem lidar com a culpa, o constrangimento, o ti-ti-ti, a condenação velada de seus pares? Uau. Como não vi isso antes? Estão na terceira onda, mas não tiraram o pé da segunda, como diria Toffler! E isso é tão verdadeiro que ainda vejo muito por aí, aquelas discussões bizantinas (que sinceramente não aguento mais), onde homens e mulheres resolvidas, com o dedo em riste sentenciam: a mulher quis igualdade e se masculinizou. Agora que aguente o tirão.

Aí fico pensando: a mulher se masculinizou? Mas que é mesmo se masculinizar, objetivamente? É trabalhar fora, dividir tarefas? Exigir que respeitem o seu espaço? Ajudar no sustento, ou sustentar a família? Usar “roupas de homem” (no passado remoto a mulher não podia usar calças compridas), ler jornal enquanto o marido prepara o lanche? Brincar com as crianças? Ser dona de seu nariz? Falar palavrão? Tomar decisões importantes? Caminhar ao lado do homem?

E o homem? Será que ele se efeminou? Que é efeminar-se? É ficar em casa? Cuidar dos filhos, dividir tarefas, assumir a casa enquanto a mulher trabalha fora? Cuidar ele próprio das suas coisas? Decidir em conjunto com a mulher? Acompanhar o filho na escola? Encarar os problemas triviais do dia-a-dia?

Sei, não.

Só sei dizer que fico boba, quando ouço, (é..., ainda tem!) aqueles argumentos toscos, pra lá de pasteurizados: faz parte da natureza da mulher e blábláblá.... Ahã. No passado também diziam isso e a mulher não podia dirigir automóveis, trabalhar fora, etc. e os homens não podiam chorar e nem sequer segurar seus filhos nos braços. Que os homens falem essas tosquices, até entende-se, afinal, é a mulher que está na berlinda. Mas as mulheres? Putz, pra mim, isso é pura rivalidade. Uma tristeza. :(

No meu pensar, a mulher moderna errou ao assumir atribuições além de suas forças, e, se continuar assim, vai acabar entrando em colapso. Mas, nada que, com raciocínio e discernimento, não possa ser evitado, resolvido ou modificado. Cada caso é um caso. Sem essa de ficar numa pior, só pra não dizerem que se masculinizou, coisa mais antiga! Muito aturei essa lenga-lenga, no alvorecer da Lei 4.121!  (Easy madame, isso foi lá nos anos 60. Passou. Passou. Rsrsrs.)

Uma coisa é certa: as mulheres jamais serão iguais aos homens, graças a Deus; e os homens jamais serão iguais as mulheres, graças a Deus. São seres humanos de natureza biológica completamente diferenciada. Mas são seres humanos, e ao nascerem com vida, tiveram e têm sua personalidade jurídica reconhecida pelo Direito Civil brasileiro, à luz de um dos mais importantes princípios constitucionais: a igualdade de gênero. Portanto, embora diferentes biologicamente, já está comprovado por a+b que essa diferença não pode servir de motivo para que os direitos, o acesso aos direitos e a aplicação da justiça não sejam iguais para ambos os sexos. Quando isso for realmente entendido pela humanidade, os anjos cantarão e ouviremos daqui, os acordes do céu.

Mas por enquanto, muitas leis ainda terão que acontecer e muitas perguntas ainda terão que ser feitas e respondidas, há muito trabalho a fazer. E temos que continuar lutando para que os direitos conquistados não fiquem só na letra da lei. Não podemos esmorecer.

Gente, temos que dar vida à lei. Isso é prioridade! E diz respeito diretamente aos valores que damos à vida em si, às pessoas, às coisas, às atitudes e à convivência harmônica e saudável entre homens e mulheres.

Beijos a todos.

02 maio, 2011

DECISÕES DO STJ GARANTEM AMPLA APLICAÇÃO À IMPENHORABILIDADE DO BEM DE FAMILIA

Olá todo mundo!

Embora meu blog não seja profissional, quando encontro uma notícia jurídica que acho importante e que pode beneficiar alguém, publico por aqui. É o caso do que recebi hoje no clipping da AASP.

Sei que muitas famílias estão com a corda no pescoço em razão de dívidas que se agigantam com o passar do tempo. E temem perder seus bens necessários, e o pior, sua casa própria. Então gente, leiam a notícia, acho que vai ajudar. É uma luz no túnel essa postura do STJ, ao fundamento de que “A lei deve ser aplicada tendo em vista os fins sociais a que ela se destina”.  Aleluia.

Decisões do STJ garantem aplicação ampla à impenhorabilidade do bem de família
Ter casa própria é uma conquista protegida por lei. Há pouco mais de duas décadas, a definição do chamado bem de família vem sendo examinada pelo Judiciário a partir da Lei n. 8.009/1990, que passou a resguardar o imóvel residencial próprio da entidade familiar nos processos de penhora. A ideia é proteger a família, visando defender o ambiente material em que vivem seus membros...
Leia a noticia completa no site da AASP.

Beijos a todos.