29 setembro, 2010

UMA GELADA

Olá, todo mundo

Em julho passado estávamos no aeroporto, no Rio, voltando pra casa, meu marido e eu. Um movimento absurdo, tumultuado, check-in quilométrico. Entramos na fila. E pra completar, bem na nossa frente, uma garota de casaco verde, completamente sem noção, estava aos berros no celular. Falava pelos cotovelos, quase surtando. Puxa vida. Aí lembramos das prioridades. Que babaquice a nossa amargando por aqui nessa doideira! E lá fomos nós para a fila privilegiada. Yess! Só meia dúzia de velhinhos e duas gestantes gravidíssimas. Ufa, daqui a pouco estaremos livres e vai sobrar tempo até para um cafezinho. Beleza. :))


Gente, pura enganação. A tal fila simplesmente não andava. Cadê o atendente? Sumira. Ao reaparecer, entregou os documentos para o primeiro da fila e passou a atender o próximo, ops, a próxima, uma das grávidas. Levou um tempão, falando, gesticulando, pegou alguns papéis e... aff, sumiu de novo! Muito, muito tempo depois ele retornou. A passos lentíssimos, ostentando a mais genuína indolência.

E a gente ali, esperando, em pé, na fila. Enraizados. Lá pelas tantas, quase arranquei meus cabelos, você nem imagina quem passou zunindo por mim. A tal garota do casaco verde! Bom, a essas alturas meu marido bufava. Misericórdia. Será que atiramos pedras na cruz? Olhei para a ex fila. Continuava enorme mas, adivinha, ela ANDAVA!!! Esse era o lance. A fila andava.

Abro um parêntese gigante: fico muito irritada com a burrice alheia. Sabe quem estava atendendo o check-in dos idosos? Um idoso. Sem problemas se ele tivesse experiência no babado. Mas não! Pelo que pude observar ele era completamente inexperiente, a Lentidão em pessoa, uma tartaruga cansada. Ah, tá rindo né... mas naquele momento eu queria ... bom deixa pra lá. Rsrs. Sei que atender prioridades não é mole, por isso mesmo, esse tipo de serviço exige atendentes ágeis, espertos e experientes. E, vamos combinar, de preferência jovens, com mais energia pra aguentar o pique. Stop. Não vou falar mais. Só de lembrar acabo me irritando e enchendo tua paciência. Eita burrice: pesa muito raciocinar? Fecho o parêntese gigante.

Tenho notado que o atendimento às prioridades não está sendo respeitado como deveria. O objetivo de diminuir o tempo de espera, em respeito às limitações humanas, está, aos poucos, esvaziando-se. E nós estamos permitindo, aceitando, avalizando. Cuidado o efeito bumerangue!!!

Fica aqui o alerta: Reclame. Se ninguém atender, reclame mais alto. Se não conseguir, chame a polícia (discretamente, senão eles arrumam rapidinho e dizem na sua carinha que você está mentindo). Registre um B.O. e siga em frente. No Judiciário, como eu fiz. Lei é lei. Chega de ser bobo da corte.

Beijos

27 setembro, 2010

HOMENAGEM AOS IDOSOS

Olá!!


Em 1982 foi realizada em Viena, na Áustria uma Assembleia Mundial sobre o envelhecimento, cuja finalidade era qualificar a vida dos velhos através da saúde e da integração social.

Em 1999 o Brasil escolheu o dia 27 de setembro para homenagear os idosos. Acontece que dia 27 de setembro é dia de São Vicente de Paulo, o pai da caridade. Sacou o preconceito? Decerto acharam que esse contingente já estava com o prazo de validade vencido e então nada melhor que uma boa média: Vai uma caridadezinha aí mermão? Mamma mia, rsrs!!! Caridade. Você concorda? Eu não. (Deixa pra lá, rsrs).

Eu, sinceramente preferiria ser homenageada no dia em que o mundo inteiro se antenou para o Direito da população envelhecida, o dia 1º de outubro, "Dia Internacional do Idoso". Acho mais apropriado, até porque a Lei 10.741/2003, Estatuto do Idoso, também foi criada no dia 1º de outubro.

Não, não pense que não sei que o distanciamento entre a lei e a realidade da velhice no Brasil ainda é enorme. Sei disso, mas o fato de existir uma norma estatutária assecuratória de direitos, por si só, demonstra que há uma preocupação real e verdadeira com a velhice. E acho muito bom, aliás, pra quem não sabe, o Brasil é um país de velhos. A OMS que o diga. Então, nesta data, à guisa de homenagem, deixo o meu recado para todos os velhos do Brasil, (e eu me incluo):

Não podemos esmorecer, o debate precisa continuar. As reivindicações devem acontecer em todos os espaços possíveis. Somente a mobilização permanente da sociedade poderá trazer um novo olhar sobre o processo de envelhecer de todos nós brasileiros. Não se contentem com infantilizações, grupinhos de melhor idade, blusinhas amarelinhas, (inhas e mais inhas) e outras baboseiras mais. Tudo bem desbotadinho, rsrs. Exijam seus direitos, uma aposentadoria decente que lhes permita viver com dignidade. O resto é paliativo.

Please, não torça o nariz, a nossa Carta Magna utiliza o termo velhice, que é um estado natural da vida. Idoso é um eufemismo, a gente costuma usar para dourar a pílula.

E agora, emocionem-se com a poesia mais linda do mundo, com a qual inaugurei o meu blog, ano passado. Chama-se INSTANTES, de Jorge Luiz Borges.

Se eu pudesse viver novamente a minha vida, na próxima trataria de cometer mais erros.
Não tentaria ser tão perfeito, relaxaria mais.
Seria mais tolo ainda do que tenho sido.
Na verdade, bem poucas coisas levaria a sério.
Seria menos higiênico, correria mais riscos, viajaria mais.
Contemplaria mais entardeceres, subiria mais montanhas, nadaria mais rios.
Iria a mais lugares onde nunca fui, tomaria mais sorvete e menos lentilha, teria mais problemas reais e menos imaginários.
Eu fui uma dessas pessoas que viveu sensata e produtivamente cada minuto da sua vida: claro que tive momentos de alegria.
Mas se pudesse voltar a viver, trataria de ter somente bons momentos.
Eu era um desses que nunca ia à parte alguma sem um termômetro, uma bolsa de água quente e um pára-quedas: se eu voltasse a viver, viajaria mais leve.
Se eu pudesse voltar a viver, começaria a andar descalço no começo da primavera e continuaria assim até o fim do outono.
Daria mais voltas na minha rua, contemplaria mais amanheceres e brincaria com mais crianças, se tivesse outra vez uma vida pela frente.
Mas, já viram, tenho 85 anos e sei que estou morrendo.

Pouco tempo depois de escrever essa poesia, o autor nos deixou para sempre. Mas se a vida não é assim como ele desenhou, então não sei o que é. Pois muitas vezes a gente se apega a um monte de bobagens, esquece o mais importante e deixa a vida passar. Acorde, viva a vida enquanto é tempo, não se compare com ninguém. Alegre-se, pois como disse Chaplin, a alegria é a única coisa que realmente nos ajuda a viver!


Beijos a todos.

P.S. - Sobre o envelhecimento já falei aqui.

24 setembro, 2010

KEEP CALM AND CARRY ON

Olá, todo mundo,


Barter Books, Alnwick


"Fique Calmo E Siga Em Frente", tem tudo a ver com os tempos atuais, não é mesmo? Pra lidar com esses tempos bicudos, Keep Calm And Carry On!! Aposto que, se Quintana fosse vivo, diria que estou com a razão. Aposto também que você já andou lendo essas palavras e já viu essa imagem em poster decorando lugares chiques e descolados. Acertei? Claro, claro.

Sem stress, toque sua vida, essa é a idéia. Moderna? Nada. Legítimo upcycle! E dos bons.

A frase, ninguém sabe quem escreveu. A única coisa que veio a público é que lá pelos idos de 1939, bem no início da II Guerra Mundial, o governo britânico fez imprimir três frases, em cartazes, para que a população soubesse que, se o nazismo invadisse a Grã-Bretanha, todas as medidas necessárias para defender a nação estariam sendo tomadas. E o tal Keep Calm And Carry On foi um deles.




Por ordem do rei, os tais cartazes teriam que ser num estilo uniforme e a tipografia teria que ter numa fonte especial e única, que dificultasse o inimigo de falsificá-los. Parece que foram impressos 2,5 milhões, mas a distribuição acabou sendo bastante limitada. (Por lá também acontece dessas!)


Barter Books Alnwick


Em 2001 o dono de um sebo inglês, (na Barter Books, em Alnwick), bateu os olhos numa cópia do tal cartaz que estava perdida numa caixa de livros antigos que ele havia comprado num leilão. Veja só a sorte do cara, encontrar uma imagem de domínio público prontinha pra virar celebridade. Chegado nas artes, ele emoldurou e pendurou o poster na parede do estabelecimento. Touché!! Um megasucesso! Então ele resolveu produzir em escala, a partir do original (óbvio, o desenho da coroa do cartaz já caíra em domínio público). Foi aí que aconteceu o revival. Portanto, se você gostou, pode copiar à vontade, sem problemas, pois o Copyright de peças artísticas criadas pelo governo britânico expira em 50 anos, voilá!!

Vi alguns sites oferecendo download por um precinho camarada e até gratuito. Mas pra mim esse tipo de reprodução vem com a qualidade superprejudicada, ainda mais na tipografia (que é única, lembra?). Sou a favor de pagar pelo original, que vem com direito a historinha e tudo. Vi na Barter Books. É claro que deve ter noutros lugares, eu é que não procurei. E quem quiser os "de grátis", rsrs, versão não-oficial, vulgo pirata, no Mr.Google tem de montão. Adivinha. E se você quiser saber a história toda, siga por aqui, só que está em inglês. Não achei traduzido.

Keep Calm and Carry On. Pensou que era moderno? Ledo engano.

Marli Soares Borges

21 setembro, 2010

OLHAÍ AS ELEIÇÕES GENTE...

Olá, todo mundo!

Olha só que bacana essas tirinhas. Você conhece? Eu amei.
Tem mais aqui.


















Beijos. Fui.

20 setembro, 2010

DIA DO GAÚCHO

Olá, hoje, dia 20 de setembro, comemoramos o Dia do Gaúcho.

Um baita abraço, tchê, bem apertado, em toda a gauchada buena que anda campereando por esses pagos aqui da Blogosfera!!!

Gente, com licença, hoje quero falar um pouquinho de nós. Na Semana Farroupilha, ou semana do Gaúcho, que vai de 14 a 20 de setembro, temos nossas comemorações tradicionais. Comemoramos nas escolas, nas empresas e nas repartições públicas. Em todas as camadas sociais. Durante esse período, as pessoas costumam trabalhar usando as roupas típicas e as crianças também vão à aula pilchadas. É um orgulho para nós. Acreditamos muito nas crianças. Elas são incentivadas a participar, inclusive no desfile, para que a nossa tradição nunca seja esquecida.

O encerramento dos festejos acontece no dia 20 de setembro. É o ponto culminante da festa. Tem sempre um belo desfile, que com suas alegorias, conta a história do Rio Grande do Sul. Vem muita gente de todos os cantos do Brasil e também do exterior. É uma alegria genuína, pacífica, sem transtornos. Tem sido assim através dos tempos. Tomara que continue.

Não é um desfile de luxo, mas a beleza e o cuidado impressionam. É lindo ver os peões montados a cavalo e as "prendas" (mulheres bonitas) com seus vestidos coloridos. É emocionante, a gente só tem olhos para o festival das tradições. O coração fica apertado. E as crianças! Avemaria, elas são um capítulo à parte! Amam desfilar vestidas à caráter: os gaúchos e as prendas, seus olhinhos brilham!!!


R e s p a l d o   L e g a l

A lei nº 4.850/1964 oficializou a Ronda Gaúcha, que passou a ser chamada de Semana Farroupilha e, em 1996, o dia 20 de setembro foi oficializado como o Dia do Gaúcho, passando a ser feriado no Rio Grande do Sul. A Semana Farroupilha vai de 14 a 20 de setembro.




HINO RIOGRANDENSE
Letra de: Francisco Pinto da Fontoura
Música de: Joaquim José Mendanha

Como a aurora precursora
Do farol da divindade,
Foi o vinte de setembro
O precursor da liberdade.

Estribilho:
Mostremos valor, constância
Nesta ímpia e injusta guerra,
Sirvam nossas façanhas
De modelo a toda terra.

Mas não basta pra ser livre
Ser forte, aguerrido e bravo;
Povo que não tem virtude,
Acaba por ser escravo.

Mostremos valor, constância
Nesta ímpia e injusta guerra,
Sirvam nossas façanhas
De modelo a toda terra.

Beijos e bom início de semana a todos.

19 setembro, 2010

DA SÉRIE VALE A PENA LER DE NOVO!

Olá!!

Dia desses, enquanto procurava um livro, dei de cara com outro que nem lembrava mais. Algo assim tipo atirei-no-que-vi-acertei-no-que-não-vi. Mas foi tão legal, recordei tanta coisa... seção nostalgia, pode parar, madame. É um livro fininho, muito simpático, da coleção "Para Gostar de Ler", da Editora Ática, 1983. Quem é da minha época certamente vai lembrar. Eu sei, é antiguinho, qualé, não precisa ficar lembrando isso a toda hora, e minha autoestima, esqueceu? Rsrs. Esses livrinhos realmente faziam a gente gostar de ler. Tem cada coisa boa, uma literatura alegre, pra cima. Sei que tenho mais alguns dessa coleção, mas, onde? Será que alguém levou emprestado? Deixa pra lá. A crônica é do Paulo Mendes Campos e chama-se "Chatear e Encher". Gente, não sei não, mas... de onde saiu mesmo o telemarketing?

"Um amigo meu me ensina a diferença entre 'chatear' e 'encher'.
Chatear é assim:

Você telefona para um escritório qualquer na cidade.
- Alô! Quer me chamar por favor o Valdemar?
- Aqui não tem nenhum Valdemar.
Daí a alguns minutos você liga de novo:
- O Valdemar, por obséquio.
- Cavalheiro, aqui não trabalha nenhum Valdemar.
- Mas não é do número tal?
- É, mas aqui não trabalha nenhum Valdemar. 
Mais cinco minutos, você liga o mesmo número:
- Por favor, o Valdemar já chegou?
- Vê se te manca, palhaço. Já não lhe disse que o diabo desse Valdemar nunca trabalhou aqui?
- Mas ele mesmo me disse que trabalhava aí.
- Não chateia.
Daí a dez minutos, liga de novo.
- Escute uma coisa! O Valdemar não deixou pelo menos um recado?
O outro desta vez esquece a presença da datilógrafa e diz coisas impublicáveis.
Até aqui é chatear. Para encher, espere passar mais dez minutos, faça nova ligação:
Alô! Quem fala? Quem fala aqui é o Valdemar. Alguém telefonou para mim?"
Beijos e bom domingo a todos.

18 setembro, 2010

FELIZ ANIVERSÁRIO GLORINHA!

Olá turma!

Seguinte: a Glorinha, do Café com Bolo está de aniversário hoje. Então, licença, mas dedico este post à querida aniversariante.

Glorinha, minha amiga,
Não a conheço pessoalmente, mas isso não importa. Mesmo. O sentimento de amizade que conquistamos na virtualidade dos blogues vai muito além das linhas materiais que circunscrevem nossa existência. Você já sabe como eu penso: embora as relações sejam virtuais, o sentimento de amizade é real. "São interações virtuais, sim. Mas são verdadeiras e habitam um lugar real no coração da gente! E são cheias de luz."

Então amiga, no dia em que tu estás celebrando a tua vida, aprochegue-se e receba meu abraço bem apertado e votos sinceros de muitas alegrias na tua vida. É isso que te desejo de todo meu coração.

E para celebrar com pompa, vou cantar pra você o parabéns dos gaúchos. Chama-se PARABÉNS CRIOULO. Escuta só:


Parabéns, parabéns //Saúde e felicidade
Que tu colhas sempre todo dia // Paz e alegria na lavoura da amizade.

Que Deus velho te conceda // Com sua benevolência
Muitas, muitas campereadas // No potreiro da existência.

E unidos no mesmo afeto // Te abraçamos neste dia
E para seguir a festança // Repetimos com alegria:

Parabéns, parabéns //Saúde e felicidade
Que tu colhas sempre todo dia // Paz e alegria na lavoura da amizade.

Beijo grande.

17 setembro, 2010

BLOGAGEM COLETIVA - PERDÃO

Olá!
* O tema é perdão.

I n c o n g r u ê n c i a s    d o    P e r d ã o.   

"Daqui a vinte anos haveremos de perdoar-nos uns aos outros, as brigas que tivemos, os revides e as traições. E haveremos de perdoar-nos a nós mesmos, por não nos havermos perdoado mais cedo." (Kierkegaard). Anotei essas palavras quando eu tinha dezenove anos. Anotei a data, óbvio. Lembro que naquela época considerei tudo isso uma verdadeira utopia. Imagine só, eu perdoar meus desafetos? Sem essa. E lá se foram os vinte anos que ele falou. Já sei, você quer saber no que deu. Calma, já vou contar.

Com o passar do tempo a vida vai nos ensinando algumas coisas. Vamos adquirindo experiências, vivendo e aprendendo, mudando nossos rumos. Serenando e apaziguando nosso coração. Comigo foi assim. Certo dia aconteceu a mágica e comecei a perdoar. Nem me dei conta. E sei que é assim pra muita gente. Passei a notar então, que no limiar da maturidade, entre outras benesses, a gente incorpora a virtude de perdoar. E isso é muito legal, faz bem ao coração. Ok, mas... e as tais palavras? Ih, gente, muito esperto o tal filósofo! Acertou na mosca. \o/

Antes de sair, quero dizer uma coisa. Por favor, não se coloque na obrigação de perdoar. O perdão só é gratificante quando natural e verdadeiro. Jamais inclua o perdão no rol dos deveres, pois as chances de sair ileso dessa jogada são nulas. Lembre-se que o ato de perdoar contém em si um ato de desistir, que por sua vez, tem que ser na medida certa. Do contrário você vai acabar se entristecendo e afogando-se num mar de desistências. E corre o risco de desistir de viver e de sonhar. E isso não é uma boa. Esse pecado não tem perdão!!

Desista de tudo, mas não desista de você. Se você desistir, ninguém te perdoará. Você, assim como eu, somos parte do universo. Essência. É preferível descobrir a medida certa para o perdão, sem esquecer que ao perdoarmos alguém, podemos estar também perdoando a nós mesmos. Beleza?

A propósito, extraí um fragmento de um texto da Clarice Lispector, onde aparece com nitidez essa incongruência que envolve o perdão. Disse ela:

(...) é imperdoável desistir da própria vida, dos sonhos que alimentam a trajetória do homem. Desista de tudo, de lutar pelo filho que não quer mudar, da filha que decidiu abandonar a casa em tom de rebeldia, do "amor da sua vida" que quer "mais liberdade", do emprego que te suga até a alma, (...) ... só não desista de você, é imperdoável perdermos alguém tão especial, tão essencial, como você. (...)
(Perdão e impunidade são coisas diferentes. Um dia postarei algo a respeito. É um assunto prá lá de interessante. Prometo com os dedos cruzados, rsrs).

Beijos.

* Blogagem coletiva organizada pela Glorinha do Blog Café com Bolo.

16 setembro, 2010

BLOGAGEM COLETIVA - AMOR

Olá, turma

Hoje iremos falar de amor. E digo iremos porque certamente a blogosfera estará bordada de amor. É que a Cíntia propôs uma Blogagem Coletiva para comemorar o aniversário de seu blog. Yesss! O Blog Meu Cantinho está fazendo 2 anos! Parabéns!!!

O tema da blogagem? Amor.


Amor, amor, amor ... dizem os poetas.
Amor, amor, amor ... repetem os amantes.
Explode coração, canta a canção.
Essa é, sem dúvida, a mais descomplicada face do amor!

É que o amor tem muitas nuances e pode manifestar-se de várias formas. Sempre pensei no motivo da expressão bíblica que manda (sim, manda) amar ao próximo. E tenho uma teoria. A vida ensinou-me que, excetuado o amor lírico, (aquele dos amantes), o exercício do amor em si é bem complicado e que amar ao próximo é mais complicado ainda, mais difícil. Quem já viveu um bocado como eu, entende bem a que me refiro. O convívio com o outro, com as diferenças, exige de nós, para a prática do amor, um grande despreendimento. A partir desse despreendimento, (e, só aí) poderemos, olhando-o-outro-com-amor, fazer alguns gestos que, embora pequenos possam minimizar o sofrimento do próximo em determinadas contingências da vida. Trocando em miúdos: É simplesmente fazer alguma coisa pelo outro quando ele necessita, mesmo que a gente tenha algumas reservas com ele. Fácil. (!?)

Custou, mas caiu a ficha. Taí o porquê do mencionado comando que permeia o Grande Livro.

Então, nesse post, resolvi trazer um poema que acho muito lindo e bem delineado. É de um tal de Geraldo Eustaquilo, (desculpe, Geraldo, se não o conheço), mas o poema é maravilhoso, um verdadeiro ato de contrição que nos convida a olhar o próximo (abrir as portas do coração), para que o amor resplandeça na sua mais pura essência, e, agora digo eu, possa ser traduzido numa daquelas virtudes tão necessárias entre nós: caridade, fraternidade e solidariedade.

Enjoy.

Soneto de amor ao próximo 
Hoje eu olharei as pessoas simplesmente como pessoas
sem nenhum preconceito ou opinião
que me leve a separar 'más das boas',
e a viver com base nessa total conclusão


Hoje eu olharei as pessoas simplesmente como espelhos
onde vejo refletidas minhas fraquezas e virtudes
de tal forma que as minhas criticas e conselhos
sirvam antes para mudar minhas próprias atitudes


Hoje olharei as pessoas com aceitação total
sem formalismos solenes ou distancia social
sem condenar seus defeitos ou zombar de suas limitações
mas respeitando seus direitos, crenças e aspirações
acolhendo o que cada um e, do jeito que cada um for
Eu hoje olharei as pessoas simplesmente com AMOR!!!!!
Beijos.

14 setembro, 2010

RECEITINHA BÁSICA

Olá!

Amanheceu uma ventania, mas parou de chover. Segue frio por aqui. Gente, vocês são demais, deixam cada comentário que é um arraso. Fico boba com o carinho de vocês e sinceramente, a minha vontade é de responder a cada um em particular, de me dedicar mais. O problema é que eu ficaria sem tempo pra tocar a minha vida. E ainda por cima, essa conexão-tartaruga-cansada está cada vez pior! Caracas, não sei o que há, antes era ótima, ultrarápida, agora toda hora cai. Aff. Parece que a internet está mesmo a fim de me sacanear. Ainda bem que os comentários de vocês são uma verdadeira injeção de ânimo!! ;)) Muitissimo obrigada.

Calma, estou falando baixinho porque a conexão voltou e não quero que ela fuja. Tenho aqui pra você uns comprimidos de sabedoria que também são muito bons pra manter a nossa vitalidade. A receita é de Chico Xavier. Considero ele um homem incomum. Alguém que durante o tempo em que viveu nunca prejudicou nossos neurônios com paliativos.
"A gente pode morar numa casa mais ou menos, numa rua mais ou menos, numa cidade mais ou menos, e até ter um governo mais ou menos. A gente pode dormir numa cama mais ou menos, comer um feijão mais ou menos, ter um transporte mais ou menos, e até ser obrigado a acreditar mais ou menos no futuro. A gente pode olhar em volta e sentir que tudo está mais ou menos. Tudo bem.
O que a gente não pode mesmo, nunca, de jeito nenhum, é amar mais ou menos, é sonhar mais ou menos, é ser amigo mais ou menos, é namorar mais ou menos, é ter fé mais ou menos, e acreditar mais ou menos. Senão a gente corre o risco de se tornar uma pessoa mais ou menos." 
Beijos

10 setembro, 2010

BLOGAGEM COLETIVA - SENTIMENTOS - ORGULHO

Olá, turma

* O tema é orgulho.

or.gu.lho
Substantivo masculino.
1.Sentimento de dignidade pessoal; brio, altivez.
2.Amor-próprio demasiado; soberba.
3.Aquilo ou aquele(s) de que(m) se tem orgulho.
§ or.gu.lho.so (ô) adj. sm.

Depois desse help que peguei no Aurélio, ficou bem mais fácil a gente bater um papinho. Então. O orgulho é um sentimento que pode ser bom ou ruim. Depende das circunstâncias. Mas, nem vou explicar nada porque a gente sabe muito bem a distinção entre orgulho e orgulho.

Gosto demais de sentir orgulho por meus ganhos e superações em vários aspectos da vida. Sei que tenho razões de sobra para orgulhar-me. Aliás, não estou sozinha nessa parada, pois todos nós, se fizermos uma leitura de mundo, com honestidade, encontraremos vários motivos para nos orgulhar de nossa caminhada terrena. E, nesse sentido, o orgulho é um sentimento muito bem vindo. \o/

Mas por outro lado, não posso deixar à deriva a feição malvada do orgulho, aquela que cega o entendimento e conduz à arrogância. Você sabia que o primeiro pecado mencionado na Bíblia foi o orgulho? Sim, Satanás estava se achando, queria ser o tal, queria ser como Deus. E assim nasceu a primeira contenda no céu. Uma penca de anjos foi seduzida, acreditaram nas promessas do futuro senhor de tudo. E você já sabe o resultado: confusão, mágoa, brigas e divisões. (ih, esse filme tá meio passadinho, não?) Enfim, uma tristeza. O orgulho sufoca, destrói e derruba. E, nesse sentido, o orgulho é um sentimento muito mal vindo. Xô. :((

Ah, tenho uma historinha pra você. Alguém me contou há bastante tempo. Nem lembro mais as palavras certas, mas sei contar assim:


A     L A M P A R I N A

Era uma vez uma lamparina cheia de óleo que vivia se gabando de ter um brilho maior que o Sol. Mas veio uma rajada de vento e... puf! Ela apagou. Ao acendê-la novamente, alguém lhe disse baixinho: ilumina e cala-te. O brilho dos astros não conhece o eclipse. (Gente, bem que ela podia dormir sem essa né, rsrs)?

Moral da história:
Que o brilho de uma vida gloriosa não te encha de orgulho. Nada do que adquirimos nos pertence de verdade.

E, como eu estava dizendo, gosto de sentir orgulho, mas aquele orgulho bom, que dignifica, que promove a vida, que traz sustentabilidade às nossas convivências. De resto, abomino o orgulho que conduz à arrogância. Odeio. Até porque, a vida é dinâmica, nada permanece como está.

Beijos.

* Blogagem coletiva organizada pela Glorinha do Blog Café com Bolo.

09 setembro, 2010

UM DIA MUITO ESPECIAL

Olá!

Hoje é um dia muito especial. Meu filho está fazendo aniversário. Trinta anos. Exatamente a metade de minha idade. (Sim, eu já era balzaquiana quando dei à luz, hehe). Taí ele, o Mateus.

Mateus é dono de uma aura energética tão boa, que as pessoas adoram estar em sua companhia. Ele é agregador por natureza.

No ano passado, aventurei-me no Orkut e escrevi, de aniversário, um depoimento pra ele. Transcrevo aqui aquelas palavras, porque é exatamente isso o que desejo dizer aqui e agora. Antes, porém, minha homenagem de mãe:

Parabéns Mateus, continue sendo o filho que és.
Deus derrame sobre ti muitas bênçãos e te dê saúde, alegria,
amor e sucesso profissional.
Beijos e abraços.  

Mateus Borges é Produtor Musical e proprietário do Estúdio audioFARM

 Eis o depoimento que fiz.
Mateus, meu filho amado! Tenho muito o que falar sobre ele, mas vou tentar resumir. O Mateus é um homem bom. Muiiio talentoso, estudioso e inteligente. Extremamente criativo. Sabe o que faz e o resultado de seu trabalho tem demonstrado que tenho razão. Sua presença é alegre e carismática. Um amigão. Consegue ser simples num mundo onde todos pensam que complicar é sinal de inteligência. Enganam-se. É muito difícil ser simples, e são pouquissimas as pessoas que atingem esse estágio na vida. E o Mateus consegue! Ele é o cara!!! Feliz Aniversário atrasado! Não escrevi antes porque não sabia mexer direito no Orkut. Agora aprendi, acho! Bj Marli.
Volto amanhã na blogagem coletiva.
Beijos.

UP DATE: Tá bom, tá bom, mas hoje é dia só das qualidades. É aniversário, oras. Em todo o caso vai o pior dos defeitos: O Mateus é gremista! Aff. Que fazer? Bem que eu tentei... eu sou colorada!!! Mas a gente se respeita!!! Rsrs.


06 setembro, 2010

PASÁRGADA ONTEM E HOJE

Olá, todo mundo!

Uma paródia bem feita vale a pena a gente ler. Você conhece essa do Millôr Fernandes? Ele homenageou Manuel Bandeira, o criador da utópica e delirante Pasárgada. E o fez desconstruindo-a com uma bela paródia que leva o título "Vou-me Embora de Pasárgada". É bom antes, ler o original, que também gosto demais, para, em seguida apreciar a beleza do humor cáustico do "escritor, finalmente, sem estilo", que amo de paixão. E observe que a paródia, não poderia ser mais atual. Atualidade que devemos lamentar. Olhaí as eleições gente!!


O R I G I N A L
Manuel Bandeira - VOU-ME EMBORA PRA PASÁRGADA!


Vou-me embora pra Pasárgada // Lá sou amigo do rei
Lá tenho a mulher que eu quero // Na cama que escolherei

Vou-me embora pra Pasárgada // Aqui eu não sou feliz
Lá a existência é uma aventura // De tal modo inconseqüente
Que Joana a Louca de Espanha  // Rainha e falsa demente
Vem a ser contraparente // Da nora que nunca tive

E como farei ginástica // Andarei de bicicleta
Montarei em burro brabo // Subirei no pau-de-sebo
Tomarei banhos de mar! // E quando estiver cansado
Deito na beira do rio // Mando chamar a mãe-d'água
Pra me contar as histórias // Que no tempo de eu menino
Rosa vinha me contar // Vou-me embora pra Pasárgada
  
Em Pasárgada tem tudo // É outra civilização
Tem um processo seguro // De impedir a concepção
Tem telefone automático // Tem alcalóide à vontade
Tem prostitutas bonitas // Para a gente namorar
  
E quando eu estiver mais triste // Mas triste de não ter jeito
Quando de noite me der // Vontade de me matar
— Lá sou amigo do rei — // Terei a mulher que eu quero
Na cama que escolherei // Vou-me embora pra Pasárgada.



P A R Ó D I A
Millôr Fernandes - VOU-ME EMBORA DE PASÁRGADA!


Vou-me embora de Pasárgada // Sou inimigo do rei
Não tenho nada que quero // Não tenho e nunca terei
  
Vou-me embora de Pasárgada // Aqui eu não sou feliz
A existência é tão dura // As elites tão senis
Que Joana, a louca da Espanha // Rainha e falsa demente
Ainda é mais coerente // Do que os donos do país.

A gente só faz ginástica // Nos velhos trens da central
Se quer comer todo dia // A polícia baixa o pau
E como já estou cansado // Sem esperança num país
Em que tudo nos revolta // Já comprei ida sem volta
Pra outro qualquer lugar // Aqui não quero ficar.
Vou-me embora de Pasárgada.

Pasárgada já não tem nada // Nem mesmo recordação
Nem a fome e a doença // Impedem a concepção
Telefone não telefona // A droga é falsificada
E prostitutas aidéticas // Se fingem de namoradas.

E se hoje acordei alegre // Não pensem que vou ficar
Nosso presente já era // Nosso passado já foi.
Dou boiada pra ir embora // Pra ficar só dou um boi
Sou inimigo do rei // Não tenho nada na vida
Não tenho e nunca terei // Vou-me embora de Pasárgada.

See you later.
Beijos.

03 setembro, 2010

BLOGAGEM COLETIVA - SENTIMENTOS - FELICIDADE

Olá!

Você sabia que à luz da neurolinguística, nós podemos alcançar a felicidade hoje e agora, a despeito dos problemas que estamos enfrentando? É isso aí. Tenho até uma dica. Se você não quiser cansar tua beleza com minhas filosofias de botequim, pule essa parte e vá direto pra neurolinguística. Não me incomodo. É que, simplesmente, não posso deixar esse texto perneta, okay?

Não olhe para mim. Ninguém ainda conseguiu conceituar a felicidade. Sabe-se porém, que ela tem um perfil que varia de acordo com o nível social e intelectual de cada um, o que leva a crer que é apenas um estado de espírito, um modo de ver a vida e não um acontecimento em si. Tanto é, que cada um de nós tem um jeito próprio e único de ser feliz. Conclusão: a felicidade é uma atitude comportamental, está dentro de nós. Óbvio. Mas está atrelada à noção de possibilidade real. Nada de contentar-se somente com as coisas impossíveis. Sacou? Já sei, agora vem a clássica perguntinha. Como faço pra ter essa tal noção de possibilidade real? Peraí. Vou correndo buscar socorro nas palavras de um velho amigo. Veja o que ele diz: "Conhece-te a ti mesmo. Assim não te perderás em meio às coisas e saberás como modificar tua relação contigo, com os outros e com o mundo". Grande Sócrates!! Ele pregava que para alcançar a felicidade, devemos nos ocupar antes com nós mesmos, porque esse é o caminho que permite acessar a nossa verdade, que é a única verdade capaz de transformar-nos em sujeitos de nosso próprio destino.

Trocando em miúdos, ninguém pode nos fazer felizes ou infelizes. Nós regemos o nosso caminho e somos herdeiros dos nossos atos, que por sua vez, resultam do nosso pensar. Mas é o autoconhecimento que nos dará o poder para dirigir bem ou mal a nossa existência, olhar a vida com outros olhos, mudar as lentes quando necessário e não desejar o impossível, ou seja, ter a mencionada noção de possibilidade real. Ser feliz ou infeliz. A felicidade e a infelicidade são subprodutos dos nossos pensamentos construtivos ou destrutivos. Ufa! Taí ainda?

Alumiada a vereda, vamos à neurolinguística.

Veja como funciona o nosso cérebro. Quando você tem um pensamento negativo, teu cérebro entende que você está em apuros e aciona um esquadrão de neurônios armados de explosivos até os dentes: cortisol e adrenalina. Essas substâncias que, em princípio, pretendem te dar forças pra você fugir daquela situação aflitiva, na verdade te deixam agitado, enraivecido, infeliz. De outra banda, quando você tem um pensamento positivo, teu cérebro entende que você está feliz, então ele te recompensa com uma carga deliciosa de moléculas de felicidade, de desejo e de prazer: dopamina, serotonina e endorfinas. Uau.

Era isso. Agora a dica. Quentíssima, fervendo, rsrs! Estudos comprovam que essa técnica "altera a configuração cerebral". Ok. O lance é o seguinte: enganar o cérebro. (Bem que você já havia desconfiado, né,... aí tem enganação!! Rsrs). Nem ouse pensar em abduzir-me. Desista. Até porque, se você chegou até aqui o melhor mesmo é prestar atenção na dica, hehe.

Saiba reconhecer quando os pensamentos negativos estiverem ocupando sua mente, em especial nos períodos de conflitos e sofrimentos. Feito isso, ataque sem demora esses pensamentos infames. Ponha-os pra nocaute, sem dó nem piedade. É fácil! Substitua-os imediatamente por pensamentos positivos! É tiro e queda. E convença-se de uma vez por todas, que você tem esse poder, afinal, quem comanda seus pensamentos é você! Caramba, não se deixe intimidar, engane logo seu cérebro, oras. Faça ele pensar que você está feliz!! Toque aqui!! E que venham as endorfinas, serotoninas e dopaminas! Yesss!!! \o/
Beijos
P.S. Já andei escrevendo sobre isso: aqui, aqui e aqui.
Saiba mais: M. Foucault in "A Hermenêutica do Sujeito", SP, 2004.

01 setembro, 2010

VOCÊ GOSTA DE PIPOCA?

Olá!


Ao lado do meu lap tem uma xícara de café e uma tigela de pipocas que fiz agorinha mesmo no microondas. Sou ligada nessa dupla. Café com pipoca. Glup, glup, croc, croc. Delícia! Cheguei louca por uma pipoca quentinha. É que ontem amarguei --de novo-- um plantão no aeroporto, dessa vez, no Rio, e ouvi uns papos que não gostei nadinha. Mas, sinceridade? Acho que é pura boataria. Não acredito mesmo. Em todo o caso, vou repassar aqui pra você.
Ouvi dizer que tem gente querendo terminar com as pipocas no cinema. Aí pensei, será que vão proibir? Ó, céus. Uma coisa tão boa... um hábito tão, digamos...atávico, que mexe com tantas recordações! Lembrei então, que há tempos atrás uma rede de cinemas da Inglaterra já havia proibido o consumo de pipocas em suas salas, por causa do cheiro e, principalmente do barulho. Mas não deu certo e acabaram liberando de novo. Nem lembro mais o nome da tal rede, só sei que o assunto chamou minha atenção, na época, pelo inusitado.

E agora essa sandice aqui no Brasil? Ah, mas que bobagem, tem gente muito implicante mesmo. Mas se é pra implicar, que tal o barulho dos papéis das balas e bombons? Ora, ora, deixem a pipoca em paz. E as balas e os bombons também. Esqueçam os barulhinhos. Pôxa, ninguém pode mais ter lazer nessa vida? Tem sempre a turma do contra pra incomodar? Eu realmente não me importo, nem com o cheiro e nem com os barulhos normais do desenrolar das balas e bombons. Para mim, não atrapalha em nada, não me impede de assistir o filme e nem de me divertir. Acho que é pura pegação no pé.

É óbvio que costumo comer pipoca no cinema, hehe. Nossa, estou com saudades, desde março desse ano que não pego um cineminha. E tem passado cada filme legal!! Glup, glup, croc, croc. Mais café, mais pipoca. Rsrs.

Beijão.